Entrada de verão

Quem segue esta cozinha já deve ter percebido que o fogão cá de casa anda a “meio-gás”. De facto, as férias, o calor e a necessidade de uma pausa têm concorrido para o espaçamento entre publicações. As refeições têm se caracterizado por ser ligeiras, rápidas e saudáveis, dando primazia às saladas e aos jantares fora de casa. Qualquer altura do ano se presta ao convívio, mas o verão, sendo a minha estação de eleição, quer-me totalmente dedicada a ele: aos pequenos-almoços ligeiros, às manhãs e aos fins de tarde na praia, aos jantares leves, onde um grelhado e uma salada ditam a refeição. Adoro o sol e os dias descomplicados. Quem não precisa deles?

Esta entrada que hoje vos trago é sinónimo disto tudo.

Ingredientes:

  • 2 queijos frescos
  • amêndoa torrada
  • mel
  • creme de vinagre balsâmico de manjericão (Paladin)
  • orégãos secos

Preparação:

Começar por dispor os queijos frescos numa travessa, polvilhar com orégãos, regar com fios de mel, salpicar com amêndoa torrada e desenhar com creme de vinagre balsâmico de manjericão.

Servir de imediato.

Desejam transformar esta entrada numa sobremesa?

Então, substituam o creme de vinagre balsâmico por creme de chocolate utilizado como topping em gelados. Garanto que vai surpreender!

&

E  fiquem por aí porque em breve vou falar-vos da minha experiência no TASTE in ADEGAS 2017.

Anúncios

Uma entrada surpreendente…flores de hóstias com salmão

As Prawn Crackers são um aperitivo chinês muito apreciado. Este consiste em camarão sob a forma de rodelas duras e translúcidas, parcialmente cozidas a vapor e secas no forno, fabricadas a partir de amido, água, sal, açúcar (cerca de 4 %), camarões (cerca de 5 %) e intensificadores de sabor. Costuma ser presença obrigatória nos restaurantes chineses, servindo de acompanhamento. Com o intuito de utilizar as hóstias como entrada, uma das sugestões do workshop que dinamizei sobre Tapas Gourmet, conferi-lhes outra roupagem, através da sua combinação com salmão fumado e queijo creme. Ninguém resistiu à junção dos diferentes elementos, nesta entrada que para além de fácil e saborosa recebeu desta forma um toque mais gourmet.

Hóstias de camarão com salmão fumado

Hóstias de Camarão com queijo creme, truta salmonada e cuca melon (micro pepino da Quinta do Ti Canoa)

Ingredientes:

  • Hóstias de camarão (1 embalagem de Prawn Crackers)
  • Óleo para fritura (de pref. de amendoim)
  • Salmão fumado
  • Ovas de salmão ou de esturjão (caviar)
  • 1 embalagem de queijo creme
  • Raspa e sumo de lima
  • Rama de funcho ou de endro
  • Cebolinho 

Coloque uma quantidade considerável de óleo de amendoim ou de girassol no wok ou na fritadeira e aqueça-o  até atingir 170ºC.

Insira as rodelas de prawn crackers no óleo quente e quando elas vierem à superfície (já crescidas e brancas) retire. Se demorarem muito tempo no fundo da fritadeira é sinal que o óleo não registava a temperatura adequada.

Coloque as hóstias sob papel absorvente e sirva de seguida. Se utilizar as prawn crackers como base para tapa, como acontece nesta receita, deixe-as arrefecer ligeiramente antes de as rechear.

 

Recheio:

Sugestão 1.

Misture uma embalagem de queijo creme com raspa e sumo de lima a gosto. (Se adicionar uma colher de sopa de queijo creme de alho e ervas enriquecerá o sabor).

Coloque uma colher de chá de recheio no centro da hóstia e faça assentar no centro rolinhos de salmão fumado, abrindo ligeiramente o rolinho para simular uma rosa. Termine com um raminho de funcho ou de endro.

ou

Sugestão 2.

Coloque o recheio num saco de pasteleiro com bico redondo. Corte tiras de salmão fumado e recheie-as em todo o comprimento com o creme de queijo. Enrole e dê um nó com cebolinho. Assente um rolinho em cada hóstia de camarão e termine com um raminho de funcho ou de endro.

Hóstias de Camarão com queijo creme, truta salmonada e cuca melon (micro pepino da Quinta do Ti Canoa)

(da apresentação também fazem parte metades de micro-pepino cuca melon)

Polvo cozido com batatas salteadas

polvo cozido com batatas salteadas

Neste verão, têm sido confecionados pratos de polvo com alguma frequência, e tudo graças ao mergulhador de serviço cá de casa. E óbvio que não sou eu a detentora de tal destreza, mas sim o meu marido. É preciso ter conhecimentos sobre os hábitos do polvo e bastante habilidade para se conseguir apanhar um molusco destes. As nossas férias de verão na ilha do Pico concorreram para esta apanha e nós temo-nos deliciado com diversos pratos de polvo. Hoje, trago-vos a minha receita de polvo cozido, acompanhada de batatas salteadas com casca, que foram um aproveitamento de sobras de batata-nova cozida.

Esta travessa linda tem a assinatura DeBORLA!

polvo cozido com batatas salteadas

Ingredientes

  • 1 polvo de 3 quilos
  • 1 cebola grande
  • 1 folha de louro
  • 5 dentes de alho
  • 1 pimenta piri-piri
  • sal q.b.
  • batata-nova
  • azeite
  • tomilho fresco
  • alecrim
  • alho em pó
  • moinho de 5 bagas

 

Preparação

Deixe que o polvo descongele totalmente. Coloque água numa panela. Junte uma cebola cortada em 4 partes, dois dentes de alho, a pimenta e a folha de louro. Não tempere com sal. Deixe que a água comece a ferver. Não tape a panela. De seguida, pegue no polvo pela cabeça e introduza-o na água, segurando sempre a cabeça. Retire-o e introduza-o novamente. Faça isso mais uma vez. Tape a panela e deixe que o polvo coza. Com uma faca e um garfo, vá experimentando a consistência do polvo. Se optar pela panela de pressão, assim que a válvula começar a chiar, conte 20 minutos, desligue o lume e destape a panela. A estrutura fibrosa do polvo depende muito de onde é originário.

Escorra o polvo e corte-o separando os tentáculos.

Coza batata-nova de tamanho médio com casca. Depois de cozida, deixe arrefecer e corte-a em gomos. Reserve.

Numa frigideira, coloque 3 colheres de sopa de azeite, raminhos de tomilho e de alecrim e os 4 dentes de alho picadinhos. Leve a dourar o alho levemente.

Junte as batatas, polvilhe-as com um pouco de alho em pó, com mistura de cinco pimentas e deixe-as alourar de ambos os lados, virando-as com cuidado.

Coloque o polvo no centro de uma travessa e disponha as batatas à volta do mesmo. Regue com mais azeite e sirva de imediato.

polvo cozido com batatas salteadas

polvo cozido com batatas salteadas

polvo cozido com batatas salteadas

Frozen de Piña Colada…uma receita para dias quentes

Para a edição do passado mês de julho, a revista Segredos de Cozinha pediu-me que desenvolvesse uma receita bem fresca, ideal para dias quentes e momentos de descontração. Surgiu, assim, a ideia deste frozen, um género de quase granizado, mas para adultos, devido à presença de rum. Há sempre a hipótese de eliminar a bebida alcoólica, transformando-a num cocktail sem álcool, para quem assim o preferir ou até mesmo para incluir as crianças na celebração do verão.

frozen de pina colada

frozen de pina colada

 

Ingredientes

  • sumo de abacaxi natural ou de compra
  • 1 medida* de sumo de abacaxi
  • 1/2 medida* de rum
  • 1/4 medida* de leite de côco
  • 1/4 medida* de leite condensado
  • raminhos de hortelã-pimenta para guarnecer 

*A medida pode ser uma chávena de chá

Preparação

1. Descasque o abacaxi, retire o centro e corte-o aos pedaços.
2. Triture o abacaxi num copo liquidificador ou num robô de cozinha até que se transforme em sumo com polpa ou utilize sumo de abacaxi de compra
3. Coloque a medida de sumo, a 1/2 medida de rum, 1/4 da medida de leite de côco e 1/4 da medida de leite condensado.
4. Repita esta receita as vezes que necessitar para obter a quantidade desejada.
5. Coloque a piña colada num marmita de vidro e leve ao congelador cerca de duas horas, até que comece a transformar-se em granizado.
6. Sirva em copos de cocktail ou em copinhos de shot, guarnecidos com pedaços de abacaxi com casca ou raminhos de hortelã-pimenta.
 frozen pina colada
frozen pina colada

Comida com cor e sabor

esparguete de ameijoa e legumes chineses

Adoro fotografar alimentos coloridos, tais como a fruta e os legumes. Quando frescos são vibrantes e apelativos. Sabiam que a cor do alimento está relacionada com o nutriente que contém, sendo fundamental ingerir diariamente no mínimo um alimento de cada cor? Assim, quanto mais colorida estiver a alimentação, maior será a quantidade de nutrientes que serão oferecidos ao organismo. Consumir diariamente frutas, legumes e hortaliças de cores diferentes é garantia de ingestão de alimentos de baixas calorias e grandes quantidades de vitaminas e minerais, o que reduz significativamente o risco de desenvolver doenças cardiovasculares, diabetes, alguns tipos de cancro e outras doenças, que afetam em maior escala os países desenvolvidos.

Como sou adepta de refeições equilibradas, pois delas depende o bom funcionamento do nosso corpo, é também importante a ingestão de proteína animal, presente no leite e derivados, ovos e carnes (bovina, suína, aves, peixe), que é responsável pela síntese muscular e fornecimento de aminoácidos essenciais; dos cereais (massas, pães), responsáveis pela energia no nosso organismo e também as gorduras, cuja função é transportar vitaminas lipossolúveis e produzir certos hormónios. Como resultado destas preocupações surgiu este prato que devido à sua constituição é colorido, saudável e completo.

esparguete de ameijoa e legumes chineses

Curiosidades sobre a cor dos alimentos:

Amarelos ou alaranjados que contém carotenoides presentes nos alimentos como o mamão, melão, cenoura, manga, laranja, damasco, pêssego e abóbora que tem atividade antioxidante e anticancerígena. Também possuem vitaminas A e C, que ajudam a manter o sistema nervoso saudável, protegem o coração e a visão.

Azulados e arroxeados, tais como uva, ameixa, framboesa, beterraba, berinjela e repolho roxo possuem atividade antioxidante, retardando o envelhecimento. Também protegem o coração e previnem alguns tipos de cancro.

Brancos, como a couve-flor, batata, arroz, nabo, repolho, cebola e a banana constituem fonte de cálcio e potássio e são imprescindíveis para a formação e manutenção dos ossos e funcionamento do sistema nervoso e dos músculos.

Verdes, como abacate, brócolos, chuchu, kiwi, limão, pepino, vagem e os folhosos em geral, contém clorofila, ferro e vitamina A agindo na desintoxicação das células, protegendo contra anemia, anticancerígeno, inibindo o envelhecimento e protegendo a visão, coração, cabelo e pele.

Vermelhos, como morango, tomate, melancia, beterraba, framboesa, cereja e pimentão vermelho contêm licopeno que atuam como antioxidante, neutralizando os radicais livres e protegendo o coração. Também são fontes de vitamina C.

Castanhos, tais como aveia, nozes, castanhas, feijão, lentilha são ricos em fibras e vitaminas do complexo B e vitamina E, auxiliando no funcionamento do intestino e prevenindo doenças cardiovasculares.

Esparguete de ameijoa e legumes chineses

esparguete de ameijoa e legumes chineses

Ingredientes

– 1 pacote de 500 g de spaghettini
– 1/2 embalagem de legumes chineses congelados
– cogumelos frescos
– 1 embalagem de miolo de ameijoa
– 3 colheres sopa de soja
– 1 lata pequena de tomate triturado
– 1 cebola
– 3 dentes de alho
– sal e pimenta q.b.
– alho em pó
– sumo de 1/2 limão
– 1 colher de café de caril
– azeite q.b.

Preparação

1. Começar por cortar a cebola e o alho finamente e fazer um refogado em azeite. Juntar o miolo de ameijoa e os cogumelos frescos laminados. Deixar que destilem e cozinhem.  Juntar o tomate triturado, o molho de soja e o caril. Temperar com sal, alho em pó, pimenta e sumo de 1/2 limão. Deixar levantar fervura. Reservar.

2. Cozer os vegetais num tacho com água e sal durante 7/8 minutos. Escorrer bem após a cozedura. Aproveitar água da cozedura dos vegetais para cozer o esparguete. Escorrer o esparguete.

3. Juntar os legumes ao preparado  inicial, com o miolo de ameijoa, e deixar apurar um pouco.

4. Envolver o spaghettini neste preparado e servir.

 

 

Carré de borrego com sabores indianos e com laranja (e algumas confissões fotográficas à mistura)

Diapositivo1

 

Carré de borrego com sabores indianos e laranja

Algumas pessoas que seguem o blogue perguntam-me se os pratos que confeciono são apresentados a pensar na reportagem fotográfica. Claro que são. Mas também lhes explico que as loiças que utilizo nas fotos são de facto as que de seguida vão para a mesa do almoço ou do jantar, conforme seja o caso. Quanto menos loiça se sujar tanto melhor. Confesso que esta atividade de foodblogger fez desenvolver em mim o vício da compra de props,  de todas as cores e feitios, recentes e ou com muitas histórias para contar, como as loiças que compro nas lojas de segunda-mão. Relativamente aos atoalhados, aos talheres e às peças decorativas que utilizo nas fotos, estes nem sempre são manipulados diariamente e encontram-se nos armários com gavetas e prateleiras apenas destinados à composição fotográfica. Para além disso, raramente se tornam práticos à mesa, especialmente quando dela fazem parte um adolescente com dificuldades em gerir o espaço  e uma criança com “bicho-carpinteiro”.

Acho que chegou a hora de desmistificar algumas ideias sobre a composição das fotos:

a) as bases onde fotografo não são as nossas mesas, salvo raras exceções (foram expressamente criadas ou recuperadas para o efeito);

b) não possuo um estúdio de fotografia em casa (apenas utilizo luz natural e tento tirar partido dela durante a exposição dos pratos  à mesma);

c) não possuo uma máquina fotográfica topo de gama (fotografo com uma Canon EOS 700D e com a respetiva lente de 18mm/55mm);

d)  nem todas as receitas que faço dão certo (na minha cozinha acontecem alguns desastres culinários, como em tantas outras, presumo);

e) não faço comida especial e fantástica todos os dias (muitas vezes, nas marmitas encontram-se almondegas com esparguete e salada de atum, o que causa por vezes indignação ao dono da marmita ao lado);

f) nem sempre o pessoal de casa gosta das minhas receitas (gosto de experimentar combinações  e temperos diferentes e nem sempre tenho palatos recetivos à estranheza e à novidade);

g) existem vozes descontentes (especialmente quando acontece algum atraso na sessão fotográfica e se encontram três esfomeados à mesa)

h) 90% das vezes fotografo com a comida já fria (o fumo do calor embacia a lente, a menos que se queira o efeito da fumaça, bastante difícil de se conseguir sem se proceder à utilização de layers). Algumas vezes, preparo previamente o prato para a foto  e o restante já está em cima da mesa, para que seja apreciado quentinho.

i) Não demoro uma eternidade na reportagem fotográfica, mas raramente tiro menos de 15 fotos a cada prato (normalmente, para evitar alguma perda de tempo, costumo, à medida que vou confecionando o prato, ir pensando na forma como o vou apresentar: loiça, talheres, atoalhados, peças decorativas, fundos, bases, flores, ervas aromáticas, etc. Vou compondo mentalmente todo o cenário que pretendo transmitir e, confesso, esta parte de food styling é mesmo o que mais prazer me dá neste hobby de foodblogger que abraço há 6 anos);

j) Não perco quase tempo nenhum com a edição das fotos. Um toque na luminosidade e no contraste acaba por ser o que faço na maior parte das vezes, por falta de tempo (tenho imensa pena que assim seja, já que com tempo e com o Lightroom, ou com outro programa de edição, poderia enriquecer as fotos).

Este carré  de borrego, a receita de hoje, teve de ser submetido a disparos muito rápidos, porque tinha de ser saboreado de imediato, daí eu estar um pouco descontente com as fotos. Contudo, garanto-vos que de sabor estava DELICIOSO!

Confissões e truques de amadora à parte, gostaria ainda de vos dizer que as travessas das fotos acima têm a assinatura DeBORLA e simplesmente não as dispenso porque as acho lindas.

Carré de borrego com sabores indianos e com laranja

Carré de borrego com sabores indianos e com laranja

Ingredientes para o Carré de borrego

  • 1 carré de borrego
  • azeite q.b.
  • 4 dentes de alho
  • 2 colheres de sopa de caril
  • 2 laranjas (sumo)
  • 1 malagueta
  • folhas de hortelã-pimenta
  • paus de canela
  • pimenta rosa
  • sal q.b.

Preparação

  1. Tempere a carne sal, com azeite, os dentes de alho picados, o caril, o sumo das laranjas, a malagueta picada, a pimenta rosa, as folhas de hortelã-pimenta e os paus de canela. Misture bem. Deixe marinar cerca de meia hora.
  2. Sele todos os lados da carne numa frigideira.
  3. Leve a carne ao forno, pré-aquecido a 180 ºC, durante 15 minutos.
  4. Sirva com laranja cortada em gomos ou fatiada.
  5. Acompanhe com as batatas da receita abaixo.

Ingredientes para as Batatas Assadas com Chili e Ervas Aromáticas

  • 1 quilo de batata vermelha (para assar)
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • alho em pó
  • sal
  • manjericão e tomilho fresco
  • flocos de chili

Preparação na Actifry

  1. Lave as batatas muito bem, limpando-as com um esfregão para retirar sujidade da pele.
  2. Corte cada batata no sentido do comprimento por duas vezes até formar 4 partes iguais (ver foto).
  3. Disponha as batatas na cuba da Actifry, tempere com sal, alho em pó, manjericão, tomilho e com flocos de chili.
  4. Marcar 15 minutos.

Servir de imediato.

Barquinhas de curgete recheada

Ainda na linha de uma alimentação saudável (presunto e queijo à parte), chegam estas barquinhas de curgete. Como acompanhamento ou como prato principal, elas trazem muito sabor e cor à nossa mesa. Por cá, foram muito apreciadas, até pelos mais pequenos. Se estão a questionar se devem ou não comer as barquinhas, estejam à vontade e levem barco e recheio juntos em cada garfada.

Experimentem e depois digam da vossa justiça!

foodwithameaning

foodwithameaning

Ingredientes

  • Courgettes pequenas
  • Azeite 
  • 1 Cebola 
  • 2 dentes de alho
  • Queijo parmesão
  • cogumelos frescos
  • presunto para saladas (marca Continente)
  • salsa
  • Oregãos
  • pimenta preta

Preparação

  1. Encha um tacho com água e deixe ferver. Tempere com sal.
  2. Corte as extremidades das curgetes e insira-as na água a ferver durante 3 minutos, escorra e passe por água fria. Reserve até arrefecerem.
  3. Corte cada curgete a meio no sentido do comprimento.
  4. Retire o miolo com uma colher de chá, formando barquinhas. Reserve.
  5. Pré aqueça o forno a 180ºC.
  6. Aqueça 2 colheres de azeite num tacho e adicione a cebola e o alho picados. Deixe refogar. Adicione o presunto e os cogumelos frescos picadinhos. Envolva-os no refogado.
  7. Junte o interior das curgetes e refogue mais um pouco. Tempere com sal, pimenta, salsa, orégãos e polvilhe com queijo parmesão ralado. Retire do lume e deixe arrefecer ligeiramente.
  8.  Recheie as curgetes com esta mistura, regue com azeite e coloque no forno.
  9. Tape a travessa com papel de alumínio e leve ao forno durante 30 minutos. Para alourar retire o papel de alumínio e deixe ficar no forno mais cerca 10 a 15 minutos.
  10. Sirva de imediato com lascas de queijo parmesão.

foodwithameaning

A travessa vem com a assinatura DeBORLA.