Molhanga de santola

Nós temos o hábito de pelo menos uma vez por semana fazermos compras no mercado municipal . Os produtos são locais e são frescos. Duas coisas que imperam nas minhas receitas. A banca da Peixaria Silveira já nos conhece. Quase que já até adivinham os nossos pedidos e têm sempre um saquinho de ovas reservado para nós. Sabem que as adoramos. Nesta última compra, para além das ovas, que ficarão para uma próxima receita, trouxemos uma pesada santola que tentava a todo o custo fugir do saco de plástico. A pequenada cá de casa fugia do saco com medo do bicho, que se debatia com patas e pinças como que adivinhando a proximidade do fim. Eu só pensava na receita e no petisco que faria. E assim surgiu esta molhanga de santola.

 foodwithameaning_molhanga de santola

foodwithameaning_molhanga de santola

Ingredientes

1 Santola cozida

1 Ovo cozido

100 g Queijo flamengo

3 colheres de sopa de Molho cocktail Calvé

2 colheres de sopa de maionese Heinz (com cebola caramelizada e ervas)

1 colher de sopa de mostarda

3 colheres de sopa de pickles picados

2 colheres de sopa de cerveja

salsa fresca picada

malaguetas

louro

sal

Preparação

Cozer a santola de preferência com água do mar temperada com louro e malaguetas, cerca de 15 minutos, após a água ter começado a ferver. Retirar a santola e deixar arrefecer. Reservar no frigorífico até estar bem fresca.

Retirar as patas e as pinças. Reservar.

Abrir a carapaça, separando-a do resto do corpo.  Agarrar na base e puxar, por forma a separá-la da carapaça. Desprezar uns apêndices moles que se assemelham a plumas e que se situam em redor do corpo; Retirar a carne cuidadosamente separando-a das cartilagens.

Juntar à carne os pickles, o queijo flamengo e o ovo cozido, previamente picados. Envolver e esmagar com a ajuda de um garfo. Adicionar todos os molhos, a cerveja e a salsa picada.

Misturar.

Servir com tostas.

foodwithameaning_molhanga de santola

Anúncios

Tiras de lula “gigante” na brasa e salada de batata

tiras de lula na brasa e salada de batata

Quando compramos lulas “gigantes” costumamos guisá-las com batata. Fica um estufado muito saboroso e com uma textura macia. Desta vez, a lula foi cortada às tirinhas e saltou para a brasa para nos presentear com este grelhado a saber a mar. Um par de pimentos fez companhia às lulas, enquanto o molho era preparado.

tiras de lula na brasa e salada de batata

Acompanhámos as lulas com uma salada de batata viciante.

tiras de lula na brasa e salada de batata

Ingredientes
1 lula grande

2 pimentos encarnados

1 quilo de batata

maionese a gosto

azeitonas recheadas

2 colheres de sopa de manteiga

1 colher de chá de alho em pó

1 colher de café de massa de malagueta

sumo de lima

mistura de cinco pimentas

gengibre fresco a gosto

noz moscada

azeite

salsa

sal

Preparação

1. Lavar a lula, retirar-lhe a tripa e cortá-la às tiras com a largura aproximada de dois centímetros.

2. Preparar as brasas ou ligar o grelhador eléctrico.

3. Colocar as tiras de lula na grelha para peixe, apenas temperadas com umas pedrinhas de sal. Virar a grelha do outro lado para que a outra face da tira também fique grelhada.  Este é um processo relativamente rápido, já que se a lula ficar demasiado tempo na grelha poderá ficar rija e seca.

4. Coloque os pimentos inteiros em cima da brasa e vá os virando até que assem de todos os lados. Coloque-os dentro de um saco de plástico e deixe-os suar. Assim será mais fácil retirar-lhes a pele. Em alternativa, poderá passá-los por água fria, mas, no meu entender, retira-lhes um pouco o sabor. Corte-os às tiras finas. Tempere com azeite, sal e alho em pó.

5. Prepare um molho com a manteiga, o sumo de lima (1 colher de sopa), a massa de malagueta, o alho em pó, o gengibre e uns pozinhos de mistura de cinco pimentas. Leve numa taça ao micro-ondas até começar a ferver. Pique salsa para a taça do molho, mexa e reserve.

6. Disponha as tiras de lulas numa travessa. Decore com a salada de pimentos e verta por cima de tudo o molho preparado.

7. Coza as batatas aos pedaços em água temperada com sal e um pouco de noz moscada. Escorra-as e junte-lhes azeitonas recheadas picadas. Envolva a salada em maionese  e finalize com salsa picada.

Com esta receita de lula na brasa participo na Edição de Julho de Dia Um…Na Cozinha.

logotipo julho

 

Salada de goraz com courgettes salteadas

A primavera aproxima-se a passos largos. Os dias já vão ficando mais solarengos, quentes e bonitos. Sendo assim, nas nossas mesas também vão surgindo refeições mais leves e frescas.

Diapositivo1Diapositivo2Diapositivo3

Ingredientes para a cozedura do peixe e para a salada

2 gorazes médios

10 batatas médias

3 cenouras pequenas

2 courgettes médias

12 couves-de-bruxelas

1 lata de feijão verde cozido (marca Libby’s)

maionese de cebola caramelizada e ervas (marca Heinz)

azeitonas galegas

picles

1 cebola pequena (facultativo)

4 dentes de alho

1 folha de louro

orégãos

piri-piri ( 1 malaguetinha)

azeite

salsa

Diapositivo2

1. Numa panela, coloco a cebola cortada em quartos, os dentes de alho descascados, a folha de louro, sal e o piri-piri. Encho com água e deixo que esta ferva.

2. Coloco o peixe na panela, já escamado, limpo de entranhas e cortado ao meio,  e certifico-me que fica coberto com água. Se isso não acontecer, verto mais água quente. Deixo cozer cerca de 10 minutos. Como se destina a salada, interessa que mantenha a consistência.  Depois de cozido, separo o peixe das espinhas, sem desfiar muito.

3. Escorro o feijão. Reservo.

4. Cozo as batatas aos cubos com as cenouras cortadas aos pedacinhos. Escorro. Reservo.

Dica de sabor: Podem aproveitar a água da cozedura do peixe para, depois de coada, cozer as batatas.

5. Lavo as courgettes e corto-as aos quadradinhos pequenos, semelhantes ao tamanho dos cubos de batata. Salteio-as em azeite e tempero com sal e orégãos secos. Quando se encontrarem cozinhadas mas consistentes, adiciono-as à salada. Quem preferir poderá saltear a courgette sem a pele.

6. Depois de todos os ingredientes estarem cozidos, disponho-os numa travessa grande e envolvo-os com uma colher. Pico aos pedacinhos os picles e junto as azeitonas. Polvilho tudo com salsa picada.

7. Poderão misturar a maionese em toda a salada ou apenas em cada prato. Numa versão ainda mais saudável, em vez da maionese tempera-se a salada com azeite e vinagre balsâmico.

Patê de enchidos em pão alentejano

Patê de enchidos em pão alentejano_foodwithameaning

Como entrada num jantar informal de amigos, saiu da nossa cozinha este pão alentejano recheado.
Podíamo-nos ter ficado apenas pela entrada, pois, para mim, este paté quente de queijo e enchidos concorreria per si para a refeição perfeita, devidamente acompanhado por um bom vinho, de preferência tinto. No entanto, ao patê seguiu-se a sopa, dois segundos pratos e a sobremesa, já publicada aqui anteriormente. Um verdadeiro desfile de slow food, apreciada de forma descontraída entre estórias e gargalhadas.

Um serão sem dúvida bem passado.

patê de enchidos em pão alentejano_foodwithameaning

Ingredientes

1 Pão Alentejano de quilo
200g de queijo da ilha ralado
100g de queijo mozarella ralado
100g de queijo flamengo ralado
1 frasco de 500ml de maionese
1 alheira de caça
1 linguiça do talho Galo (ilha Terceira)

Preparação

1. Cortei uma tampa no cimo do pão e escavei todo o seu interior, sem prefurá-lo.
2. Tirei a pele aos enchidos e piquei-os aos poucos na picadora.
3. Numa taça grande misturei a maionese com o queijo e os enchidos.
4. Recheei o pão com o preparado anterior e coloquei-lhe a tampa.
5. Embrulhei o pão em papel de alumínio.
6. Levei-o ao forno pré-aquecido nos 200ºC cerca de 40 minutos, ou até o queijo estar derretido.
7. Servi de imediato com tostas.

Dica: Melhor do que comer o recheio com tostas é partir com as mãos nacos do pão que foi ao forno e barrá-lo com o patê quente.
Patê de enchidos em pão alentejano_foodwithameaning

Salada de salmonete do alto

Salada de salmonete do alto

Tive sorte. Nem sempre está disponível. Consegui encontrar no mercado um dos meus peixes favoritos para saladas: o salmonete do alto.

Depois do mercado, passei pelas  estufas do senhor António e trouxe salada verde para dois ou três dias: alface roxa e um mix de baby leaf. As saladas que ele produz, apesar de não serem sujeitas a qualquer tipo de tratamento químico, aguentam muito tempo no frigorífico como se tivessem sido acabadinhas de colher. Uma frescura estaladiça.

Vamos então à receita.

Ingredientes para a cozedura do peixe e para a salada

1 salmonete do alto (se for muito grande, metade será suficiente)

1 pacote de massa cappelletti (marca garofalo)

1 lata de petits pois (ervilhas pequeninas e muito doces)

1/2 embalagem de baby carrots congeladas (cenoura bebé)

ovos

1 cebola pequena (facultativo)

4 dentes de alho

1 folha de louro

piri-piri ( 1 malaguetinha)

lima

azeite

salsa

1. Numa panela, coloco meia cebola, os dentes de alho descascados, a folha de louro, sal e a malaguetinha de piri-piri. Encho com água e deixo que esta ferva.

2. Coloco o peixe na panela, já escamado, limpo de entranhas e cortado ao meio,  e certifico-me que fica coberto com água. Se isso não acontecer, verto mais água quente. Deixo cozer cerca de 10 minutos. Este peixe coze muito rapidamente. Como se destina a salada, interessa que mantenha a consistência.  Depois de cozido, separo o peixe das espinhas, sem desfiar muito.

3. Escorro as ervilhas. Reservo.

4. Cozo as cenouras baby em água e sal. Escorro. Reservo.

5. Cozo a massa até ficar com a consistência al dente.

6. Cozo os ovos.

Dica de sabor: Podem aproveitar a água da cozedura do peixe para, depois de coada, cozer a massa.

7. Depois de todos os ingredientes estarem cozidos, disponho-os numa travessa grande e envolvo-os com uma colher. Pico aos pedacinhos o resto da cebola e coloco por cima da salada. Polvilho tudo com salsa picada.

8. Preparo um molho vinagrete (3 porções de azeite para  1 de sumo de lima). Poder-se-á adicionar uma colher de chá de mostarda dijon.

Em vez de servir este molho à parte, podem envolvê-lo na salada. Em vez deste molho, poderão utilizar a tradicional maionese, para uma versão menos light.
Acompanhei com salada baby-leaf composta por alfaces várias, agrião holandês e beldroegas.

&

Nos próximos dias, vou-vos convidar para passeios à Quinta do Galo e à Quinta dos Açores. Nesta pausa letiva, como os miúdos estão por casa, temos aproveitado para fazer algumas atividades diferentes.

Um bom fim de semana!

Um prato de peixe e salsa molhada

foodwithameaning

2013 chegou. Com ele veio também o desejo de sopas e de peixe, consequência natural do pós-época festiva, naturalmente repleta de excessos. Como já disse aqui, a abrótea que consumimos cá em casa tem de ser fresca, frita e fria. Esqueci de propósito a última condição em ‘f’ tendo em conta que todos os filetes de peixe são mais apetitosos consumidos quentinhos.  A foto, essa, foi, no entanto, tirada a frio, com direito a salsa bem molhadinha, diretamente vinda da horta em certo estado-de-sítio, à conta da ventania e da chuva que se abateram sobre nós durante o fim de tarde e toda a noite. Consequências do nosso viver ilhéu.

Para contrabalançar o facto de o filete ser frito, acompanhei a refeição com umas simples batatas cozidas e maionese sem ovos.

Filetes de abrótea com maionese de piclesfoodwithameaning

Ingredientes 

1.filetes de abrótea (ou de outro peixe a gosto)

2.alho em pó

3.sumo de limão

4.pimenta branca

5.sal

6.ovos (1 ou dois consoante o número de filetes)

7.farinha de trigo sem fermento

8.salsa fresca picada

9. óleo

 

Preparação

Temperei os filetes uma hora antes de cozinhá-los com os ingredientes assinalados de 1 a 5.

Bati os ovos numa tigela com um garfo com uns pozinhos de sal (desta vez de mesa).

Coloquei farinha num prato.

Sequei os filetes em papel de cozinha. Passei-os primeiramente pela farinha e de seguida pelo ovo. Levei-os a fritar, de ambos os lados, numa frigideira com óleo suficiente, mas sem que os filetes ficassem mergulhados.

Sequei-os novamente em papel de cozinha, coloquei-os num prato de servir e decorei-os com salsa picada.

Acompanhei com batata cozida e com a maionese especificada abaixo.

foodwithameaning

Receita da maionese sem ovos (Bimby, As receitas essenciais, p.21)

220 g azeite

220 g óleo

150 g leite

2 a 3 dentes de alho

sal e pimenta

sumo de um limão

Antecipadamente pese o azeite, o óleo num recipiente e reserve.

Coloque no copo o leite, os alhos, o sal, a pimenta e programe 20 seg/Vel.5.

Com a Bimby em funcionamento na Vel. 5, e sem retirar o copo de medida, verta a mistura sobre a tampa.

No fim, junte o sumo de limão e envolva com a ajuda da espátula.

Obs. Acrescentei à receita, uma colher de sobremesa de ketchup para conferir um tom ligeiramente rosado e quantidade a gosto de picles picados.