Coelho à nossa moda (segredos incluídos)

Hoje resolvi partilhar convosco uma receita de coelho muito apreciada cá em casa, mesmo sabendo que a carne de coelho nem sempre é a predilecta da maioria dos mortais. Esta carne está integrada no grupo das variedades brancas. Contém uma grande quantidade de proteína e pouca gordura em comparação com as carnes de vaca, porco, e cordeiro. Assim, a carne de coelho é excelente para a alimentação de pessoas que têm várias doenças associadas com o trato gastrointestinal. Sabiam que a carne de coelho é absorvida pelo corpo humano em cerca de 90%, e que, por exemplo, apenas 60% da carne de vaca é assimilada? A carne de coelho possui também menos substâncias nitrogenadas, pelo que é a carne ideal para as pessoas que sofrem de gota. É uma carne que possui menor número de fatores alergénicos, de sódio e de gorduras podendo ser consumida por crianças menores de um ano e por pessoas com regimes alimentares baixos em sódio e em calorias. É ainda rica em vitamina C, vitaminas do complexo B, niacina e em minerais como o fósforo, o ferro, o cobalto, o manganês, o potássio e o flúor.

Por todos estes motivos, e também porque é magra e muito saborosa, a carne de coelho faz parte da nossa ementa cá em casa durante todo o ano.

Fiquem então com o registo desta receita de conforto a saber a outono.

Coelho à nossa Moda

1

# caçarola de loiça DeBORLA

# pote de barro da Olaria de S. Bento

Ingredientes e Modo de Confeção

Depois de tirar o “casaco ao coelho” – (eu gosto do eufemismo, mas poderão já comprar o coelho pronto a cozinhar), lava-se o coelho com água temperada com sal e vinagre. Parte-se em pedaços.

De véspera, coloca-se o coelho num alguidar. Faz-se um vinha d’alhos com bastante alho cortado e cebola, massa malagueta, folhas de louro, alecrim, orégãos, colorau (pimentão doce), pimenta da Jamaica e pimenta branca, sal, sumo de um limão e o limão cortado em pedaços. Cobre-se a carne com vinho tinto e vinho branco de qualidade. Rega-se também com um pouco de cerveja.

No próprio dia, faz-se um refogado em azeite com uma cebola grande. Adiciona-se tiras de bacon e chouriço às rodelas. Polvilha-se com Goya Açafrão (mistura de alho moído, pimenta e açafrão)
Antes de se colocar o coelho numa assadeira para ir ao forno, coloca-se o coelho com o vinha d’alhos numa panela e dá-se uma fervura na carne (este é um dos segredos)

Retira-se da panela e coloca-se o coelho na assadeira. Põe-se o refogado com os fumados  (bacon e chouriço) por cima. Envolve-se tudo. Coloca-se uma concha ou duas da água da fervura por cima do coelho antes de ir ao forno. Retifica-se os temperos provando o molho. Deve assar lentamente. (outro segredo).

3.JPG

.

Anúncios

Alcatra mista…em domingo de primeiro bodo

Hoje é o dia do primeiro bodo, ou seja, o domingo principal das Festas do Divino Espírito Santo celebradas aqui nos Açores  pela maioria dos habitantes com um misto de devoção e de oportunidade de saborear os pratos típicos desta época. Cumprindo parcialmente a tradição, resolvi apresentar-vos a receita tradicional do prato mais típico da minha ilha, a alcatra. Digo parcialmente, porque, pela primeira vez, resolvi fazer uma alcatra à qual adicionei alguns pedaços de entrecosto e pá de porco, ingredientes que não constam da receita genuína, a qual descrevo abaixo. E como não há alcatra que se preze que não seja cozinhada em alguidar de barro, fui buscar o maior que tinha, comprado na Olaria de S.Bento, e comecei a preparar a receita.

IMG_2072.JPG

Diapositivo1

Ingredientes

  • 2 kg de rabadilha
  • 1 kg de chambão com osso
  • 8 cebolas médias
  • 300 g de toucinho fumado
  • 10 grãos de pimenta do reino
  • 8 grãos de pimenta da Jamaica
  • 1 a 2 folhas de louro
  • 1 pau de canela
  • vinho de cheiro ou tinto maduro ou vinho branco seco (prefiro este último)
  • 1 colher de sopa de vinagre
  • 1 chávena de água
  • 30 g de manteiga
  • 20 g de banha
  • 2 colheres de sopa de massa de malagueta
  • sal grosso

 

Modo de Confeção da Alcatra

1. Unte o alguidar com manteiga ou banha.

2. No fundo, coloca-se uma camada de cebolas às rodelas, toucinho às lascas, carne aos bocados.

3. Tempera-se com os grãos, o louro, canela e o sal.

4. Repete-se o mesmo procedimento, fazendo camadas até se esgotarem os ingredientes. A última camada deve ser de cebolas.

5. Cobre-se tudo com vinho, com uma chávena de água e vinagre.

6. Termina-se com cebola e nozes de manteiga.

7. Se não tiver forno de lenha, leve a alcatra a cozer em forno médio, durante 3 a 4 horas.

8. Se for necessário acrescenta-se um pouco de mistura de vinho e água.

9. Deve virar-se a carne a meio da cozedura e servir no próprio alguidar.

10. A Alcatra é acompanhada com fatias de massa sovada.

IMG_2082.JPG

IMG_2067.JPG

IMG_2102

Carré de borrego com sabores indianos e com laranja (e algumas confissões fotográficas à mistura)

Diapositivo1

 

Carré de borrego com sabores indianos e laranja

Algumas pessoas que seguem o blogue perguntam-me se os pratos que confeciono são apresentados a pensar na reportagem fotográfica. Claro que são. Mas também lhes explico que as loiças que utilizo nas fotos são de facto as que de seguida vão para a mesa do almoço ou do jantar, conforme seja o caso. Quanto menos loiça se sujar tanto melhor. Confesso que esta atividade de foodblogger fez desenvolver em mim o vício da compra de props,  de todas as cores e feitios, recentes e ou com muitas histórias para contar, como as loiças que compro nas lojas de segunda-mão. Relativamente aos atoalhados, aos talheres e às peças decorativas que utilizo nas fotos, estes nem sempre são manipulados diariamente e encontram-se nos armários com gavetas e prateleiras apenas destinados à composição fotográfica. Para além disso, raramente se tornam práticos à mesa, especialmente quando dela fazem parte um adolescente com dificuldades em gerir o espaço  e uma criança com “bicho-carpinteiro”.

Acho que chegou a hora de desmistificar algumas ideias sobre a composição das fotos:

a) as bases onde fotografo não são as nossas mesas, salvo raras exceções (foram expressamente criadas ou recuperadas para o efeito);

b) não possuo um estúdio de fotografia em casa (apenas utilizo luz natural e tento tirar partido dela durante a exposição dos pratos  à mesma);

c) não possuo uma máquina fotográfica topo de gama (fotografo com uma Canon EOS 700D e com a respetiva lente de 18mm/55mm);

d)  nem todas as receitas que faço dão certo (na minha cozinha acontecem alguns desastres culinários, como em tantas outras, presumo);

e) não faço comida especial e fantástica todos os dias (muitas vezes, nas marmitas encontram-se almondegas com esparguete e salada de atum, o que causa por vezes indignação ao dono da marmita ao lado);

f) nem sempre o pessoal de casa gosta das minhas receitas (gosto de experimentar combinações  e temperos diferentes e nem sempre tenho palatos recetivos à estranheza e à novidade);

g) existem vozes descontentes (especialmente quando acontece algum atraso na sessão fotográfica e se encontram três esfomeados à mesa)

h) 90% das vezes fotografo com a comida já fria (o fumo do calor embacia a lente, a menos que se queira o efeito da fumaça, bastante difícil de se conseguir sem se proceder à utilização de layers). Algumas vezes, preparo previamente o prato para a foto  e o restante já está em cima da mesa, para que seja apreciado quentinho.

i) Não demoro uma eternidade na reportagem fotográfica, mas raramente tiro menos de 15 fotos a cada prato (normalmente, para evitar alguma perda de tempo, costumo, à medida que vou confecionando o prato, ir pensando na forma como o vou apresentar: loiça, talheres, atoalhados, peças decorativas, fundos, bases, flores, ervas aromáticas, etc. Vou compondo mentalmente todo o cenário que pretendo transmitir e, confesso, esta parte de food styling é mesmo o que mais prazer me dá neste hobby de foodblogger que abraço há 6 anos);

j) Não perco quase tempo nenhum com a edição das fotos. Um toque na luminosidade e no contraste acaba por ser o que faço na maior parte das vezes, por falta de tempo (tenho imensa pena que assim seja, já que com tempo e com o Lightroom, ou com outro programa de edição, poderia enriquecer as fotos).

Este carré  de borrego, a receita de hoje, teve de ser submetido a disparos muito rápidos, porque tinha de ser saboreado de imediato, daí eu estar um pouco descontente com as fotos. Contudo, garanto-vos que de sabor estava DELICIOSO!

Confissões e truques de amadora à parte, gostaria ainda de vos dizer que as travessas das fotos acima têm a assinatura DeBORLA e simplesmente não as dispenso porque as acho lindas.

Carré de borrego com sabores indianos e com laranja

Carré de borrego com sabores indianos e com laranja

Ingredientes para o Carré de borrego

  • 1 carré de borrego
  • azeite q.b.
  • 4 dentes de alho
  • 2 colheres de sopa de caril
  • 2 laranjas (sumo)
  • 1 malagueta
  • folhas de hortelã-pimenta
  • paus de canela
  • pimenta rosa
  • sal q.b.

Preparação

  1. Tempere a carne sal, com azeite, os dentes de alho picados, o caril, o sumo das laranjas, a malagueta picada, a pimenta rosa, as folhas de hortelã-pimenta e os paus de canela. Misture bem. Deixe marinar cerca de meia hora.
  2. Sele todos os lados da carne numa frigideira.
  3. Leve a carne ao forno, pré-aquecido a 180 ºC, durante 15 minutos.
  4. Sirva com laranja cortada em gomos ou fatiada.
  5. Acompanhe com as batatas da receita abaixo.

Ingredientes para as Batatas Assadas com Chili e Ervas Aromáticas

  • 1 quilo de batata vermelha (para assar)
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • alho em pó
  • sal
  • manjericão e tomilho fresco
  • flocos de chili

Preparação na Actifry

  1. Lave as batatas muito bem, limpando-as com um esfregão para retirar sujidade da pele.
  2. Corte cada batata no sentido do comprimento por duas vezes até formar 4 partes iguais (ver foto).
  3. Disponha as batatas na cuba da Actifry, tempere com sal, alho em pó, manjericão, tomilho e com flocos de chili.
  4. Marcar 15 minutos.

Servir de imediato.

Espetadas de secretos de porco com cogumelos da Quinta do Ti Canoa

Segundo o dono da Quinta do Ti Canoa, que fica situada na freguesia da Terra-Chã, os cogumelos (que constam das fotos) possuem características terapêuticas. “Esta  propriedades medicinais do Pleurotus são conhecidas na Ásia, Europa Central, América do Sul. Estudos mostram que o género possui a capacidade de modular o sistema imunológico, possui actividade hipoglicémica e antitrombótica, diminui a pressão arterial e o colesterol sanguíneo, possui acção antitumoral, anti-inflamatória e antimicrobiana. Os componentes bioativos do pleurotus ostreatus parecem ter efeito na formação de células sanguíneas, tornando mais forte o sistema imunitário. Efeitos em termos anti-inflamatórios também estão descritos. Os alcaloides, flavonóides e terpenóides são as substâncias ativas responsáveis por efeitos em células cancerígenas. Estes efeitos não estão descritos em grandes ensaios clínicos mas já há muita investigação que mostra inibição da proliferação de células tumorais, sem prejuízo do normal crescimento de células saudáveis.”

Os cogumelos utilizados nesta receita vieram  cá para casa diretamente da Quinta do Ti CanoaFrescos, fresquíssimos! Uma delícia!
A Quinta aceita encomendas (965 896 112)!
Diapositivo1
pleurotus ostreatus
pleurotus ostreatus
Resolvi confecioná-los na brasa intercalados com secretos de porco e pimentos.
Acompanhei-os com quinoa hidratada em sumo de laranja, uma dica deliciosa da minha amiga Dulce.

A quinoa é uma semente rica em vitaminas e minerais como ferro, magnésio, zinco e potássio. Para além disso,  tem apenas 374 calorias em cada 100 gramas e é bem versátil, uma vez que pode ser utilizada em entradas, acompanhamentos, saladas, pratos principais e sobremesas. Substitui o arroz e outros grãos na perfeição.

Mesmo que a maioria das quinoas embaladas, já tenham tido uma pré lavagem, é importante enxaguar as sementes para retirar a saponina. Para isso, basta encher uma tigela com água quente, adicionar a quinoa e deixar de molho durante 2 minutos, depois enxague bem mexendo com as mãos para tirar todas as impurezas e a saponina.

Preparação tradicional da quinoa

Adicione duas chávenas de água e deixe a água ferver, coloque 1 chávena de quinoa, 1 dente de alho esmagado, 2 folhas de menta e o sal, e mexa de vez em quando até levantar fervura. Assim que ferver, tape e reduza a temperatura e deixe cozinhar por mais 15 minutos. Deixe descansar com a tampa fechada durante 5 minutos antes de servir.

Dicas: A quinoa deve estar pronta quando ficar transparente com linhas brancas em volta. Solte os grãos com um garfo e sirva.

Preparação com sumo de citrino

Após a lavagem da quinoa, como acima se encontra explicado, escorri a água e espremi sumo de laranja até que este se sobrepusesse à quinoa. Deixei a hidratar e a cozinhar no ácido, no frigorífico, de um dia para o outro.

espetadas de secretos de porco com cogumelos pleurotus ostreatus
espetadas de secretos de porco com cogumelos pleurotus ostreatus
As tábuas têm a assinatura Gradirripas.
A tigela, com o acompanhamento de quinoa, encontra-se disponível nas lojas DeBORLA.
Ingredientes para 10 espetadas médias
  • 500 g de secretos de porco
  • cogumelos  pleurotus ostreatus 
  • 1 pimento verde
  • 1 pimento encarnado
  • 3 cebolas
  • alho em pó
  • sal
  • mistura de cinco pimentas
  • margarina Vaqueiro (no caso de grelhar na frigideira-grill)
  • azeite (no caso de grelhar na frigideira-grill)
  • sumo de limão ( antes de servir)

Preparação

  1. Corte os secretos em pedaços iguais. Tempere-os com sal, alho em pó e mistura de cinco pimentas. Reserve.
  2. Lave os pimentos, retire-lhes as sementes, corte-os em tiras largas e posteriormente em quadrados. Reserve.
  3. Corte a cebola em pedaços.
  4. Limpe os cogumelos com um pano, corte-lhe o extremo do pé, junto à raiz e reserve-os.
  5. Comece por inserir o pedaço de cebola no pau de espetada e depois vá intercalando a carne, com os pimentos e os cogumelos.
  6. Leve a grelhar na brasa, no grelhador elétrico ou numa frigideira-grill. Se optar pela frigideira-grill, verta um fio de azeite e um pouco de margarina vaqueiro, pois a carne ficará ainda mais saborosa, apesar de os secretos de porco já serem suculentos por si sós. Certifique-se que a grelha está bem quente antes de colocar a carne. Vá virando as espetadas para que os ingredientes grelhem de todos os lados.
  7. Regue cada espetada com sumo de limão antes de servir.
  8. Acompanhe com quinoa hidratada em sumo de laranja.

espetadas de secretos de porco com cogumelos e quinoa

 

espetadas de secretos de porco com cogumelos e quinoa

Quinoa e Alcatra combinam

A alcatra caracteriza-se por ser um dos cortes da carne de vaca. Cá nos Açores, quando se ouve o termo alcatra este é imediatamente associado à Ilha Terceira, por ser o seu prato típico, como poderão perceber através deste link. Ao contrário do que possam estar a pensar, a alcatra tradicional não é composta por carne do corte de alcatra. É, sim,  constituída pelos seguintes pedaços de carne de vaca: rabadilha, chambão e cachaço. É ainda confecionada em alguidar de barro e em forno de lenha.

Esta sugestão de hoje, que começou por ser uma combinação improvável, acabou sendo uma deliciosa surpresa. Daqui em diante, está oficialmente estabelecida cá em casa a quinoa como acompanhamento obrigatório de Alcatra . A tradição da massa sovada irá ser igualmente mantida, mas elegerei a semente quinoa cozida como complemento a este prato. A quinoa absorve o sabor do molho da alcatra, fundindo-se na perfeição e trazendo ainda mais conforto a esta iguaria açoriana. Pessoalmente, acho que esta combinação traz mais benefícios em termos nutricionais e de digestão, comparativamente ao acompanhamento com massa sovada.

O prato e as mini assadeiras das fotos têm a assinatura DeBORLA!

alcatra e quinoa_foodwithameaning

Ingredientes para fazer a Tradicional Alcatra à Moda da Ilha Terceira

  • 2 kg de rabadilha
  • 1 kg de chambão com osso
  • 8 cebolas médias
  • 300 g de toucinho fumado
  • 10 grãos de pimenta do reino
  • 8 grãos de pimenta da Jamaica
  • 1 a 2 folhas de louro
  • 1 pau de canela
  • vinho de cheiro ou tinto maduro ou vinho branco seco
  • 1 colher de sopa de vinagre
  • 1 chávena de água
  • 30 g de manteiga
  • 20 g de banha
  • 2 colheres de sopa de massa de malagueta
  • sal grosso

 

Preparação 

1. Unte o alguidar com manteiga ou banha.

2. No fundo, coloca-se uma camada de cebolas às rodelas, toucinho às lascas, carne aos bocados.

3. Tempera-se com os grãos, o louro, canela e o sal.

4. Repete-se o mesmo procedimento, fazendo camadas até se esgotarem os ingredientes. A última camada deve ser de cebolas.

5. Cobre-se tudo com vinho, com uma chávena de água e vinagre.

6. Termina-se com cebola e nozes de manteiga.

7. Se não tiver forno de lenha, leve a alcatra a cozer em forno médio, durante 3 a 4 horas.

8. Se for necessário acrescenta-se um pouco de mistura de vinho e água.

9. Deve virar-se a carne a meio da cozedura e servir no próprio alguidar.

alcatra e quinoa_foodwithameanin

Poderão encontrar as mini assadeiras de cerâmica cinza claro da linha Vianagrés e loiça da mesma linha na loja DeBORLA mais perto de si.

alcatra e quinoa_foodwithameaning

Acompanhamento de Quinoa

( para 4 pessoas)

  • 1 chávena de sementes de quinoa
  • 2 chávenas de água a ferver
  • sal q.b.

 

Preparação

Colocar a água num tacho, deixar e ferver, temperar de sal e adicionar a quinoa. Cozer durante 12 minutos ou esperar que a água evapore, tal como acontece com o arroz.

Nota: Em breve publicarei a receita dos scones que constam das fotos!

Estufado de borrego em tempo ainda frio

Quando o tempo ainda está frio, como tem acontecido nestes últimos dias, só apetecem pratos de forno ou de panela. Os almoços e os jantares têm sido por isso compostos por pratos de conforto. Este estufado de borrego com pimentos e batatas é um claro exemplo de comida caseira que sacia.  Se gostarem de acompanhar o estufado com uma fatia de pão caseiro, experimentem  colocar a fatia no fundo do prato, posteriormente cobrindo-a com umas boas colheradas de estufado. Transformamos assim o estofado num ensopado!

Não se esqueçam de acompanhar este prato com um copo de vinho tinto.

A assadeira tem a assinatura DeBORLA e é linda!

borrego estufado com batatas_foodwithameaning

Ingredientes

  • 1,2 kg de borrego cortado em pedaços não muito pequenos
  • 200 ml de tomate pelado triturado
  • 1 pimento encarnado
  • água a tapar a carne
  • 2 cebolas grandes cortadas finamente
  • 4 dentes de alho picados
  • 1 folha de louro
  • 250 ml de vinho branco
  • salsa picada q.b.
  • 7 a 8 batatas médias cortadas ao cubos
  • azeite q.b.
  • Sal q.b.
  • Pimenta preta q.b.

Preparação

1. De véspera, deixa-se a marinar o borrego, povilhado com a pimenta, o alho, o louro e salsa.

2. No dia seguinte, coloca-se na panela de pressão azeite, a cebola, o alho e o pimento picados e deixa-se refogar levemente.

3. Juntam-se os pedaços de borrego, o tomate triturado,  o vinho branco e a água. Fecha-se a panela e deixa-se cozinhar cerca de 15 minutos após a válvula da panela de pressão começar a ouvir-se.

4. Abre-se a panela e rectificam-se os temperos.

5. Cozem-se batatas e misturam-se com o estufado de borrego um pouco antes de servir para que absorvam parte do molho. Polvilha-se com salsa picada.

borrego estufado com batatas_foodwithameaning

Um mega post…Em jeito afrodisíaco…

Faz hoje uma semana desde o último workshop DeBorla. O tema, Receitas Afrodisíacas para o Dia dos Namorados, caracterizou-se por ser um grande desafio. De entre os workshops que realizei na loja da Terceira, este excedeu sobremaneira todas as expetativas em muitos aspetos.  As receitas foram sendo confecionadas ao longo da tarde entre  sabores, aromas, explicações e boa-disposição. A loiça da loja concorreu, sem dúvida, para o embelezamento das sugestões apresentadas.

Venham então comigo nesta viagem!

food blogger Patrícia Cheio

Diapositivo21

foodwithameaning

foodwithameaning

 

menu afrodisíaco_foodwithameaning

 

 

 

Entradas

Paté de Veado 

paté de veado

Inicialmente, iria servir o paté de veado como topping de crostini (fatias de baguete fininhas torradas no forno, pinceladas com azeite e salpicadas de pimenta). Resolvi simplificar a entrada e utilizei breadsticks (gressinos) de pão, de compra,  para acompanhar com o paté.

Para o paté irão necessitar de uma embalagem de paté de veado Quinta dos Jugais, com 100 g, de mini-tostas, de 100 g de queijo creme, uma colher de chá de sumo de limão ou um toque de raspa de limão. Misturem todos os ingredientes até se obter a consistência desejada. Decorem com germinados de alho-francês, da Verde Vivo.

(Poderão encontrar o paté de veado na loja Raminho de Salsa, no Mercado Duque de Bragança)

 

Figos Secos com Queijo de Cabra Curado, Mel e Nozes

figos

Diapositivo15

 

Prato de Peixe

Camarão com Algas, Leite de Côco e Caril

Diapositivo25

Camarão com Algas

Ingredientes

  • 1 caixa de camarão ou de gambas
  • 1 lata de leite de côco
  • caril
  • algas (Tok de mar)
  • manteiga
  • azeite
  • 1 cabeça de alho
  • Piri-piri
  • Sumo de meio limão
  • sal

Preparação

Retira-se o camarão do congelador e deixa-se descongelar num recipiente com água. Escorre-se muito bem. Numa tigela, colocam-se as algas, que se tapam com água para que hidratem. Numa frigideira grande, de paella, colocam-se dentes de alho esmagados, pedaços de manteiga, um pouco de azeite e piri-piri fresco. Quando a manteiga começar a derreter, vai-se adicionando o camarão até cobrir o fundo da frigideira. Deixa-se fritar de um lado e do outro. Reservam-se os camarões numa travessa. Verte-se por cima destes o sumo de meio limão. Na mesma frigideira, verte-se o leite de côco, tempera-se com sal e juntam-se as algas hidratadas e todos os camarões, envolvendo-os no molho. Deixa-se o molho apurar e serve-se de imediato com arroz branco ou marroquino (ver receita – acompanhamentos)

(Poderão encontrar as algas à venda na loja Raminho de Salsa, no Mercado Duque de Bragança)

(Decoração com germinados de alho-francês Verde Vivo)

Acompanhamento do Prato de Peixe

Arroz Marroquino

Arroz Marroquino

Ingredientes

  • 1 chávena de arroz (vaporizado ou basmati)
  • 2 chávenas de água
  • 2 dentes de alho
  • 1 pau de canela (que retirei após cozinhado)
  • 1 cravinho
  • 2 folhas de hortelã (que retirei posteriormente)
  • 1 punhado de sultanas
  • 1 punhado de cajus (não coloquei)
  • 1 colher de sopa de manteiga
  • sal

Preparação

Faz-se um refogado com o alho em manteiga. Colocam-se as sultanas até ficarem inchadas e luzidias. Adiciona-se o arroz e os restantes ingredientes. Envolve-se com a colher de pau por instantes. Junta-se a água e deixa-se cozinhar.

Prato de Carne

Rolinhos de Porco com Morcela com Torre de Batata-Doce e Ananás caramelizado

Rolinhos de Porco com Morcela

Diapositivo6

Ingredientes

  • Bifanas de porco
  • Morcela
  • Bacon laminado
  • Azeite
  • Chutney de damasco e tâmaras
  • Germinados para decorar

Preparação

Pré-aqueça o seu forno a 160ºC de temperatura. Tempere as bifanas com sal, alho em pó e pimenta. Recheie-as com morcela sem pele. Envolva-as em tiras de bacon e ate-as com fio de cozinha, para não perderem a forma. Numa frigideira de fundo anti-aderente, aqueça um fio de azeite e junte ainda algumas tiras de bacon, para largarem gordura. Nessa gordura, junte os rolinhos e deixe-os dourar bem, de ambos os lados, antes de os levar ao forno para acabarem de cozinhar por uns vinte minutos. Poderá optar por fazer um rolo maior e levar diretamente ao forno, sem passar na frigideira. Sendo assim, terá de aumentar o tempo de cozedura para 45 a 60 minutos. Retire os fios e fatie os rolinhos. Acompanhe com batata-doce e ananás caramelizado e chutney de damasco e tâmaras.

Batata-Doce com Ananás Caramelizado

batata-doce com ananás caramelizado

Ingredientes

  • 4 ou 5 batatas-doces pequenas
  • 1 lata de ananás em calda
  • Calda do ananás
  • Açúcar mascavado

Coze-se a batata-doce com casca em água e sal. Retira-se a pele e corta-se às rodelas. Cortam-se em pedaços as rodelas de ananás. Numa assadeira, dispõem-se as rodelas de batata, intercaladas com pedaços de ananás. Verte-se a calda do ananás e polvilha-se com açúcar mascavado a gosto. Leva-se ao forno até que a batata absorva o molho.

Chutney de damasco e tâmaras (canto inferior direito)

Chutney de damasco com tâmaras

1.Pique dois dentes de alhos, 10 g de gengibre e 1 cebola.

2. Coloque 20 ml de água quente numa panela e junte 200 g de açúcar. 3. Adicione 100 ml de vinagre, os damascos- 300 g -, previamente hidratados durante 30 minutos em vinho do porto, e as tâmaras – 300 g – cortados em cubinhos.
4. Tempere com uma colher de chá de sal, pimenta preta e ½ colher de chá de açafrão das índias. Cozinhe em lume brando durante 1 hora ou até fazer ponto de estrada.
5. Deite o chutney em frascos esterilizados e guarde num local escuro e seco 1 a 2 meses antes de consumir.

 

Salada Baby-Leaf com tangerina, sementes de girassol e de abóbora tostadas e amêndoa laminada

Salada Baby-Leaf com clementina, sementes de sésamo e amêndoa laminada

Salada Baby-Leaf com clementina, sementes de sésamo e amêndoa laminada

Ingredientes

  • Mistura de folhas para saladas (alface, rúcula, agrião, acelga…)
  • Gomos de tangerina
  • Amêndoa laminada tostada
  • Sementes de girassol e de abóbora tostadas
  • Orégãos secos
  • Azeite
  • Sumo de limão
  • mel

Disponha numa saladeira a mistura de folhas para saladas Descasque gomos de tangerina e adicione. Termine com amêndoas torradas e as sementes tostadas e  regue com um molho de azeite, sumo de limão e mel. Polvilhe a salada com orégãos secos.

 

Trio de chocolate, morangos e marshmallows

Diapositivo11

Ingredientes

  • Morangos
  • Marshmallows
  • Chocolate de culinária

Lavam-se os morangos sem retirar o pé. Secam-se. Num pau de espetada, enfia-se primeiro um morango, depois um marshmallow, novamente um morango, um marshmallow e termina-se com um morango. Leva-se o chocolate a derreter (em banho-maria ou no micro-ondas desenham-se fios de chocolate por cima das espetadas.

Corações de chocolate e rebuçado de menta

Corações de chocolate e rebuçado de menta

Ingredientes

  • Mini-guarda-chuvas de menta
  • Chocolate branco, de leite ou negro
  • Pau de espetada
  • Papel vegetal

Preparação

Partir o chocolate aos pedaços e coloca-lo numa taça de vidro. Derreter em banho-maria ou no micro-ondas em sessões de 30 segundos, mexendo sempre entre cada sessão.

Dispor dois guarda-chuvas de rebuçado de menta em cima de uma folha de papel vegetal em formato de coração. Colocar no meio o pau de espetada e encher o centro com o chocolate derretido. Levar ao frigorífico até solidificar

 

Sobremesas

Flores de massa filo com morangos, creme inglês e topping de chocolate

Flores de massa filo com morangos, creme inglês e topping de chocolate

Ingredientes

  • 1 embalagem de massa filo com 4 folhas
  • Morangos
  • 500 ml de leite
  • 2 ovos
  • 50 g de açúcar (coloquei 80 g)
  • 15 g de amido de milho (maizena)
  • manteiga derretida para pincelar

Preparação

Cortei quadradinhos de massa filo com tamanho suficiente para caberem em forminhas de alumínio, ficando as pontinhas levantadas. Pincelei as forminhas e cada quadradinho de massa filo com manteiga. Coloquei em cada forminha 3 folhas alternadas, tendo o cuidado de desencontrar as respetivas pontas para conferir o efeito de flor. Levei ao forno as forminhas com a massa cerca de 5 minutos em forno previamente aquecido. É importante não deixar tostar muito.Aroma de baunilha ou vagem de baunilha.

Retirei as flores do forno e deixei arrefecer. Fiz o creme inglês, colocandotodos os ingredientes no copo da Bimby e programei 6 Min/90º/Vel.4

Creme Inglês Tradicional
Verte-se o leite num tacho, deixando de reserva ½ copo. Deita-se o açúcar no tacho e a vagem de baunilha. Fica a levantar fervura. Sai do lume e elimina-se a vagem de baunilha. Coloca-se as gemas num recipiente, mistura-se a maizena e dissolve-se o creme resultante com o leite frio reservado. Passa-se por um coador o leite fervido e verte-se, gradualmente, sobre o creme obtido, batendo energicamente. Leva-se o creme ao lume no mesmo tacho onde se ferveu o leite e cozinha-se, mexendo continuamente, até o creme chegar ao ponto de ebulição. O creme não deve levantar fervura. Fica pronto ao espessar.

Deixei arrefecer e depois coloquei o creme no frigorífico.

Na hora de servir, retirei o creme do frigorífico e coloquei duas colheres de sopa de creme bem cheias em cada flor de massa filo. Decorei com morangos cortados aos pedacinhos. Poderá ainda adicionar um coulis de morango ou compota de morango antes de decorar com os morangos e com os germinados de alfafa Verde Vivo.

Sobremesas Flores de massa filo com morangos, creme inglês e topping de chocolate

Se desejarem ver o álbum de fotografias completo, cliquem no link abaixo.

https://www.facebook.com/patricia.foodwithameaning/media_set?set=a.775761755889221.1073741851.100003662128130&type=3&pnref=story