Apaixonada por Finger Food em A Mesa dos 15

Quando organizo uma festa, penso de imediato nos salgadinhos e em receitas de confeção rápida. Por norma, escolho também miniaturas e canapés, porque dispensam que os convivas necessitem de lugar sentado com mesa associada. Costumo reservar uma mesa grande para os salgados e outra mais pequena para o bolo de aniversário e restantes doces. Foi assim os 15 anos do meu filho, numa festa direcionada para a família e amigos mais próximos.

Como poderão ver, através das fotos, foram indispensáveis as tábuas Gradirripas e as ardósias DeBORLA.

Convido-vos então a espreitarem as delícias confecionadas!
FingerfoodFingerfood_foodwithameaningFingerfood_foodwithameaningFingerfood_foodwithameaning Diapositivo5

Nesta última foto, as tábuas Gradirripas receberam o merecido destaque!

Lista das sugestões:

  • Sandes de pasta de queijo de ilha e manteiga
  • Aperitivos de pacote (batatas fritas, tiras-de milho, aperitivos de queijo)
  • Paiola fatiada (poderão adquirir na Loja Raminho de Salsa ( no Mercado Duque de Bragança)
  • Piza de massa fina de bacon, cogumelos e azeitonas
  • Piza de massa fina de chourição, cebola roxa e alcaparras
  • Folhado de queijo-creme com cebola-roxa, bacon e tomate-cereja
  • Folhado de atum com espinafres
  • Brigadeiros de queijo de ovelha com amêndoa em cama de crostini e doce
  • Paté de alheira com azeitonas pretas em cama de mini-tosta
  • mini-quiches de queijo e fiambre
  • rissóis de frango
  • almofadinhas de queijo
  • croquetes de carne
  • pastéis de bacalhau
  • mini-scones de presunto e queijo
  • profiteroles de atum, maionese, azeitona e ovo
  • mini corn-dogs (que não constam das fotos)

Prometo que irei partilhando as receitas!

 

Anúncios

Destinados aos quinto touro…

Faz hoje trinta e três dias que começou a época das touradas à corda. Terminará a 15 de outubro, como acontece todos os anos. Confesso, desde já, que não sou fã destes acontecimentos que têm lugar na ilha Terceira. Fazem parte da cultura popular e de cartazes turísticos, porém, pouco, ou nada mesmo, vejo de divertido numa tourada à corda  a não ser o quinto-touro. Este consiste na alegria que o dono da casa coloca ao apresentar, aos convidados que irão assistir à tourada de rua, uma mesa fausta de petiscos salgados e doces. Pois, é mesmo pelo convívio que saio de casa um único dia por ano com destino a uma tourada: a da rua onde mora a minha irmã. E ficou decidido que este ano contribuiria para a mesa do banquete com um rissóis caseirinhos.  Ficaram mesmo pimpões junto do coelho frito, das favas escoadas, das tartes salgadas, dos chicharrinhos com molho vilão e dos ovos recheados com massa de malagueta.

Rissóis de Atum e Rissóis de Salsicha e Queijo Terra Nostra

© foodwithameaning© foodwithameaning

Ingredientes para a massa

500 g de farinha (tipo 65)

250 ml de leite

250 ml de água

1 colher de sopa de manteiga ou margarina

casca de limão sem a parte branca

umas pedras de sal

 

Ingredientes para o recheio de  atum

1 cebola

3 latas de atum

azeite

tomate pelado

salsa

mistura de cinco pimentas

 

Ingredientes para o recheio de salsicha

salsichas  frescas ou de conserva

queijo flamengo Terra Nostra

 

Ingredientes para envolver os rissões depois de feitos

pão ralado

2 ovos inteiros

© foodwithameaning

© foodwithameaning

Modo de preparação na Bimby

Pese a farinha e reserve.

Coloque no copo a água, a manteiga, o azeite, o sal e programe 5 Min/100º/Vel.1

Junte a farinha de uma só vez e programe 20 Seg/Vel.4 Retire a massa e deixe arrefecer.

Numa superfície estenda a massa com a ajuda de um rolo.

Cortam-se círculos de massa, com um copo ou com um utensílio próprio.

Recheia-se cada rissol com 1 colher de chá de preparado de atum  ou com pedacinhos de salsicha e queijo.

Fecha-se o rissol com a mão ou com recurso a utensílio próprio.

Batem-se dois ovos inteiros e pincelam-se os rissóis, passando-os de seguida por pão ralado.

Obs. Convém congelar antes de se usar para evitar que abram ao fritar.

Diapositivo4

Modo de preparação tradicional

Colocam-se os líquidos, a casca do limão, a manteiga e o sal numa panela e deixa-se começar a ferver. Quando estiver neste ponto, baixa-se o lume para o mínimo e começa-se a adicionar a farinha peneirada, mexendo-se sempre com uma colher de pau até o tacho ficar seco.

Retira-se do tacho, para cima de uma mesa e amassa-se o quanto se puder até a massa ficar bem manobrada. Abafa-se com um pano de cozinha enquanto se faz o recheio.

Estende-se a massa com um rolo deixando-a ligeiramente fina. Cortam-se, com um copo, círculos de massa.

Recheia-se cada rissol com 1 colher de chá de preparado de atum  ou com pedacinhos de salsicha e queijo.

Fecha-se o rissol com a mão ou com recurso a utensílio próprio.

Batem-se dois ovos inteiros e pincelam-se os rissóis, passando-os de seguida por pão ralado.

Obs. Convém congelar antes de se usar para evitar que abram.

&

E ainda houve tempo para brincadeiras no prato. Imaginações da criançada que não pude deixar de fotografar.

© foodwithameaning

 

Depois da tourada, e do alpendre da minha irmã, ficámos a apreciar este fim de dia. Ao fundo, encontra-se desenhada a montanha da ilha do Pico e, por baixo, parte da extensão da ilha de São Jorge.

© foodwithameaning

Deliciem-se.

© foodwithameaning

Os Açores dentro de um rissol….rissóis de morcela e rissóis de salsicha com queijo vaquinha

De um mar de rissóis, surgiram estes com recheio de morcela, de queijo e salsicha.
Para fazer inveja aos tradicionais rissóis de carne, de camarão e de atum, partilho convosco estas minhas experiências culinárias com ingredientes apenas terceirenses. Até a farinha é da Moagem Terceirense. Bairrismos? Claro que não. As ilhas são nove e na diversidade é que está o ganho açoriano. Há pouco tempo falei de produtos do Pico. Da próxima vez, irei com certeza, colocar em destaque pormenores culinários de outras vivências do arquipélago.

Mas agora não resisto a colocar este excerto do programa 5 para a meia-noite com um moço terceirense que dispensa apresentações: Luís Filipe Borges.

Dois sotaques açorianos bem diferenciados: o terceirense e o micalense (isto até dava uma anedota – e vai dar!)

E aqui deixo hoje algumas ideias com produtos apenas terceirenses, a morcela do Talho Galo e o Queijo Vaquinha, para servirem de entrada nas nossas casas quer sejam os rissóis fritos em óleo, na frigideira ou na Actifry, ou simplesmente assados no forno.


Ingredientes para a massa
(receita Bimby- testadíssima e aprovada)- quantidades para 38 a 40 unidades

500 g de farinha (tipo 65)

500 g de água

60 g de manteiga

10 g de azeite

1 pitada de sal

Ingredientes para a massa (modo tradicional- receita testadíssima e aprovada da D. Nazaré, a minha querida sogra)

500 g de farinha (tipo 65)

250 ml de leite

250 ml de água

1 colher de sopa de manteiga ou margarina

casca de limão sem a parte branca

umas pedras de sal

Ingredientes para o recheio de  morcela

1 morcela (do talho Galo)

Ingredientes para o recheio de salsicha

6 salsichas grandes frescas ou de conserva

queijo curado Vaquinha (utilizei do picante)

Ingredientes para envolver os rissões depois de feitos

pão ralado com ervas finas da Espiga

2 ovos inteiros

Modo de preparação na Bimby

Pese a farinha e reserve.

Coloque no copo a água, a manteiga, o azeite, o sal e programe 5 Min/100º/Vel.1

Junte a farinha de uma só vez e programe 20 Seg/Vel.4 Retire a massa e deixe arrefecer.

Numa superfície estenda a massa com a ajuda de um rolo.

Cortam-se círculos de massa, com um copo ou com um utensílio próprio.

Recheia-se cada rissol com 1 colher de chá de morcela  ou com pedacinhos de salsicha e queijo.

Fecha-se o rissol com a mão ou com recurso a utensílio próprio.

Batem-se dois ovos inteiros e, com os dedos, untam-se os rissóis, passando-os de seguida por pão ralado.

Obs. Convém congelar antes de se usar para evitar que abram ao fritar.

Modo de preparação tradicional

Colocam-se os líquidos, a casca do limão, a manteiga e o sal numa panela e deixa-se começar a ferver. Quando estiver neste ponto, baixa-se o lume para o mínimo e começa-se a adicionar a farinha peneirada, mexendo-se sempre com uma colher de pau até o tacho ficar seco.

Retira-se do tacho, para cima de uma mesa e amassa-se o quanto se puder até a massa ficar bem manobrada. Abafa-se com um pano de cozinha enquanto se faz o recheio.

Estende-se a massa com um rolo deixando-a ligeiramente fina. Cortam-se, com um copo, círculos de massa.

Recheia-se cada rissol com 1 colher de chá de morcela  ou com pedacinhos de salsicha e queijo.

Fecha-se o rissol com a mão ou com recurso a utensílio próprio.

Batem-se dois ovos inteiros e, com os dedos, untam-se os rissóis, passando-os de seguida por pão ralado.

Obs. Convém congelar antes de se usar para evitar que abram.

Qualquer dia ainda testo novas versões de rissóis com outras conjugações de produtos bem açorianos. A imaginação e o paladar são o limite!