Let’s have a date! Trufas de tâmaras (dates), cacau, goji e aveia

Depois da sugestão das maçãs caramelizadas, também conhecidas como maçãs-do amor, publicadas há dias atrás, trago-vos uma receita de trufas bastante invulgar já que o único açúcar provém das tâmaras e das bagas goji. O cacau, a manteiga de amendoim e as nozes também marcam presença, resultando numa explosão de sabores intrigante mas deliciosa. É uma receita de grau fácil, ideal para rematar o jantar e  que irá com certeza surpreender a sua cara-metade.

Let´s have a date (tâmara)!

2_

 

Trufas de tâmaras e nozes com aveia

  • 20 Tâmaras (usei 26)
  • 3 colheres de sopa de farelo de aveia ou flocos finos
  • 2 Colheres sopa de cacau cru em pó
  • 1 Colher de sopa de manteiga de amêndoas ou de ser de amendoim)
  • Algumas nozes (opcional)

Para a cobertura:

  • Cacau
  • Bagas  goji trituradas

ou

  • Coco ralado
  • amêndoa aos pedacinhos torrada

Comece por retirar o caroço às tâmaras, ou compre-as já sem caroço. Coloque as tâmaras num processador de alimentos, o cacau e a manteiga de amêndoa ou amendoim. Triture na velocidade máxima até obter uma pasta. Retire a mistura para um prato. Corte as nozes em pedaços pequenos (as nozes são opcionais, mas dão um crocante às trufas) e misture juntamente com a pasta de tâmaras o cacau.

Com as mãos molhadas, retire um pedaço de pasta (pode ser com a ajuda de uma colher) faça bolas com a massa. Repita o processo até terminar toda a pasta.

Para a cobertura das trufas utilize cacau cru, coco ralado e bagas de goji trituradas (pode usar o que mais gostar). Para conservá-las e torna-las mais firmes, coloque num recipiente de vidro e leve ao frigorífico.

3

Overnight oats…healthy and trendy

Se pensam os leitores que as papas de aveia são coisas do passado, desenganem-se! A moda instalou-se e veio para ficar. Fazer papas de aveia para além de ser trendy representa muitos benefícios para a saúde, especialmente se estas forem confecionadas com leite ou bebidas vegetais (leite de arroz, aveia, amêndoa, avelã, coco). A aveia, quer na forma de farelo, flocos ou de farinha, auxilia no bom funcionamento intestinal, prevenindo tumores; ajuda na perda e manutenção do peso, já que promove a saciedade por mais tempo; diminui a absorção de gordura e açúcar pelo sangue, devido às fibras solúveis; ajuda a reforçar o sistema imunológico; ajuda a combater a depressão, visto que contém magnésio e vitaminas do complexo B; tem outras vitaminas e minerais importantes, como vitamina E, zinco, silício, selénio, boro, ferro, fósforo e cobre; previne o envelhecimento precoce, devido aos antioxidantes presentes. É, ainda,  um dos grãos com maior valor proteico e um dos mais baratos.

Existem diversas formas de preparação de papas de aveia. As minhas faço de véspera, até porque nem sempre de manhã há tempo  para as confecionar, não é que sejam morosas de fazer, mas feitas no dia anterior e aquecidas de manhã facilita a organização matinal cá em casa. As verdadeiras overnight oats nem vão ao lume.Consistem em flocos de aveia (oats) que ficam durante a noite (overnight) no frigorífico. E no dia seguinte são consumidos com fruta, iogurte e sementes a gosto.  Há também que as leve ao lume, porque gosta delas quentinhas e cremosas.
12
  1. Papas de Aveia com Canela  e frutos frescos
  • 200 ml de leite magro/leite vegetal
  • 2 colheres (sopa) bem cheias de aveia de flocos finos
  • adoçante a gosto (açúcar, stevia, mel, xarope de agave)
  • Canela em pó a gosto


Misture os flocos de aveia com o leite, e leve ao lume até ferver. Coloque o lume no mínimo e vá mexendo sempre até que as papas comecem a desprender do fundo da panela e  a ficar cremosas. Adoce a gosto. Junte a canela e mexa, ou polvilhe apenas, como gostar mais.

Sirva as papas no próprio dia ou deixe-as arrefecer e guarde-as no frigorífico para serem consumidas no dia seguinte, ao pequeno-almoço ou ao lanche. Acompanhe as papas de aveia com fruta fresca, frutos secos e sementes a gosto.

 Os meus toppings favoritos para papas de aveia

  • Manteiga de amendoim ou de amêndoa (em colheres ou em pepitas)
  • compota
  • maça cozida aos pedaços ou puré de maçã
  • iogurte
  • bananas, maças, morangos, manga fatiados
  • Frutos vermelhos ou silvestres frescos ou congelados ou bagos de romã
  • Frutos secos: arandos, sultanas, alperces, figos e tâmaras; nozes, amêndoas, amendoins e avelãs (estes últimos quatro tostados)
  • Sementes (linhaça, papoila, abóbora, cânhamo, girassol)
  • Coco ralado ou em flocos
  • Chocolate negro ou pepitas de chocolate
Sugestão: as papas podem ser servidas às camadas num copo ou em frascos (com tampa), conferindo-lhes assim um ar mais apetitoso, ao género de sobremesa.
15
13

Workshop Receitas com Aveia anti-colesterol e diabetes e sai a primeira receita

img_1563Ontem foi dia de regressar aos Workshops DeBORLA, depois de dois meses de pausa. Fiquei muito feliz com tamanha afluência. O tema era apelativo e o público confessou que já sentia saudades destas tardes de sábado repletas de aromas e sabores. Para outros, felizmente muitos, foi a estreia. Todos concordaram que devemos, cada vez mais, investir em refeições saudáveis, e eu penso que provei existirem receitas amigas da saúde e ao mesmo tempo bastante saborosas e apelativas. Espero que o caderno de receitas que elaborei para as participantes do workshop lhes sirva de inspiração nos pratos que cozinharem nas suas cozinhas. Algumas já reproduziram este domingo parte das receitas confecionadas e até partilharam fotos na minha página de facebook, o que me deixa realizada e muito feliz.

1

4

Aos poucos irei publicando as receitas com aveia. Como a piza foi um dos pratos mais apreciados, decidi que seria a partilha número 1. Abaixo encontram-se três receitas de bases de massa de piza com aveia. Selecionei a número 1 e fi-la em duas versões: com fermento e sem fermento.

7

Bases para Massa de Piza com Aveia

1.

  • 3/4 chávena de chá de aveia em flocos finos
  • 1 1/4  chávena de chá de farinha de trigo (T65) e de aveia
  • 2/3 chávena de chá de leite magro (usei bebida de aveia)
  • 3/4 chávena de chá de óleo de soja
  • sal a gosto

2.

  • 1 dente de alho
  • 50 g de farinha de aveia
  • 4 claras
  • 1 colher de fermento em pó
  • água até ligar

3.

  • 2 ovos
  • 2 colheres de sopa de farelo de aveia
  • 1 colher de chá de fermento em pó
  • 2 colheres de sopa de iogurte natural desnatado

6

Preparação tradicional da massa 1

Misture todos os ingredientes da massa numa tigela, sove até começar a soltar das mãos. Então em uma superfície lisa e enfarinhada abra a massa com ajuda de um rolo. Forre essa massa em uma forma especial para pizza e leve ao forno baixo até dourar. Retire.

Nota. Pode fazer a massa de véspera e guardá-la no frigorífico.

Preparação em robô de cozinha Thermomix

Coloque todos os ingredientes no copo do robô e marque vel. 6. Quando estiverem misturados, marque a vel. espiga durante 2 minutos. Estenda-a e coloque-a no prato de piza e  leve ao forno baixo até dourar.

Nota. Pode fazer a massa de véspera e guardá-la no frigorífico.

RECHEIO

Disponha molho de tomate (Guloso – Refogado com orégãos), cebola, queijo mozarela ou ricota e outros ingredientes a gosto (fiambre de peru; carne assada desfiada; atum; azeitonas, tomate cereja, salada de folhas, etc.) Finalize com orégãos  ou tomilho fresco ou seco, , sementes de abóbora torradas e grãos de pólen.

Nota: os ingredientes a negrito foram os utilizados como topping nas pizas confecionadas no workshop.

img_1563

Be my Appletine!

Já começou a contagem decrescente para o dia de São Valentim, tradição que encontra grande popularidade entre os namorados e os casais mais jovens e apaixonados. No dia catorze de fevereiro é comum a troca de cartões com mensagens românticas e de presentes, tais como as tradicionais caixas de bombons e as rosas vermelhas. São várias as iniciativas, traduzidas em gestos ou objetivadas em presentes, que nos fazem lembrar estereótipos do amor, muitos deles associados à pressão consumista das sociedades contemporâneas. A sugestão que vos trago hoje afasta-se um pouco das tradicionais comemorações de São Valentim, mas comporta bastante simbolismo. A atriz principal é a maçã.

Desde a história da humanidade que a maçã se apresenta como um ícone. A maçã, por sua forma esférica, significaria globalmente os desejos terrestres ou a complacência em relação a esses desejos. A proibição de Deus alertava o homem contra a predominância desses desejos, que o levavam rumo a uma vida carnal e materialista, oposta à vida espiritual. A advertência divina dá a conhecer ao homem as duas direcções e  obriga-o a optar entre a via do desejo terrestre e a da espiritualidade. A maçã seria o símbolo desse conhecimento e a colocação de uma necessidade: a da escolha. É também o fruto da Árvore da Vida, quando seguimos as referências bíblicas de Adão e Eva, e o fruto da Árvore do Conhecimento. Repare-se no avanço da ciência com a suposta descoberta da gravidade pelo cientista Newton. Tudo isto devido a uma maçã. Não deixa realmente de ser curioso, por isso a maçã é simbolicamente o caminho dual que tanto leva ao mal como ao bem. 

Filosofias à parte, apesar de também saber bem questionar estes simbolismos  criados pela humanidade, resolvi este ano integrar as maçãs caramelizadas, que podem constituir a sobremesa de um jantar do dia dos namorados.

Esta sobremesa foi inventada pelo americano William W. Kolb em 1908. Enquanto fazia na sua loja rebuçados de canela para a época natalícia, resolveu mergulhar maças vermelhas na calda e colocou algumas na montra da loja em exposição. Este doce foi de tal forma um sucesso que estas maçãs começaram a estar disponíveis em vários eventos, lojas de doces e épocas festivas. Passaram a estar associadas a festas de outono, como o Halloween e o Guy Fawkes Day, altura em que acontecia a colheita da maçã.

Abaixo encontra-se a receita das maçãs caramelizadas, que contém  açúcar invertido. Para quem desconhece este ingrediente, ele consiste num xarope quimicamente produzido a partir do açúcar comum, a sacarose. A inversão do açúcar provoca a quebra da sacarose em dois açúcares que formam a sua molécula: glicose e frutose. O açúcar invertido é usado principalmente no fabrico de rebuçados, doces e gelados, para evitar que o açúcar cristalize e dê ao produto final uma consistência arenosa. Para além de conferir textura adequada aos produtos em que é utilizado como matéria prima, o açúcar invertido também auxilia na formação de cor (escurecimento) e de aroma. Uma substância natural com características semelhantes ao açúcar invertido industrialmente produzido é o mel. As abelhas segregam a enzima invertase, que transforma grande parte da sacarose contida no néctar proveniente dos vegetais em glicose e frutose.

Maçãs do Amor

2

Ingredientes

  • 4 maçãs vermelhas médias
  • 300 g de açúcar
  • 120 ml de água
  • 1 e 1/2  colheres de chá de vinagre de vinho branco
  • 1 e 1/2 colheres de chá de canela em pó
  • 3 colheres de sopa de xarope de açúcar invertido

Preparação

Lave as maçãs, enxugue-as bem e retire-lhes os caules. Espete paus de espetadas ou de chupa na parte de baixo/ou de cima de cada maçã. Reserve.

Dissolva o açúcar na água e coloque a caçarola sobre lume médio. Deixe cozinhar durante alguns minutos até o açúcar derreter,rodando a caçarola.

Adicione o vinagre de vinho branco, o xarope invertido e a canela e deixe levantar ferver.

Teste o ponto com frequência. Veja o ponto com recurso a um copo com água fria. Coloque uma colher de chá de caramelo na água . Se solidificar imediatamente e se se partir facilmente ao ser retirado da água, o caramelo  está pronto. Se ainda estiver macio, continue a cozinhá-lo.

Envolva de imediato as maçãs no caramelo e coloque-as a secar numa travessa forrada com papel vegetal. Deixe-as arrefecer ligeiramente e sirva-as.

(receita adaptada do livro Cozinhar é Divertido)

4

5
A titulo de curiosidade, ficam alguns casos curiosos onde a maçã está presente.

1º: Maçã na religião. (Adão e Eva no paraíso e a árvore do conhecimento do bem e do mal, macieira).
2º: Maça na mitologia. ( 11º trabalho de Hércules, colher 3 maçãs de ouro do Jardim das Hespérides).
3º: Maçã na idade média. ( O filho de Guilherme Tell foi atado a uma árvore, e a maçã foi colocada na sua cabeça).
4º: Maça na ciência. (a maçã bateu na cabeça de Newton, quando este se encontrava num jardim, sentado por baixo de uma macieira, gravidade. )
5º: Maça na literatura. ( Branca de Neve e os 7 Anões – A rainha, decidiu usar uma maçã enfeitiçada, a maçã engasgou a Branca de Neve).
6º: Maça na medicina. (“An apple a day keeps the doctor away”. / Uma maçã por dia afasta-te do médico).
7º: Maçã na informática. (Apple, o símbolo da empresa, uma maçã já mordida).

Say Cheese… Say Cake… and don’t forget to mention Oreo

3

Até há bem pouco tempo, eu não me considerava apreciadora de Cheesecakes. Há sempre aquelas sobremesas prediletas e esta não estava definitivamente na lista. Até que fui apresentada a este bolo de queijo, do qual sou agora a fã número um. Existem inúmeras receitas de Cheesecake de bolachas Oreo, uns que incorporam no preparado de queijo e natas o creme das próprias bolachas e outras, como esta, que são muito mais rápidas de confecionar e incluem o recheio das bolachas na base. O que é certo é que todo o sabor está lá, bem como a combinação perfeita entre o crocante da bolacha e a textura do recheio do cheesecake.
Experimentem e deliciem-se!
1
Ingredientes  para a base (forma de 20 cm de diâmetro)
  • 16 Bolachas Oreo (com o recheio)
  • 140 g de manteiga
Ingredientes para o recheio
  • 400 g Queijo Creme 
  • 5 folhas Gelatina Hidratadas
  • 12 c. sopa (rasas)Açúcar em pó
  • 2 c. chá Essência de Baunilha
  • 400 ml Natas
  • 4 bolachas Oreo (com recheio)
Ingredientes para a cobertura
  • metades de bolachas Oreo ou bolachas Oreo trituradas
Preparação
1. Pique bolachas no processador, junte a manteiga e amasse tudo.
2. Unte a forma de aro amovível com manteiga, no fundo e nas laterais.
3. Forre a forma com esta base de bolacha e leve ao frio enquanto prepara o recheio.
4. Numa taça, leve ao micro-ondas as folhas de gelatina hidratadas.
Deixe dissolver durante cerca de 10 segundos, mexa e reserve.
5. Coloque o queijo creme numa taça, junte 8 colheres de açúcar e a essência de baunilha, bata tudo e acrescente depois a gelatina dissolvida. Envolva bem e reserve.
6. Numa taça, bata as natas,  até começarem a armar. Adoce com quatro colheres de açúcar, e continue a bater.
7. Quando estiverem prontas, junte as natas ao preparado de queijo e envolva-os na perfeição.
8. Triture quatro bolachas e junte-as a este preparado.
9. Verta por cima da base de bolacha, alise e leve ao frigorífico durante umas horas (5 no mínimo)
8. Antes de servir, decore com metades de bolachas ou com as mesmas trituradas.

9. Retire a forma do frigorífico um pouco antes de servir e desenforme antes de ir para a mesa.

2

Madalenas de domingo

Os domingos querem-se caseirinhos e calmos, de preferência na companhia da família e no sofá com mantinha. Por vezes, também representam tempo para lanches demorados. Estas madalenas suculentas, feitas com laranjas do nosso pomar, foram o nosso lanche de domingo, acompanhadas com um chá delicioso, que me foi oferecido recentemente. São as pequenas coisas, os pequenos momentos que transformam a vida em algo grandioso. Aproveitemos então as bênçãos da vida!

Madalenas de Laranja

1

2

Ingredientes

  • 4 ovos médios
  • 140 g de manteiga com sal
  • 300 g de açúcar
  • 350 g de farinha com fermento
  • 1 colher de chá de fermento
  • 1 colher de café (rasa) de bicarbonato de sódio
  • sumo e raspa de duas laranjas grandes

Preparação

  1. Bata o açúcar com a manteiga até obter um preparado cremoso.
  2. Adicione um ovo de cada vez, batendo entre cada adição.
  3. Junte a raspa e o sumo das laranjas.
  4. Numa taça, misture a farinha com o fermento e o bicarbonato e peneire. Adicione ao preparado anterior e envolva.
  5. Coloque colheres de massa em formas de alumínio preenchidas com forminhas de papel.
  6. Leve a cozer a 180ºC ,em forno previamente aquecido, durante 15 a 20 minutos. (não deixe secar demasiado)

5

4

Glühwein

diapositivo3

Qualquer pessoa que tenha visitado um mercado alemão ou austríaco na época do Natal conhece o Glühwein. Caracteriza-se por ser um vinho quente aromatizado com laranja e especiarias . A sua origem está associada a países com invernos muito rigorosos sendo, por vezes,  confundido com bebidas como o mulled wine, a versão inglesa e a bebida preferida das festas da Inglaterra Vitoriana, o glogg , um preparado sueco à base de vinho aquecido com açúcar e bebidas destiladas, servido em copos com amêndoas e uvas passas e o eggnog  ou posset também originário de Inglaterra. Este último começou a se consumido no século XIV e ganhou popularidade quando a receita foi levada pelos Pilgrims para as colónias americanas, passando a ser considerado como a bebida das classes populares.  O mesmo aconteceu com o mulled wine.

Se no passado a utilização no vinho de especiarias e de açúcar em excesso  servia, por vezes, para disfarçar um vinho de menor qualidade, hoje estes ingredientes conferem vida e perfume a estas bebidas. 

Sirva o Glühwein num dia frio e, de preferência, partilhe-o com amigos.

Glühwein

diapositivo1

Ingredientes

  • 3/4 chávena (180 ml) de água
  • 3/4 chávena (150 g) de açúcar
  • 1 canela em pau
  • 3 sementes de cardamomo
  • 1 laranja ou 4 tangerinas
  • 8 cravos-da-índia inteiros
  • 3 estrelas de anis
  • 1 (750 ml) garrafa de vinho tinto de qualidade (utilizei Mula Velha)
  • 2 cálices de vinho do Porto (facultativo)
  1. Numa panela, misture a água, o açúcar e o pau de canela. Leve a ferver, diminua o lume e mantenha a água fervendo em lume baixo.
  2. Corte a laranja ao meio e esprema o sumo sobre a água enquanto esta ferve. Fure a casca da laranja com os cravos-da-índia e coloque a laranja com os cravo na água em ebulição. Mantenha a panela ao lume  até que a água esteja com a consistência de uma calda doce.
  3. Misture o vinho, aumente o lume, mas não deixe o vinho ferver.
  4. Retire do lume e deixe descansar durante 1 hora.
  5. Coe  e sirva o Glühwein em canecas ou em copos pré-aquecidos.

diapositivo2