Bolinhos de cavala e batata-doce…contra o desperdício

Cá em casa somos completamente contra  o desperdício, por isso, se há sobras de refeições, nós tentamos reinventá-las, criando novas conjugações e, assim, apresentando outros pratos. Foi com base neste princípio que surgiram estes bolinhos de cavala.

A cavala é um peixe consumido por nós com alguma frequência. É económico e bastante versátil. Acreditam que é uma receita de cavala que está sempre no top das receitas mais consultadas neste blogue? Pois bem, foi após ter confecionado esta receita de cavala assada que com com as sobras resolvi fazer estes bolinhos deliciosos, que agradam tanto a miúdos como a graúdos.

Diapositivo2

Bolinhos de cavala com batata-doce

Ingredientes

  • 500 g de batata-doce cozida
  • 500 g de cavala assada desfiada
  • 6 ovos
  • 1 cebola média
  • 1/2 chávena de salsa picada
  • 1 colher de sobremesa de tandoori massala
  • pimenta branca
  • sal q.b.
  • óleo para fritura

Preparação

Numa tigela, e com recurso a um fouet (vara de arames) batem-se os ovos inteiros.

Adiciona-se a cebola picada, a salsa, o conjunto de especiarias tandoori masala, a pimenta e o sal. Mistura-se.

Junta-se o peixe e a batata-doce e mistura-se tudo.

Com recurso a duas colheres, retira-se uma colherada da mistura e com ambas as colheres, moldam-se os bolinhos, que se levam a fritar em óleo quente e abundante.

Dica: Se não desejar ter trabalho a moldar os bolinhos, poderá transformá-los em pataniscas ou em omoletes.

Com arroz branco e uma salada de folhas estes bolinhos de cavala vão mesmo bem!

Diapositivo3

Diapositivo1

Anúncios

Ovas de abrótea com molho de iogurte e romã…em parceria com a Peixaria Silveira

O aniversário da Peixaria Silveira avizinha-se, e por que não começar desde já a comemorar o evento com uma deliciosa entrada, onde as ovas de abrótea são o ingrediente principal?

Quando o produto é bom, não há necessidade de o mascarar com grandes temperos.

No caso das ovas, gosto essencialmente de as saborear fritas.

E que bem sabe este petisco?

2.JPG

0

Ingredientes

  • 500 g de ovas de abrótea
  • 6 dentes de alho
  • sal
  • paprika fumada picante
  • moinho de pimentas
  • romã
  • molho de iogurte, alho e ervas aromáticas ( de compra)
  • perrejil em curtume
  • farinha de milho fina ( para envolver antes de fritar)
  • óleo para fritura

Preparação

Meia hora antes de fritar as ovas, temperei-as com sal, moinho de pimentas, paprika fumada picante e com os seis dentes de alho cortados às rodelas.

De seguida, sequei-as em papel de cozinha e envolvi-as em farinha de milho fina. Levei-as a fritar numa frigideira com um pouco de óleo (a cobrir metade das ovas), fritando-as de ambos os lados.  Depois de fritas, coloquei-as a secar em papel de cozinha.

Servi-as de imediato com molho de iogurte, alho e ervas, bagos de romã e curtume de perrejil. Esta combinação mostrou-se surpreendente.

4

A receita mais solicitada…a deste bacalhau

Como prometido, irei partilhando as receitas que confecionei no último showcooking, dedicado a pratos de natal saudáveis. Esta foi a mais apreciada!

Bacalhau confitado com crumble de broa e tomate seco, espinafres salteados e puré de grão

IMG_0040
Ingredientes

  • 3 lombos de bacalhau previamente demolhados
  • 4 dentes de alho 
  • 3 folhas de louro
  • 8 grãos de pimenta Jamaica                    
  • 600 ml de azeite virgem extra ou até cobrir metade do bacalhau
  • 100 g de broa de milho
  • 40 g de tomate seco
  • 2 molhos de espinafres frescos
  • sal 

Acompanhamento com puré de grão-de-bico

  • 400 g de grão-de-bico cozido
  • 2 dentes de alho
  • 65 ml de azeite (utilize do azeite em que confitou o bacalhau)
  • 60 ml de leite
  • 1 raminho de salsa ou de coentros (facultativo)
  • Sal e pimenta-preta q.b.

1 . Pré-aqueça o forno a 100 °C

2 . Disponha os lombos de bacalhau num tabuleiro.  Adicione os dentes de alho, o louro e a pimenta da Jamaica.

3 . Regue generosamente o bacalhau com o azeite até que os lombos fiquem mergulhados até metade. Não use um tabuleiro muito grande, para evitar maior quantidade de azeite.

4 . Leve ao forno durante 40-45 minutos, vigiando para que o azeite nunca ferva. O bacalhau deverá cozinhar muito lentamente.

5. Para o puré de grão, leve um tacho ao lume com 2 dentes de alho picados e 65 ml de azeite. Deixe frigir um pouco o alho e adicione o grão-de-bico. Vá adicionando o leite aos poucos, triturando e verificando a consistência do puré. Tempere com sal e pimenta. 

6. Junte o ramo de coentros ou de salsa picada. Triture com a varinha mágica. Reserve o puré.

7. Leve uma frigideira ao lume com 30 ml de azeite e 2 dentes de alho picados. Deixe frigir um pouco e adicione os espinafres. Salteie. Tempere com uma pitada de sal.

8 . Prepare o crumble, triturando a broa de milho juntamente com o tomate seco. Disponha num tabuleiro e leve ao forno pré-aquecido a 190ºC durante 8 minutos.

9. Leve uma frigideira ao lume com um fio de azeite. Junte os espinafres, tempere com sal e salteie.

10 . Para servir, disponha o puré de grão num prato ou numa travessa. De seguida coloque, por cima do puré, os espinafres salteados e o lombo de bacalhau. Regue com azeite da confitagem e cubra a superfície do lombo com o crumble de broa e tomate seco.

IMG_0027

receitas adaptadas daqui e daqui

Alcatra de camarão e perrexil ou funcho-do-mar

O Perrejil, Perrexil ou Funcho do Mar é uma planta que se encontra em toda a costa marítima Portuguesa e em algumas zonas da costa europeia mediterrânica.
Cheguei a pensar que esta planta, que cresce apenas junto ao mar, fosse uma endémica dos Açores porque, desde miúda,  por altura do Verão, ia à costa apanhar o perrejil para, depois de separado da flor, utilizar as suas folhas para fazermos curtume. Era um ritual sazonal, mais ou menos divertido.  Eu e a minha irmã saltávamos o muro que separava o caminho, na altura de bagacina vermelha, da zona de rochas e, num ápice, já estávamos em cima dos lençóis pretos e ondulados de basalto. O perrejil surgia espontaneamente e servia de sombra e esconderijo para alguma lagartixa ocasional. Ai que medo quando éramos surpreendidas por este réptil! Mas do que mais gostávamos após a apanha do perrejil era do mergulho no mar, como se este fosse uma recompensa após andarmos cautelosamente por cima das rochas e ao calor. A minha avó ficava à nossa espera, junto ao muro, aflita, na condição de quem não sabia nadar, e só via  as nossas cabeças a mergulhar e a surgir nas ondas refrescantes. Nem nos dava tempo para secarmos ao sol. E lá íamos  pelo caminho acima deliciadas com o pretexto do perrejil.
O uso desta planta não tem tradição na culinária açoriana, com exceção do curtume de perrejil.  Para além disso, poucas pessoas da nova geração conhecem a planta e são por isso poucos os que lhe dão utilidade. Este curtume não costuma estar disponível para venda ao público. Apenas algumas mercearias das freguesias junto à costa o vendem e em poucas quantidades por ser um produto artesanal. Na freguesia de Biscoitos, no norte da ilha Terceira, e da qual já falei aqui, poderão encontrar o curtume à venda numa banca de produtos regionais junto à zona balnear.

Uma vez que este curtume acompanha peixe na perfeição, resolvi experimentar conjugar a base do tempero da alcatra, prato tradicional terceirense, com o perrejil fresco e com marisco. Uma aventura que repetirei de certeza no próximo verão.

Se desejarem consultar a receita de curtume de perrexil, esta encontra-se aqui.

2.JPG

1.JPG

Receita para 5 ou 6 pessoas

Ingredientes:

  • 1,5 kg de camarão
  • 500 dl Azeite 
  • 50 g Toucinho Entremeado (usei toucinho de fumo)
  • 20 folhas de perrejil fresco
  • 225 g Cebola picada
  • 5 dente/s Alho picado
  • 200 g Tomate limpo em cubos
  • 2,5 dl Vinho branco
  • 2 cravinhos
  • 1 colher/s de café paprika fumada
  • Pimenta da Jamaica
  • q.b Sal marinho 
  • 2 folhas Louro
  • Salsa ou coentros 

 

Preparação:

Tempere os camarões com sal marinho e paprika fumada.

À parte, num alguidar de barro – típico da alcatra- coloque uma camada de cebola picada, alho picado,  tomate, louro, grãos de pimenta da Jamaica, um cravinho, metade dos camarões, 10 folhas de perrejil e azeite. Repita o mesmo procedimento para a segunda camada.  Regue com o vinho o vinho, cubra com o toucinho picado, tape, com folha de alumínio e leve ao forno quente a 180ºC até que ferva, apure e os camarões estejam cozidos.

Na hora de servir, polvilhe a alcatra com salsa ou coentros picados.

DSC08052-blog 6DSC08047_ blog 3DSC08049_blog 4

 

 

Garoupa e Camarão na Wok

Este blogue é o espelho do que se vai cozinhando cá em casa. As receitas são por norma bastante diversificadas  e enquadram-se em diferentes categorias, porque por cá não se fazem todos os dias só bolos e bolachinhas (isso é que seria o paraíso para os meus filhos), mas também comida que põe mesa,  sempre com algum cuidado na apresentação dos pratos, já que os olhos são os primeiros a comer. Quase sempre apresento na mesa de refeições os pratos da mesma forma que os preparo para a fotografia. Foi o caso desta sugestão de peixe que trago hoje. A frigideira wok foi mesmo do fogão para a reportagem fotográfica e de seguida, e da mesma maneira, para a mesa. Afinal, quem não gosta de sujar pouca loiça?

Garoupa e Camarão na Wok

garoupa e camarão na wok

Ingredientes

  • 2 groupas médias à posta
  • 12 camarões
  • 1 lata pequena de tomate pelado triturado
  • 1 pimento vermelho
  • 1 copo de cerveja
  • mistura de 5 pimentas
  • 1 folha de louro
  • 2 bagas de piri-piri
  • 1 cebola média
  • 4 dentes de alho
  • 1 caldo de peixe
  • moinho de mistura oriental (composta por caril, erva-doce, cebola desidratada e cominhos-comprei no Lidl)
  • salsa para polvilhar
  • sal
  • azeite

Preparação

1. Faz-se um refogado com o azeite, o louro, a cebola e o alho. Junta-se o pimento vermelho às tiras e deixa-se alourar.

2. Adiciona-se as postas de garoupa.

3. Junta-se o tomate pelado triturado.

4. Rega-se com cerveja e deixa-se ferver.

5. Tempera-se com as especiarias e com pouco sal.

6. Acrescenta-se o caldo de peixe e tapa-se o tacho. Deixa-se ferver. Retificam-se os temperos, se necessário

7. Deixa-se cozinhar em lume baixo até o peixe estar cozinhado.

8. Polvilha-se com salsa e deixa-se cozinhar 2 minutos.

Servi este prato de peixe e marisco acompanhado de batata e legumes cozidos.

garoupa e camarão na wok

Tapenade com planta do gelo e bolacha de algas em dia de feriado

Hoje, comemoramos o feriado de 5 de outubro, que celebra a Implantação da República Portuguesa, datada de 1910, e o fim do regime monárquico então vigente. Este dia relembra também a assinatura do Tratado de Zamora em que Afonso VII de Leão e Castela reconhecia Portugal como reino independente em 1143.  Estas são duas boas razões para se trazer aqui hoje uma entrada dedicada a este país à beira-mar plantado. Eis uma sugestão bem marisqueira, que conjuga as anchovas, a azeitona e o azeite,  produtos tão portugueses e a planta do gelo, com notório sabor a frutos do mar.

Tapenade com planta do gelo e bolacha de algas

Tapenade com planta do gelo (da Quinta Biológica Bio Fontinhas)

(poderão encontrar esta tábua de servir na sua loja DeBORLA)

Ingredientes
• 200g de azeitonas pretas sem caroço
• 2 colheres de sopa de alcaparras
• 2 dentes de alho pequenos
• 10 colheres de sopa de azeite
• 1 limão (sumo e raspa)
• Sal q.b.
• Planta do gelo ( 2 raminhos para a tapenade e outros dois para decorar)- gentilmente cedida pela Quinta Biológica BioFontinhas

Preparação
Coloque numa picadora as azeitonas, as alcaparras, a planta do gelo – que incluirá um toque de sabor a mar- e os dentes de alho . Acrescente algumas raspas de limão, parte do sumo e o azeite. Triture e prove para conferir o sabor. Tempere com sal e ajuste o sumo e raspa de limão, se desejar. Decore com raminhos de planta do gelo. Sirva com bolachinhas de algas. Estas bolachas não contêm ovo, leite, aditivos, mas têm alto teor em fibra e em gorduras insaturadas. São adoçadas com melaço de cana. Vêm em embalagens de 4 saquetas com 4 bolachas integrais e são da marca Cem Porcento.

Tapenade com planta do gelo (da Quinta Biológica Bio Fontinhas)

Uma entrada surpreendente…flores de hóstias com salmão

As Prawn Crackers são um aperitivo chinês muito apreciado. Este consiste em camarão sob a forma de rodelas duras e translúcidas, parcialmente cozidas a vapor e secas no forno, fabricadas a partir de amido, água, sal, açúcar (cerca de 4 %), camarões (cerca de 5 %) e intensificadores de sabor. Costuma ser presença obrigatória nos restaurantes chineses, servindo de acompanhamento. Com o intuito de utilizar as hóstias como entrada, uma das sugestões do workshop que dinamizei sobre Tapas Gourmet, conferi-lhes outra roupagem, através da sua combinação com salmão fumado e queijo creme. Ninguém resistiu à junção dos diferentes elementos, nesta entrada que para além de fácil e saborosa recebeu desta forma um toque mais gourmet.

Hóstias de camarão com salmão fumado

Hóstias de Camarão com queijo creme, truta salmonada e cuca melon (micro pepino da Quinta do Ti Canoa)

Ingredientes:

  • Hóstias de camarão (1 embalagem de Prawn Crackers)
  • Óleo para fritura (de pref. de amendoim)
  • Salmão fumado
  • Ovas de salmão ou de esturjão (caviar)
  • 1 embalagem de queijo creme
  • Raspa e sumo de lima
  • Rama de funcho ou de endro
  • Cebolinho 

Coloque uma quantidade considerável de óleo de amendoim ou de girassol no wok ou na fritadeira e aqueça-o  até atingir 170ºC.

Insira as rodelas de prawn crackers no óleo quente e quando elas vierem à superfície (já crescidas e brancas) retire. Se demorarem muito tempo no fundo da fritadeira é sinal que o óleo não registava a temperatura adequada.

Coloque as hóstias sob papel absorvente e sirva de seguida. Se utilizar as prawn crackers como base para tapa, como acontece nesta receita, deixe-as arrefecer ligeiramente antes de as rechear.

 

Recheio:

Sugestão 1.

Misture uma embalagem de queijo creme com raspa e sumo de lima a gosto. (Se adicionar uma colher de sopa de queijo creme de alho e ervas enriquecerá o sabor).

Coloque uma colher de chá de recheio no centro da hóstia e faça assentar no centro rolinhos de salmão fumado, abrindo ligeiramente o rolinho para simular uma rosa. Termine com um raminho de funcho ou de endro.

ou

Sugestão 2.

Coloque o recheio num saco de pasteleiro com bico redondo. Corte tiras de salmão fumado e recheie-as em todo o comprimento com o creme de queijo. Enrole e dê um nó com cebolinho. Assente um rolinho em cada hóstia de camarão e termine com um raminho de funcho ou de endro.

Hóstias de Camarão com queijo creme, truta salmonada e cuca melon (micro pepino da Quinta do Ti Canoa)

(da apresentação também fazem parte metades de micro-pepino cuca melon)