Bolo de cenoura e frutos secos

Este é o segundo bolo de cenoura que partilho convosco. O primeiro não contemplava frutos secos e tinha uma deliciosa cobertura de chocolate. Este caracteriza-se por ser um bolo muito simples de fazer, cozido em forma de bolo inglês. Nesta altura do ano, encontro-me com muito trabalho, no âmbito da minha atividade profissional, e, por isso, menos tempo tenho tido para dedicar a este passatempo culinário. Contudo, a falta de tempo não levou a que saísse um bolo de cenoura menos bonito. A pretexto desta ocasião de gripes e constipações, surge esta sobremesa com toque medicinal, cuja cobertura é um xarope caseiro de cenoura em calda. Arrisquei a conjugação e fiquei deliciada com a combinação dos ingredientes deste bolo outonal.

Bolo de Cenoura e Frutos secos com Cenoura em Calda
4

2.JPG

1

Ingredientes

  • 5 ovos
  • 180 g de açúcar
  • 1oo g de cenoura raspada
  • 150 g de óleo
  • 30 g de nozes
  • 30 g de amêndoa granulada
  • 50 g de passas (embebidas em 2 colheres de sopa de vinho do Porto)
  • 1 colher de café de noz moscada em pó
  • 1 colher de chá de fermento

Preparação

1. Batem-se as gemas com o açúcar até se obter um creme esbranquiçado.

2. Junta-se a cenoura raspada finamente e bate-se novamente.

3. Vai-se adicionando gradualmente os frutos secos triturados e a farinha e o fermento peneirados.

4. Juntam-se as passas juntamente com a marinada em vinho do porto. Costumo levar as passas ao micro ondas até ferverem no vinho do Porto. Depois, deixo-as repousar até ficarem mornas.

5. Batem-se as claras em castelo e envolvem-se na massa.

6. Unta-se uma forma de bolo inglês com manteiga e polvilha-se com pão ralado (os bolos desenformam lindamente).

7. Verte-se a massa para a forma e leva-se a cozer, em forno previamente aquecido, a 200 ºC durante 45 a 60 minutos.

Para a calda

  • cenouras laminadas finamente (usei duas lâminas diferentes da Borner, uma delas ondulada)
  • 2 estrelas de anis
  • açúcar mascavado escuro (mais medicinal)

Preparação

  1. Laminar as cenouras, colocá-las numa taça, juntar as estrelas de anis e cobrir tudo com açúcar a gosto. Tapar e refrigerar pelo menos três horas.
  2. Levar as cenouras com a calda ao lume e deixar que caramelize ligeiramente.

Regar o bolo com a calda e decorar com as cenouras maceradas no açúcar e cerejas em calda.

3

5

Anúncios

Coelho à nossa moda (segredos incluídos)

Hoje resolvi partilhar convosco uma receita de coelho muito apreciada cá em casa, mesmo sabendo que a carne de coelho nem sempre é a predilecta da maioria dos mortais. Esta carne está integrada no grupo das variedades brancas. Contém uma grande quantidade de proteína e pouca gordura em comparação com as carnes de vaca, porco, e cordeiro. Assim, a carne de coelho é excelente para a alimentação de pessoas que têm várias doenças associadas com o trato gastrointestinal. Sabiam que a carne de coelho é absorvida pelo corpo humano em cerca de 90%, e que, por exemplo, apenas 60% da carne de vaca é assimilada? A carne de coelho possui também menos substâncias nitrogenadas, pelo que é a carne ideal para as pessoas que sofrem de gota. É uma carne que possui menor número de fatores alergénicos, de sódio e de gorduras podendo ser consumida por crianças menores de um ano e por pessoas com regimes alimentares baixos em sódio e em calorias. É ainda rica em vitamina C, vitaminas do complexo B, niacina e em minerais como o fósforo, o ferro, o cobalto, o manganês, o potássio e o flúor.

Por todos estes motivos, e também porque é magra e muito saborosa, a carne de coelho faz parte da nossa ementa cá em casa durante todo o ano.

Fiquem então com o registo desta receita de conforto a saber a outono.

Coelho à nossa Moda

1

# caçarola de loiça DeBORLA

# pote de barro da Olaria de S. Bento

Ingredientes e Modo de Confeção

Depois de tirar o “casaco ao coelho” – (eu gosto do eufemismo, mas poderão já comprar o coelho pronto a cozinhar), lava-se o coelho com água temperada com sal e vinagre. Parte-se em pedaços.

De véspera, coloca-se o coelho num alguidar. Faz-se um vinha d’alhos com bastante alho cortado e cebola, massa malagueta, folhas de louro, alecrim, orégãos, colorau (pimentão doce), pimenta da Jamaica e pimenta branca, sal, sumo de um limão e o limão cortado em pedaços. Cobre-se a carne com vinho tinto e vinho branco de qualidade. Rega-se também com um pouco de cerveja.

No próprio dia, faz-se um refogado em azeite com uma cebola grande. Adiciona-se tiras de bacon e chouriço às rodelas. Polvilha-se com Goya Açafrão (mistura de alho moído, pimenta e açafrão)
Antes de se colocar o coelho numa assadeira para ir ao forno, coloca-se o coelho com o vinha d’alhos numa panela e dá-se uma fervura na carne (este é um dos segredos)

Retira-se da panela e coloca-se o coelho na assadeira. Põe-se o refogado com os fumados  (bacon e chouriço) por cima. Envolve-se tudo. Coloca-se uma concha ou duas da água da fervura por cima do coelho antes de ir ao forno. Retifica-se os temperos provando o molho. Deve assar lentamente. (outro segredo).

3.JPG

.

Em jeito de São Martinho…pá de porco com castanhas e chutney de cebola-roxa

O Dia de São Martinho é celebrado anualmente a 11 de novembro. Este dia é uma das celebrações que marcam o outono e a tradição exige celebrar-se a data com um magusto.

A quem se deve então a honra desta festa?

Martinho de Tours foi um militar, monge, bispo e santo católico, nascido a 316 e falecido a 397. A lenda de São Martinho conta que certo dia, um soldado romano chamado Martinho, estava a caminho da sua terra natal. O tempo estava muito frio e Martinho encontrou um mendigo cheio de frio que lhe pediu esmola. Martinho rasgou a sua capa em dois e deu uma metade ao mendigo. De repente o frio parou e o tempo aqueceu. Este acontecimento acredita-se que tenha sido a recompensa por Martinho ter sido bom para com o mendigo. Com o intuito de louvar a partilha, criou-se esta tradição. O costume dita que se assem castanhas e se beba o vinho novo, produzido com a colheita do verão anterior.

Vamos para a mesa?

2.JPG

receita da pá de porco com castanhas

Chutney de Cebola-roxa e whisky

  • 1 kg de cebola roxa
  • 8 colheres de sopa de azeite
  • 1 folha de louro
  • 2 cravinhos
  • 1 pau de canela
  • pimenta preta moída q.b.
  • 100 ml de vinho tinto
  • 100 ml de whisky
  • 6 colheres de sopa de vinagre balsâmico
  • 150 g de açúcar mascavado
  • 1 colher de chá de sal

Preparação:

Descasque as cebolas, corte-as ao meio e depois em fatias finas.
Leve um tacho grande ao lume com o azeite e as cebolas, e deixe refogar com o lume baixo, até reduzirem um pouco.
Adicione a folha de louro, os cravinhos, o pau de canela e a pimenta preta a gosto.
Quando a cebola estiver bem macia e tiver reduzido bastante, adicione o whisky, aumente o lume e deixe fervilhar até evaporar o álcool. De seguida acrescentar o vinagre e mexa.
Por fim, adicione o açúcar e deixe ferver mais uns minutos até reduzir e caramelizar. Guarde ainda quente em frascos esterilizados.

 

receita do chutney adaptada daqui

Frases e Provérbios de São Martinho

  • Por S. Martinho semeia fava e o linho.
  • Se o inverno não erra o caminho, tê-lo-ei pelo S. Martinho.
  • Se queres pasmar o teu vizinho, lavra, sacha e esterca pelo S. Martinho.
  • No dia de S. Martinho, vai à adega e prova o vinho.
  • No dia de S. Martinho, castanhas, pão e vinho.
  • No dia de S. Martinho com duas castanhas se faz um magustinho.
  • Dia de S. Martinho, fura o teu pipinho.
  • Dia de S. Martinho, lume, castanhas e vinho.
  • Pelo S. Martinho, todo o mosto é bom vinho.

 

 

 

Mousse de abacate com chocolate e pistácios

2.JPG

O abacate é uma fruta que traz muitos benefícios à nossa saúde.  Para tirarmos partido de todas as suas propriedades, é importante inclui-lo numa dieta equilibrada. Contudo, como o abacate é muito calórico, não devemos consumir mais que três colheres por dia. O abacate é rico em vitamina E, gorduras monoinsaturadas, vitaminas, sais minerais e glutationa — um poderoso antioxidante. O abacate também rico em nutrientes, contém proteínas, ferro, hidrato de carbono e substâncias minerais. A sua polpa é rica em vitaminas A, B 1, B 2, E, açúcar, fitosterol, lecitina, tanino e ácido oléico, linoléico e palmítico. Possui os seguintes minerais: magnésio, que é essencial à vida, ajuda no metabolismo da glicose e a nutrir os nervos e o cérebro; cálcio, que combate a osteoporose; ferro, que combate a anemia tanto em gestantes como em lactantes e ajuda a formar as hemácias; fósforo, que junto ao cálcio ajuda na mineralização dos ossos e nos neurónios, melhorando o raciocínio.

Na prática, o consumo diário de abacate:
  • Reduz a taxa de colesterol e pressão sanguínea
  • Possui ação antioxidante
  • Age contra prisão de ventre e perturbações digestivas
  • Possui ação antiinflamatória
  • Auxilia na desintoxicação do fígado
  • Evita fadiga mental
  • Ajuda na formação de ossos e dentes
  • Fornece energia aumentando a disposição

texto adaptado daqui

4.JPG

Mousse de abacate com chocolate

(para 6 ramequins)

  • 300 g de polpa de abacate
  • 30 g de cacau
  • 1 20 g de açúcar em pó
  • 1 ovo
  • 5 ml de vinho do porto
  • pistácios triturados e coco açucarado laminado 

Preparação

1. Retire a polpa ao abacate e coloque-a numa taça.

2. Junte o cacau, o açúcar em pó, o ovo e o vinho do porto e bata bem, com recurso à batedeira.

3. Quando todos os ingredientes estiverem bem incorporados, coloque o mousse num saco de pasteleiro e divida-o pelos diferentes ramequins. Refrigere.

4. Na hora de servir, decore o cimo de cada ramequim com pistácios triturados e raspas açucaradas de coco.

1.JPG

3.JPG

Pão de Deus em dia de Pão-por Deus ( a minha versão)

23130837_1162960030502723_5007596349227228590_n

Em Portugal, o dia de Todos-os-Santos celebra-se no dia 1 de novembro. Nesse dia as crianças saem à rua em pequenos grupos para pedir o pão-por-deus de porta em porta. Antigamente em algumas regiões, quando iam fazer o peditório, as crianças recitavam versos e recebiam pão, broas, bolos, romãs, nozes, amêndoas ou castanhas como oferendas. Estas eram colocadas em sacos de pano. A quem lhes recusasse o pão-por-deus rogava-se uma praga em verso ou deixava-se uma ameaça enquanto se fugia em grupo e entre risos.

Esta tradição já era celebrada no século XV. Tem origem no ritual pagão do culto dos mortos, com raízes milenares. Em 1756, exatamente um ano após o terramoto que destruiu parte da cidade de Lisboa, celebrou-se esta tradição. Como a data do terramoto coincidiu com uma data com significado religioso (1 de novembro), no dia em que se cumpria o primeiro aniversário do terramoto, a população aproveitou a tradição para realizar um peditório, com a intenção de manter uma tradição que lembrava os seus mortos. As pessoas, percorreram a cidade, bateram às portas e pediram que lhes fosse dada qualquer esmola, mesmo que fosse apenas pão, dada a fome e miséria que se alastravam a toda a cidade. Nessa ocasião as pessoas pediram “Pão por Deus”.

Noutras zonas do país, a tradição manteve-se, embora com algumas variações. Na região centro e estremadura chama-se a este dia o ‘Dia dos Bolinhos’ ou ‘Dia do Bolinho’. Os bolinhos típicos são especialmente confecionados para este dia, sendo à base de farinha e erva doce com mel (noutros locais leva batata doce e abóbora) e frutos secos como passas e nozes.

Noutras regiões os padrinhos oferecerem um bolo aos afilhados. Esse bolo chama-se Santoro. Em vez de pedirem pão, pedem o “santorinho”. Neste caso, a celebração tem início nos últimos dias de outubro.

Já nos anos 60 e 70 do século XX, este dia passou a ser comemorado de forma mais lúdica. Apenas crianças até aos dez anos podiam participar no peditório e este realizava-se apenas durante a manhã.

Atualmente, o Pão-por-Deus sofreu algumas alterações, os meninos que batem de porta em porta podem receber dinheiro, rebuçados ou chocolates. A celebração portuguesa já se confunde com o Halloween, ou seja, com o dia das bruxas, que é uma tradição anglo-saxónica comemorada na noite de 31 de outubro.

texto adaptado daqui

Ingredientes para a massa (rende 5 pães de 500 g cada)
  • 2,100 kg de farinha T65
  • 450 g de açúcar
  • 300g de manteiga
  • 750 ml de leite
  • 6 ovos
  • 33 g de fermento seco (3 saquetas Fermipan)
  • 3 colheres de café de sal
  • 3 colheres de café de açafrão (não pertence à receita original)
  • 3 colheres rasas de café de canela (não pertence à receita original)
  • 3 colheres de chá de aroma de baunilha (não pertence à receita original)
  • 3 gemas de ovo para pincelar
Preparação
Nota importante: Se fizer esta receita na Bimby, terá de confecioná-la por três vezes, devido à capacidade do copo.
1. Coloque no copo do robô o leite, a manteiga, o açúcar, a canela, o açafrão e programe 2min/37º/vel2.
2. Junte o fermento, os ovos, programe 10seg / vel 6.
3. Adicione a farinha, o sal, programe 5 min/ velocidade espiga. Retire para um alguidar enfarinhado, cubra a massa com um pano e coloque-a no forno desligado previamente aquecido a 50ºC. Deixe repousar 1 hora. A massa dobra o seu volume.
4. Faça 5 bolas do mesmo tamanho, sem mexer muito a massa. Coloque cada uma num tabuleiro forrado com papel vegetal. Deixe repousar trinta minutos.
 

5. Pincele as bolas de massa com gema de ovo e coloque no cimo de cada pão o topping de coco descrito abaixo.

Nota: Apenas decorei os pães de Deus com lascas de coco açucaradas, antes de os levar ao forno.

6. Levar cada pão a cozer no forno a 180º durante 30 minutos (resistência inferior)

 
 
Ingredientes (topping de coco):
 
  • 200g de coco
  • 200g de açúcar
  • 100g de margarina
  • 3  ovos
Preparação
1. Juntar todos os ingredientes no copo da Bimby na velocidade 2, a 100 ºC, durante 2 minutos.

Showcooking “Imagem e Identidade Corporativa à Mesa” na Feira “Angra com Futuro: Mostra de Projetos Empreendedores e Capacitação”

Patrícia Cheio

Sábado- 28 outubro | 16h00 | Praça Velha| Angra do Heroísmo

Orientarei uma demonstração de culinária com o tema “Imagem e identidade Corporativa à Mesa” onde poderá conhecer técnicas e receitas que podem ajudar a reforçar a sua ideia de negócio.

Pode efetuar a sua inscrição (gratuita) através do e-mail:  feira.acf@ajiter.pt

O showcooking, com a temática  “Imagem e identidade Corporativa à Mesa”, e duração máxima de duas horas, insere-se na terceira edição da Feira “Angra com Futuro: Mostra de Projetos Empreendedores e Capacitação”, que é uma iniciativa da responsabilidade da AJITER, com o apoio da CMAH, onde se pretende criar um espaço de partilha e aprendizagem de boas práticas na área do empreendedorismo jovem. Serão mais de 25 entidades e projetos expostos, 10 Oficinas de Empreendedorismo ao longo de três dias de Feira.

Espero por si!

Bolo de amêndoa com caramelo salgado

Os dias de aniversário não podem passar em branco. Há que fazer algo especial, que assinale o dia no calendário. Afinal, trata-se, acima de tudo, de comemorar a vida. Com o intuito de assinalar a data de nascimento do meu marido, fiz-lhe um bolo do qual desconfiei que fosse gostar. É um bolo sem adição de leite e manteiga no seu interior, quase sem glúten, com pouco açúcar, mas que ficou muito fofo e saboroso. A cobertura de caramelo salgado equilibrou o doce na perfeição e as amêndoas laminadas conferiram um crocante delicioso.

1

7.JPG

4

Ingredientes para o bolo

  • 6 ovos L
  • 150 g de açúcar
  • 150 g de amêndoa crua sem pele
  • 90 g de farinha de aveia
  • 70 g de farinha com fermento
  • 1 colher de sobremesa de fermento
  • 1 colher de chá de aroma de amêndoa
  • 1 colher de chá de aroma de baunilha

Preparação 

  1. Pré-aqueça o forno a 180ºC.
  2. Pulverize as amêndoas na picadora ou no seu robô de cozinha. 
  3. Junte-lhes todos os restantes elementos secos. Misture-os bem.
  4. Adicione os aromas e os ovos inteiros. Bata com a batedeira, apenas até todos os ingredientes estarem bem incorporados (máximo 3 minutos).
  5. Unte e enfarinhe uma forma pequena (usei em forma de flor e sem buraco).
  6. Verta o preparado do bolo na forma e leve a cozer até fazer o teste do palito e este vir seco. Após trinta minutos de cozedura faça o teste do palito e verifique se o bolo necessita de mais tempo.
  7. Retire do forno. Deixe repousar cerca de 10 minutos e retire o bolo da forma.
  8. Cubra-o com caramelo salgado, com o bolo ainda morno, para que este absorva o caramelo e apresente um aspeto luzidio, como se tratasse de coberto com calda.
  9. Decore o bolo com amêndoas laminadas torradas e com amêndoas com pele torradas e salgadas. 

Nota. Abaixo encontra a receita do caramelo salgado, a qual convém fazer previamente.

5

2

6

Caramelo Salgado

Ingredientes

  • 2 chávenas de açúcar
  • 1/2 chávena de chá de água
  • 170g de manteiga
  • 1 chávena de chá de natas
  • 1 colher de café de flor de sal
  1. Na panela, fora do lume, coloque o açúcar e 1/2 chávena de chá de água. Misture para incorporar o açúcar. Retire a colher. Ligue o lume médio e deixe a panela lá. NUNCA mexa! Se o fizer cristaliza a calda e não obterá o caramelo.
  2. Observe a calda de açúcar a até obter a  cor âmbar.  Junte a manteiga e misture com a colher. Assim que a manteiga estiver derretida retire a calda do lume. Prepare-se porque irá borbulhar bastante.
  3. Fora do lume, adicione as natas e o sal.
  4. Deixe arrefecer durante alguns minutos e depois transfira para um frasco de vidro.
  5. Guarde no frigorífico apenas quando o caramelo já estiver à temperatura ambiente.

Se desejar espreitar outro bolo com caramelo salgado, encontra-o aqui.