Garoupa e Camarão na Wok

Este blogue é o espelho do que se vai cozinhando cá em casa. As receitas são por norma bastante diversificadas  e enquadram-se em diferentes categorias, porque por cá não se fazem todos os dias só bolos e bolachinhas (isso é que seria o paraíso para os meus filhos), mas também comida que põe mesa,  sempre com algum cuidado na apresentação dos pratos, já que os olhos são os primeiros a comer. Quase sempre apresento na mesa de refeições os pratos da mesma forma que os preparo para a fotografia. Foi o caso desta sugestão de peixe que trago hoje. A frigideira wok foi mesmo do fogão para a reportagem fotográfica e de seguida, e da mesma maneira, para a mesa. Afinal, quem não gosta de sujar pouca loiça?

Garoupa e Camarão na Wok

garoupa e camarão na wok

Ingredientes

  • 2 groupas médias à posta
  • 12 camarões
  • 1 lata pequena de tomate pelado triturado
  • 1 pimento vermelho
  • 1 copo de cerveja
  • mistura de 5 pimentas
  • 1 folha de louro
  • 2 bagas de piri-piri
  • 1 cebola média
  • 4 dentes de alho
  • 1 caldo de peixe
  • moinho de mistura oriental (composta por caril, erva-doce, cebola desidratada e cominhos-comprei no Lidl)
  • salsa para polvilhar
  • sal
  • azeite

Preparação

1. Faz-se um refogado com o azeite, o louro, a cebola e o alho. Junta-se o pimento vermelho às tiras e deixa-se alourar.

2. Adiciona-se as postas de garoupa.

3. Junta-se o tomate pelado triturado.

4. Rega-se com cerveja e deixa-se ferver.

5. Tempera-se com as especiarias e com pouco sal.

6. Acrescenta-se o caldo de peixe e tapa-se o tacho. Deixa-se ferver. Retificam-se os temperos, se necessário

7. Deixa-se cozinhar em lume baixo até o peixe estar cozinhado.

8. Polvilha-se com salsa e deixa-se cozinhar 2 minutos.

Servi este prato de peixe e marisco acompanhado de batata e legumes cozidos.

garoupa e camarão na wok

Tapenade com planta do gelo e bolacha de algas em dia de feriado

Hoje, comemoramos o feriado de 5 de outubro, que celebra a Implantação da República Portuguesa, datada de 1910, e o fim do regime monárquico então vigente. Este dia relembra também a assinatura do Tratado de Zamora em que Afonso VII de Leão e Castela reconhecia Portugal como reino independente em 1143.  Estas são duas boas razões para se trazer aqui hoje uma entrada dedicada a este país à beira-mar plantado. Eis uma sugestão bem marisqueira, que conjuga as anchovas, a azeitona e o azeite,  produtos tão portugueses e a planta do gelo, com notório sabor a frutos do mar.

Tapenade com planta do gelo e bolacha de algas

Tapenade com planta do gelo (da Quinta Biológica Bio Fontinhas)

(poderão encontrar esta tábua de servir na sua loja DeBORLA)

Ingredientes
• 200g de azeitonas pretas sem caroço
• 2 colheres de sopa de alcaparras
• 2 dentes de alho pequenos
• 10 colheres de sopa de azeite
• 1 limão (sumo e raspa)
• Sal q.b.
• Planta do gelo ( 2 raminhos para a tapenade e outros dois para decorar)- gentilmente cedida pela Quinta Biológica BioFontinhas

Preparação
Coloque numa picadora as azeitonas, as alcaparras, a planta do gelo – que incluirá um toque de sabor a mar- e os dentes de alho . Acrescente algumas raspas de limão, parte do sumo e o azeite. Triture e prove para conferir o sabor. Tempere com sal e ajuste o sumo e raspa de limão, se desejar. Decore com raminhos de planta do gelo. Sirva com bolachinhas de algas. Estas bolachas não contêm ovo, leite, aditivos, mas têm alto teor em fibra e em gorduras insaturadas. São adoçadas com melaço de cana. Vêm em embalagens de 4 saquetas com 4 bolachas integrais e são da marca Cem Porcento.

Tapenade com planta do gelo (da Quinta Biológica Bio Fontinhas)

Uma entrada surpreendente…flores de hóstias com salmão

As Prawn Crackers são um aperitivo chinês muito apreciado. Este consiste em camarão sob a forma de rodelas duras e translúcidas, parcialmente cozidas a vapor e secas no forno, fabricadas a partir de amido, água, sal, açúcar (cerca de 4 %), camarões (cerca de 5 %) e intensificadores de sabor. Costuma ser presença obrigatória nos restaurantes chineses, servindo de acompanhamento. Com o intuito de utilizar as hóstias como entrada, uma das sugestões do workshop que dinamizei sobre Tapas Gourmet, conferi-lhes outra roupagem, através da sua combinação com salmão fumado e queijo creme. Ninguém resistiu à junção dos diferentes elementos, nesta entrada que para além de fácil e saborosa recebeu desta forma um toque mais gourmet.

Hóstias de camarão com salmão fumado

Hóstias de Camarão com queijo creme, truta salmonada e cuca melon (micro pepino da Quinta do Ti Canoa)

Ingredientes:

  • Hóstias de camarão (1 embalagem de Prawn Crackers)
  • Óleo para fritura (de pref. de amendoim)
  • Salmão fumado
  • Ovas de salmão ou de esturjão (caviar)
  • 1 embalagem de queijo creme
  • Raspa e sumo de lima
  • Rama de funcho ou de endro
  • Cebolinho 

Coloque uma quantidade considerável de óleo de amendoim ou de girassol no wok ou na fritadeira e aqueça-o  até atingir 170ºC.

Insira as rodelas de prawn crackers no óleo quente e quando elas vierem à superfície (já crescidas e brancas) retire. Se demorarem muito tempo no fundo da fritadeira é sinal que o óleo não registava a temperatura adequada.

Coloque as hóstias sob papel absorvente e sirva de seguida. Se utilizar as prawn crackers como base para tapa, como acontece nesta receita, deixe-as arrefecer ligeiramente antes de as rechear.

 

Recheio:

Sugestão 1.

Misture uma embalagem de queijo creme com raspa e sumo de lima a gosto. (Se adicionar uma colher de sopa de queijo creme de alho e ervas enriquecerá o sabor).

Coloque uma colher de chá de recheio no centro da hóstia e faça assentar no centro rolinhos de salmão fumado, abrindo ligeiramente o rolinho para simular uma rosa. Termine com um raminho de funcho ou de endro.

ou

Sugestão 2.

Coloque o recheio num saco de pasteleiro com bico redondo. Corte tiras de salmão fumado e recheie-as em todo o comprimento com o creme de queijo. Enrole e dê um nó com cebolinho. Assente um rolinho em cada hóstia de camarão e termine com um raminho de funcho ou de endro.

Hóstias de Camarão com queijo creme, truta salmonada e cuca melon (micro pepino da Quinta do Ti Canoa)

(da apresentação também fazem parte metades de micro-pepino cuca melon)

Trouxas de veja, linguiça e alho francês… e um pano lindo pintado à mão pela minha madrinha

Desde que me iniciei no mundo dos blogues de culinária, comecei a ser fã de props, ou seja, de loiças, talheres, panos de cozinha, toalhas, entre outras coisas para as quais vou encontrando utilidade na preparação do cenário das fotos. Por este motivo, a família, os amigos, e até algumas pessoas que conheço há pouco tempo, me têm presenteado com diversos mimos que para mim estão revestido de grande valor. Esta receita pretende enaltecer o gesto da minha madrinha, e a arte que desde cedo saiu das suas mãos, de uma funcionária pública e costureira dedicada, que criou para mim e para a minha irmã inúmeros conjuntos exclusivos, os quais revemos com carinho através dos álbuns de outros tempos. Para além da costura, a minha madrinha domina também a renda, o ponto cruz, a técnica do guardanapo, a técnica da areia em tela, a pintura em pano,vidro e a óleo. É uma pessoa dedicada à família e com um coração enorme! Obrigada madrinha por este pano lindo, a tua estreia em pintura em pano, que por este motivo encerra ainda mais valor.

A travessa tem a assinatura DeBORLA! É linda, não é?
trouxas de veja com linguiça e alho francês

Trouxas de veja, linguiça e alho francês

Ingredientes

  • 1 quilo filetes de veja
  • 1 limão (sumo)
  • 1 rama de alho francês
  • 2 cenouras
  • 1 linguiça
  • 200 dl de molho de tomate de compra
  • 1 copo de água
  • 1 raminho de salsa
  • 2 dentes de alho
  • 2 colheres de sopa de molho de soja
  • sal e pimenta q.b.

Preparação

  1. Coloque os filetes dentro de um recipiente e tempere com o sumo de limão, sal e pimenta. Reserve.
  2. Corte a rama de alho francês e a cenoura em rodelas. Usei uma mandolina para criar um efeito ondulado na cenoura. Leve ambos a saltear em azeite e alho durante três minutos.
  3. Corte a linguiça em fatias e leve a fritar na frigideira ligeiramente sem adicionar gordura.
  4. Ligue o forno a 180° C.
  5. Recheie os filetes com os legumes e a linguiça, fazendo camadas, ate com fio de cozinha e disponha dentro de um tabuleiro.
  6. Verta o molho de tomate e o molho de soja em volta e leve ao forno durante 20 minutos. Retire o fio de cozinha, corte ao meio e sirva de imediato.

Sugestão: Acompanhe com legumes cozidos.

trouxas de veja com linguiça e alho francês

trouxas de veja com linguiça e alho francês

Bom apetite!

Receita adaptada daqui

E o mês de março começa com empadas e empadinhas

As empadas constituem um dos meus salgados favoritos. Estas podem ser grandes e ocupar uma assadeira inteira. Podem ser pequenas e ter imensos formatos. São petisco e são refeição, especialmente se forem acompanhadas de uma saladinha. Os ingleses adoram-nas e fazem-nas com variados recheios, sendo o mais famoso o de borrego, conhecida como Shepherd’s Pie.

Uma vez que este tema é tão apelativo, eu não pude de deixar de participar na edição do mês de março de Dia Um…Na Cozinha, totalmente dedicada às empadas. A minha sugestão recaiu nos legumes e no peixe. As sobras de ratatouille deram o mote e juntaram-se à latinha de atum em caldeirada, que se encontrava na prateleira do armário despenseiro a aguardar utilização.

As tábuas Gradirripas contribuíram sobremaneira para o destaque destas simples mas deliciosas empadas.

Et voilà, as  minhas Empadas de Ratatouille e Caldeirada de Atum!

empadas de ratatouille e caldeirada de atum

empadas de ratatouille e caldeirada de atum

Para o Ratatouille os ingredientes são os seguintes:

  • 1 pimento encarnado
  • 1 cebola
  • 1 beringela
  • 1 courgette
  • 2 tomates
  • 2 dentes de alho
  • 2 folhas de louro
  • Azeite
  • Sal
  • pimenta
  • tomilho fresco
  1. Colocar azeite a aquecer num tacho (o suficiente para um estufado).
  2. Picar 2 dentes de alho, e cortar os restantes legumes, num corte regular e do mesmo tamanho.
  3. Adicionar ao azeite a cebola, a beringela, o pimento e o alho. Juntar tomilho fresco, 2 folhas de louro e temperar com sal e pimenta.
  4. Cortar os tomates, eliminando as sementes, e adicionar a meio da cozedura. Por fim, adicionar a courgette. Ir mexendo e deixar cozinhar. Servir.
  5. Se preferirem fazer a receita no forno, poderão levar todos os ingredientes num tabuleiro ao forno e deixar assar entre 40 a 60 minutos.

Ingredientes para 8 empadas

  • 1 embalagem de massa folhada retangular
  • sobras de ratatouille
  • 1 lata de atum em caldeirada (marca Corretora)
  • gema de 1 ovo para pincelar
  • manteiga para untar as formas

Preparação das empadas

  1. Escolha formas de alumínio pequenas (as que utiliza para fazer queijadas)
  2. Unte as formas com manteiga derretida (utilizo um pincel)
  3. Faça círculos com uma forma ligeiramente maior do que o diâmetro das formas que irá usar.
  4. Forre a forma com o círculo de massa e pique o fundo com um garfo.
  5. Coloque metade da capacidade com pedaços de ratatouille ( legumes assados) e termine com uma colher de chá de caldeirada de atum.
  6. Com uma forma ciclíndrica mais pequena do que o diâmetro da forma onde a empada vai cozinhar (um cortador de bolachas redondo, por exemplo) corte as tampinhas da empada.
  7. Coloque uma tampa em cada empada e aperte os bordos da massa contra os bordos da tampa, selando a empada.
  8. Pincele com gema de ovo.
  9. Leve ao forno, pré-aquecido, a 200ºC cerca de 15 minutos, apenas com a resistência inferior. A 2 minutos do fim da cozedura, ligue a resistência superior.

 

empadas de ratatouille e caldeirada de atum

12545906_487750298074841_422959187_o

empadas de ratatouille e caldeirada de atum

empadas de ratatouille e caldeirada de atum

Logotipo Dia Um... Na Cozinha Março 2016

 

Couscous de Bacalhau

Quando se tem um filho que torce o nariz a qualquer tipo de peixe, molusco ou marisco – para ele só se salva o atum, e o diretamente saído da lata de conserva – questiono-me, muitas vezes, como é possível  ser ele assim tão “biqueiro” tendo em conta que tem uma mãe de serviço que sendo  food blogger diversifica constantemente as refeições, conjugando múltiplos ingredientes para apresentar pratos diferentes. O bacalhau é, para ele, o primo-pobre, mesmo existindo mil e uma receitas com este peixe. A receita de hoje representou mais uma tentativa para ver se era desta que eu acertava num prato de bacalhau que lhe agradasse. Aproveitei o facto dele ser fã de massas e azeitonas e disfarcei lascas de bacalhau entre cuscus e este fruto. Enquanto comia disse: Gosto, mas não podias ter utilizado atum em vez de bacalhau? 

Mãe de adolescente sofre!

Cuscuz de Bacalhau

Ingredientes
200 g de lascas de bacalhau cozido
sobras de grão cozido
1 cebola média picada
azeitonas picadas
salsa
200 g de couscous
300 ml de água ou de caldo de legumes
1 colher de sopa de manteiga
sal
2 colheres de sopa de azeite
pimenta preta

Preparação

  1. Numa frigideira, aqueça 2 colheres de sopa de azeite e refogue a cebola até que fique transparente.
  2. Adicione as lascas de bacalhau cozido, o grão e refogue. Adicione  as azeitonas e tempere com pimenta preta. Desligue e reserve.
  3. Noutra panela, ferva a água (usei caldo de legumes), apague o lume e adicione o couscous marroquino. Deixe hidratar durante quatro minutos.
  4. Adicione a manteiga e leve a panela ao lume até que a água seque.
  5. Misture o bacalhau no couscous, adicione a salsa picada e sirva.

Cuscuz de Bacalhau

Bom fim de semana!

Comfort food… lulas na frigideira com romanesco e batata nova

Este mês de janeiro tem-se pautado por dias frios, chuvosos e nevoeirentos e, por este motivo, têm apetecido muitas sopinhas e pratos de conforto, como este que vos trago hoje em que as lulas e o romanesco são os atores principais.

O romanesco é a inflorescência comestível da (Brassica oleracea var. botrytis), uma variedade da espécie a que pertencem também a couve-flor, o brócolos, a couve, o repolho e a couve-de-bruxelas. É originário da Itália e mais precisamente de Roma. Há registos de sua utilização desde o século XVI, mas somente nas últimas décadas veio a ser disponível e conhecido em outros países. A sua forma geométrica é muito decorativa, e sua disposição espiralada é muito citada como exemplo de forma fractal na natureza, e ilustra as leis dafilotaxia. A sua consistência é ainda mais tenra que a da couve-flor, devendo portanto ser apenas levemente cozido, e podendo também ser utilizado cru, em saladas. (editado desta fonte)

lulas na frigideira com romanesco e batata cozida

lulas na frigideira com romanesco e batata cozidalulas na frigideira com romanesco e batata cozidalulas na frigideira com romanesco e batata cozida

Lulas na frigideira com romanesco e batata-nova

Ingredientes

  • 1 embalagem de lula limpa inteira
  • 3 dentes de alho com a casca
  • alho em pó
  • vaqueiro q..b.
  • 2 colheres de sopa de molho inglês
  • 1 colher de sopa de molho de peixe
  • pimenta rosa
  • sal
  • couve romanesco
  • cenouras
  • batata-nova
  • azeite aromatizado com alho, alecrim e piri-piri para temperar.

Preparação

  1. Descongele as lulas e lave-as em várias água. Escorra bem.
  2. Corte as lulas às rodelas.
  3. Numa frigideira, adicione um fio de azeite, pedaços de vaqueiro e os três dentes de alho semi-esmagados com a lateral da faca.
  4. Junte as lulas e deixe que estas vertam alguma água. Deixe evaporar parte da água das lulas e tempere a pimenta rosa,  com o molho de peixe e o molho inglês. Polvilhe com alho em pó a gosto e adicione sal.  Saltei as lulas até ficarem cozinhadas.
  5. Num tacho com água a ferver, coza as cenouras e as batatas, com um pouco de sal. Se gostar, tempere a água com uma malagueta e uma folha de louro.
  6. Noutro tacho, mergulhe na água a ferver, também temperada com sal, a couve romanesco. Tal como acontece com os brócolos, este tipo de inflorescência coze bastante depressa. Vigie para que não coza demasiado e se desfaça.
  7. Sirva as lulas com os legumes e a batata, regados com azeite aromatizado.

lulas na frigideira com romanesco e batata cozida

lulas na frigideira com romanesco e batata cozida

Os pratos das fotos estão disponíveis nas Lojas DeBORLA.

A travessa é linda!