Caracóis doces de alfarroba e frutos secos… Dia Um…Na Cozinha

Tal como a Isabel Fernandes, uma das dinamizadoras do desafio Dia Um Na Cozinha, afirma o “outono é mesmo uma estação especial” porque se encontra associada  a ” tardes em casa ao som da chuva”, a “chocolate quente ou chá”, a “maratonas de filmes, a manta no sofá”, e a “forno ligado”, do qual ” exaltam odores inebriantes que inundam as cozinhas”. Por estes motivos todos, e mais alguns, a Isabel, autora do blogue Brisa Marítima, lançou, conjuntamente com a Aida e com o Paulo Herculano o tema “Pães Doces” para o desfile da 42ª edição do “Dia Um… Na Cozinha”. Foi com muito gosto de aceitei este desafio, após alguns meses sem conseguir participar.

Caracóis Doces de Alfarroba e Frutos Secos

caracóis doces de alfarroba

caracóis doces de alfarroba

caracóis doces de alfarroba

caracóis doces de alfarroba

Ingredientes

  • 1/2 chávena de margarina ou de manteiga sem sal (amolecida)
  • 100 ml de leite à temperatura ambiente
  • 150 ml de água morna
  • 1 saqueta de fermento Fermipan
  • 600 g de farinha T55
  • 60 g de farinha de alfarroba
  • 100 g de açúcar
  • 1 ovo
  • 1 colher de café de sal

Preparação

Aqueça a água a 37ºC  e junte-lhe o fermento. Misture. Deixe repousar 10 minutos.

Coloque as farinhas, o açúcar e o sal numa taça grande e faça um buraco no centro.

Junte o ovo e a manteiga e amasse. Vá juntando a água morna com o fermento reservada, amassando sempre. Termine com o leite e volte a amassar até que a massa fique uniforme e não se agarre à tigela.

Divida a massa em 12 pedaços iguais. Recorra à balança para ser mais preciso(a).

Enfarinhe uma superfície  e estique cada pedaço de massa fazendo uma tira que depois será achatada e enrolada com o formato de caracol.

Disponha os caracóis juntos num tabuleiro forrado com papel vegetal e deixe levedar cerca de 1 hora e meia a duas horas.

Pré-aqueça o forno a 200 ºC e leve os caracóis a cozer durante 25 minutos.

Ingredientes para a cobertura

  • açúcar em pó
  • água ou sumo de limão
  • 150 g de frutos secos (mix avelãs, caju, amêndoa, castanha do Brasil)

Preparação

Quando os caracóis tiverem arrefecido, disponha por cima destes os frutos secos, grosseiramente triturados na picadora. Poderá envolvê-los numa calda de açúcar idêntica à abaixo descrita e só depois dispô-los sobre os caracóis.

Numa taça, coloque algumas colheres de sopa de açúcar em pó e um pouco de água ou de sumo de limão. Misture muito bem até formar uma glace que corra em fio. Decore os caracóis com fios de glace. Espere que a glace seque ou delicie-se de imediato.

logotipo-dia-um-na-cozinha-novembro-2016

 

Simplesmente o MELHOR bolo de chocolate de SEMPRE…Brooklyn Blackout Cake

Brooklyn Blackout Cake

Brooklyn Blackout cake
Um verdadeiro vício para os fãs de chocolate é como posso caracterizar o Brooklyn Blackout Cake. Para além disso, é para mim o melhor bolo de chocolate de sempre, que destronou por completo o meu bolo pantagruélico, já de si também uma sumidade.
O Brooklyn Blackout Cake é um delicioso bolo em camadas, recheado com um tentador custard (pudim) de chocolate e polvilhado com migalhas do próprio bolo.
A prova está à vista! As gulosas quiseram logo deliciar-se com o pratinho da foto! E foram apanhadas em flagrante delito!
Brooklyn Blackout cake
Aceitei novamente, e com muito gosto, o desafio da Lia e da Susana e, com este bolo,  participo na 2ª edição do nosso “Sweet World“.
A Lia contou assim a sua história:
“Fundada em 1898 por George e Catherine Ebinger, proprietários de uma vasta e popular cadeia de lojas em Brooklyn, a Ebinger Baking Company desenvolveu este clássico americano durante a II Grande Guerra Mundial.
O seu nome deve-se aos apagões que a cidade se viu obrigada a praticar durante aquele que foi, sem dúvida, o período mais conturbado (e eu acrescentaria, vergonhoso) da história da humanidade.
Os apagões eram praticados para que, quando os navios de guerra partiam para as batalhas, não fossem detectados pelos aviões inimigos, sendo que, todas as luzes da cidade se apagavam e todas as janelas eram cobertas com material de cor preta.”
Depois da estória, o bolo sem o blackout (agora a cores)
Brooklyn Blackout Cake
Ingredientes para o recheio e cobertura:
  • 75g Maizena
  • 600ml leite gordo
  • 300g açúcar refinado amarelo
  • 1 colher sopa de golden syrup
  • 100g cacau em pó, peneirado
  • 1 colher chá de extracto de baunilha
  • 100g manteiga sem sal, cortada em cubos
Preparação
Misturar a Maizena com 1/3 do leite e mexer bem até obter uma mistura sedosa.
Num tachinho, mexendo sempre, levar ao lume o restante leite, juntamente com o açúcar, o golden syrup e o cacau, até levantar fervura e a mistura estar cremosa.
Adicionar a mistura da Maizena à mistura anterior, mexendo sempre até obter um custard espesso e cremoso.
Retirar o tacho do lume e adicionar a baunilha e a manteiga, mexendo até a manteiga derreter.
Despejar a mistura numa taça, cobrir a superfície do custard com película aderente e reservar.
Nota: Convém fazer este preparado com umas horas de antecedência para que possa arrefecer completamente.
Para o bolo:
  • 180g manteiga sem sal, cortada em cubos + extra para untar as formas
  • 300g açúcar refinado amarelo
  • 3 ovos médios
  • 1 colher chá de extracto de baunilha
  • 50g cacau em pó
  • 1 colher chá de fermento em pó
  • 1 colher chá de bicarbonato de sódio
  • 280g farinha
  • 200ml leite gordo

Preparação

Aquecer o forno a 190ºC e untar 2 formas de fundo amovível, com 20cm de diâmetro e 5cm de profundidade.
Peneirar os ingredientes secos para uma taça e reservar.
Bater a manteiga com o açúcar, até obter uma mistura cremosa.
Incorporar os ovos, um de cada vez, batendo bem entre cada adição.
Adicionar a baunilha, seguida dos ingredientes secos – metade de cada vez – batendo bem entre adições.
Finalmente adicionar o leite e combinar tudo muito bem.
Dividir a mistura pelas duas formas, alisando as superfícies e levar ao forno por 30 a 40 minutos, ou até que um palito inserido no meio de cada bolo saia limpo.
Retirar os bolos do forno, passar uma faca à volta dos bolos e deixar arrefecer nas próprias formas.
Quando frios, desenformar os bolos e cortá-los ao meio longitudinalmente, ficando assim com 4 discos.
Triturar um dos discos no robot de cozinha, reduzindo-o a migalhas e reservar.
Para montar o bolo, espalhar 1/4 do custard sobre uma das metades do bolo, cobrindo-o com a segunda metade de bolo.
Espalhar mais 1/4 do custard sobre o segundo bolo, cobrindo-o com a terceira metade de bolo.
Espalhar o restante custard por cima e dos lados do bolo todo e cobrir tudo com as migalhas reservadas.
Refrigerar o bolo por algumas horas e retirar do frigorífico cerca de 15 a 30 minutos antes de servir.
Brooklyn Blackout Cake
Uma tentação, não acham?

Queen of Puddings… Sweet World

Há dois ou três posts atrás, publicava o Bolo Napoleão, um doce típico da doçaria russa, mas com clara influência francesa. Hoje, decidi abraçar o desafio da Lia, do blogue  Lemon and Vanilla e da Susana, do blogue Basta Cheio, as dinamizadoras do passatempo Sweet World, que consiste, nesta primeira edição, na confeção do famoso Queen of Puddings.

Sabem o que é um Queen of Puddings? 

É uma sobremesa muito típica e popular no Reino Unido cujas características principais são as camadas que a compõem, ou seja:
Uma camada de custard enriquecido com pão ralado fresco, uma camada de doce e uma camada de suspiro!

A ideia deste passatempo é fazer o doce proposto, mantendo sempre as características essenciais que o definem. Para isso, segui à risca a receita da Lia e embarquei nesta aventura de ir saboreando ao longo dos meses um pouco de mundo.

Eis então o meu QUEEN of PUDDINGS 

Queen of Puddings

Queen of Puddings

Ingredientes (para 4 a 6 pessoas)

  • para a base:

600 ml leite gordo

25g manteiga + extra para untar um recipiente refractário

raspa de 1 limão

50g açúcar refinado branco

3 gemas de ovo

75g pão ralado feito a partir de pão fresco

6 colheres sopa de doce de morango (ou outro a gosto)

  • para o suspiro:

3 claras de ovo

175g açúcar refinado branco

 

Preparação:

Untar com manteiga, um recipiente refractário ou Pirex baixo, com capacidade para 1.5l.

Aquecer o forno a 170ºC.

Num tachinho, aquecer o leite, até este estar morno.

Adicionar a manteiga, a raspa do limão e o açúcar e mexer até este estar dissolvido.

Numa taça, bater ligeiramente as gemas de ovo.

Pouco a pouco, e mexendo sempre, adicionar o leite em fio, a fim de que tudo fique muito bem incorporado.

Polvilhar o fundo do recipiente refractário untado com o pão ralado.

Deitar a mistura do leite e gemas sobre o pão ralado e deixar por 15 minutos, a fim de que o pão absorva o líquido.

Colocar o recipiente refractário num tabuleiro de lados altos e encher o tabuleiro com água quente, até esta chegar até meio da altura do recipiente refractário (banho Maria).

Levar ao forno por 25 a 30 minutos, ou até o custard estar firme.

Retirar tudo do forno e colocar o custard sobre uma grelha de arrefecimento, enquanto se prepara o suspiro. Descartar a água e o tabuleiro onde se levou a água ao forno.

Reduzir a temperatura do forno para os 150ºC.

Para fazer o suspiro, bater as claras em castelo firme.

Batendo sempre, adicionar o açúcar, uma colher de chá de cada vez.

Bater, até todo o açúcar haver sido incorporado e a mistura estar espessa e brilhante.

Caso queiram um efeito mais enfeitado, colocar o suspiro dentro de um saco de pasteleiro, equipado com o bico à vossa escolha.

Muito delicadamente, espalhar o doce de morango sobre o custard.

Decorar a superfície do doce com o suspiro e levar o recipiente refractário ao forno por mais 25 a 30 minutos (sem o tabuleiro da água por baixo), ou até o suspiro estar “crocante” ao toque e douradinho.

Segundo a receita original deve servir-se morno ou à temperatura ambiente, porém, pessoalmente acho que o pudim é muito melhor depois de ter estado umas horas no frigorífico.

Queen of Puddings

As especiarias em espiral…Dia Um…Na Cozinha

Os orégãos e os cominhos foram as minhas especiarias eleitas para a participação no desfile de dezembro de Dia Um…Na Cozinha, subordinado ao tema A Minha Especiaria. Com certeza, devem estar a estranhar uma receita de caracóis em pleno mês dezembro. Que coisa tão inusitada de facto, mas uma espiral de sabor.
Apesar de já ter publicado a receita no blogue Receitas ao Desafio, em 2013, todos os anos faço caracóis sempre que eles aparecem na peixaria do hipermercado. Cá em casa, nós somos todos muito apreciadores deste petisco, o que se deve essencialmente à Tasca do Rei dos caracóis, do meu amigo e colega de trabalho Helder, presença habitual nas festas da cidade de Angra do Heroísmo. O Helder viciou-nos nos caracóis e agora “obrigo-me” a confecioná-los quando o petisco apetece.
Caracóis_foodwithameaning
Tigela branca da Loja DeBorla
Prato cinza da Loja DeBorla
Esta é uma receita muito aromática, devido à presença dos cominhos, dos orégãos e dos coentros, que deve ser servida quente e com umas fatias de pão de água ou de milho. Uma sangria branca complementa exemplarmente este prato.
Ingredientes e Preparação
1. Compre um saco de caracóis. Lave-os muito bem em água corrente até ver que a água estava a sair limpa.
2. Verta um pouco de vinagre por cima dos caracóis  para ficarem entorpecidos e depois volte a passar por várias águas.
3. Deite os caracóis dentro de um tacho e cubra-os com água. Tape-os e deixe repousar durante 15 minutos.
4. Ligue o fogão no mínimo e espere que os caracóis  espreitem para fora da carcaça.
5. Coloque uma cebola partida a meio, 4 dentes de alho, um caldo de carne, orégãos secos, 1 folha de louro, uma colher de café de cominhos, um ramo grande de coentros, azeite e  sal.
6. Aumente o “lume” e deixe cozinhar meia hora.

caracóis_foodwithameaning

Tigela branca da Loja DeBorla
Prato cinza da Loja DeBorla

Hummingbird cake… em Dia Um…Na Cozinha

O tema desta edição de outubro de Dia Um…Na Cozinha enaltece os bolos. O desfile mensal com toda a certeza irá apresentar bolos fantásticos no sabor e criativos na decoração. Esta minha proposta não é inovadora, mas é a receita do célebre bolo Hummingbird, ou Bolo Colibri.   Foi exatamente este bolo, escolhido para celebrar o meu aniversário, que decidi introduzir na panóplia de bolos dedicados ao outono, estação esta que pede bolinhos quentinhos acompanhados de uma chávena de chá ou de café. Se desejarem conhecer as origens deste bolo jamaicano, Jamie Oliver, explica-as aqui ao pormenor.

Como o próprio James Oliver afirma:

“This is the humming bird cake. Something a bit unusual, beautiful to make with incredible flavour. It’s a cake that cannot fail to put a smile on your face.”

É de facto um bolo que coloca muitos sorrisos no paladar de quem tem a oportunidade de o experimentar.

hummingbird cakehummingbird cake
Logotipo Dia Um... Na Cozinha Outubro 2015
Ingredientes
3 chávenas (cháv.) de farinha
1 colher de sobremesa de fermento
2 cháv. de açúcar
1/2 colher de chá de sal
1 colher de chá de canela
3 ovos XL
1 chávena de manteiga amolecida
1 1/4 cháv. de óleo vegetal  (usei manteiga)
1 1/2 colher de chá de essência de baunilha
1/2 lata grande de ananás
2 cháv. de bananas maduras esmagadas (4 bananas médias)
1 chávena de nozes picadas

 

Preparação

1. Bata o açúcar e a manteiga até obter uma mistura fofa.
2. Adicione um ovo de cada vez, batendo muito bem.
3. Numa tigela à parte, junte a farinha, o sal, o fermento e a canela. Mexa com uma colher de pau até os ingredientes ficarem bem misturados. Vá adicionando esta mistura enquanto bate o bolo.
4. Junte a baunilha, as nozes, o ananás em polpa e as bananas por último.
5. Verta a massa para três formas redondas untadas e enfarinhadas de 22 cm. Coza durante 25/30 minutos em forno quente (180º), ou até que um palito inserido no centro saia limpo.
6. Deixe arrefecer durante 10 minutos, em seguida, desenforme.
7. Deixe arrefecer completamente antes de cobrir com o recheio.

Nota. Pode optar por cozer o bolo de uma vez só e, depois de frio, cortá-lo e recheá-lo. Foi o que fiz. Recheei-o apenas uma vez.

Cobertura e recheio de Queijo Creme

1 embalagem de queijo creme
4 cháv. açúcar em pó (vá adicionando e verificando a consistência)
1/2 cháv. de manteiga sem sal, amolecida
essência de baunilha
2 colheres de sopa de sumo de limão
nozes picadas e inteiras para decorar (1 pacote chega para o recheio e decoração)

Preparação

Com a batedeira, misture o queijo creme, o açúcar e a manteiga em velocidade baixa. A seguir, aumente a velocidade e bata até formar um creme. Reduza a velocidade de novo, adicione a baunilha e o sumo de limão e volte a aumentar a velocidade.
Barre as diferentes camadas interiores do bolo com o creme e disponha uma camada de nozes trituradas em cima do queijo se porventura decidiu não adicionar as nozes ao interior do bolo. Termine com o creme e decore com as nozes reservadas para a decoração.

hummingbird cakehummingbird cakehummingbird cake

Esta receita foi adaptada desta reprodução de Paula Deen.

Um petisco açoriano…

A craca é uma formação calcária incrustada na rocha dos litorais marinhos. Existe em todas as ilhas do arquipélago dos Açores. É apanhada em mergulho de apneia, entre os três e os dez metros de profundidade, com recurso a pequenos machados metálicos, para separar a formação calcária do crustáceo da rocha de residência, onde vivem em formações do tipo colónia ou isoladamente. No âmbito da gastronomia, caracteriza-se por ser um petisco que é servido na carta de mariscos de muitos restaurantes. A sua confeção é simples e o segredo está em cozinhá-la com água do mar.

Cracas dos Açores

Cracas dos Açores

Ingredientes

Cracas, alho, pimenta malagueta, salsa e água do mar.

Preparação

Devem ser cozidas em água do mar para que mantenham o verdadeiro sabor.

Numa panela, cobrem-se as cracas de água, junta-se alho, salsa e pimenta malagueta q.b.; ferve 15 minutos. Retira-se para uma travessa e deixa-se arrefecer.

Na degustação, após remover o crustáceo do interior do habitat, o que se faz utilizando um pequeno gancho, tipo espeto, aconselha-se beber a água do interior do nicho onde se encontrava o crustáceo.

Uma delícia!

Cracas dos Açores

As cracas não são vendidas aos peso mas aos bicos. Por isso, convém escolher os crustáceos maiores. O preço difere se as comprarmos cruas ou cozidas, mas caracteriza-se por ser acessível.

Com esta receita, um petisco tipicamente açoriano, participo no passatempo do blogue Cozinha100segredos.

Bom apetite!

Torta de Limão e Côco

Há qualquer coisa de imprevisível na confeção das tortas. Começar a preparação de uma torta e concluí-la com êxito depende de muitos fatores: do tempo que se leva a bater os ovos com o açúcar, do tempo de cozedura, que tem de ser vigiado para que a torta não seque demasiado e da habilidade ao enrolá-la, para evitar que quebre. Por isso, fazer uma torta requer mais engenho do que o necessário para preparar um simples bolo. Talvez são estas as razões que concorrem para que as tortas nem sempre acertem. Fiz esta de limão e côco pela primeira vez. Segui uma receita de torta que constava do livro básico da Bimby. Adicionei a raspa de limão à massa, contrariamente ao que constava na receita, recheei-a com lemon curd e polvilhei-a com côco ralado. Garanto-vos que esta torta é uma delícia. Acompanhem-na com um café quentinho e desfrutem do momento. torta de limão e côco

Ingredientes para a torta

3 ovos

100 g de açúcar

125 g de farinha

1 colher de chá de fermento em pó

1 pitada de sal

raspa de um limão (não consta da receita original)

côco para envolver a torta

Preparação na Bimby

Pré aqueça o forno a 180ºC. Coloque a “borboleta”, os ovos, o açúcar e programe 2 minutos/37ºC/Vel. 3. Programe mais 2 minutos, para que fique um creme fofo. Incorpore a farinha, o fermento, o sal e programe 15 Segundos (marquei 30)/vel.3. Deite a massa num tabuleiro forrado com papel vegetal. Unte o papel vegetal e certifique-se que a massa ficou bem espalhada. Coloque no forno cerca de 10 minutos. Desenforme quente sobre um pano polvilhado com açúcar e recheie a gosto   receita adaptada do livro básico da Bimby, página 151.

Preparação Tradicional

Pré aqueça o forno a 180ºC. Coloque o açúcar e os ovos numa taça e bata com a batedeira durante 4 minutos até que fique um creme fofo. Junte a farinha, o fermento e o sal e bata mais meio minuto. Deite a massa num tabuleiro forrado com papel vegetal. Unte o papel vegetal e certifique-se que a massa ficou bem espalhada. Coloque no forno cerca de 10 minutos. Desenforme quente sobre um pano polvilhado com açúcar. Dica: Enrolo a torta com recurso ao papel vegetal da cozedura desta. Deixo-a arrefecer enrolada e depois de fria desenrolo-a, recheio-a e volto a enrolá-la.

Ingredientes para o Lemon curd (recheio e cobertura)

160 g de açúcar

2 limões (raspa e sumo)

60 g de manteiga

2 ovos

Preparação na Bimby

Coloque no copo o açúcar e pulverize 20 Seg/Vel.9. Junte as cascas de limão sem a parte branca e rale 15 seg/vel.9. Adicione a manteiga, o sumo dos limões e programe 1 Minuto/Vel.2 Junte os ovos e misture 10 Seg/Vel 4 De seguida, programe 7 minutos/80ºC/Vel 2. Retire e deixe arrefecer antes de rechear a torta. Com o restante lemon curd barre toda a torta e polvilhe de imediato com côco.

Dicas. Poderão deixar ainda um pouco de curd para a decoração da torta, já em cima do côco. Por vezes, coloco uma risca de curd em todo o comprimento da torta ou faço riscas diagonais.

receita do livro básico da Bimby, página 140

 

Com esta receita, participo na Edição de Março de Dia Um…Na Cozinha, subordinada ao tema: tortas doces.

torta de limão e côco