Terrine de Polvo…em parceria com a Peixaria Silveira

As ilhas dos Açores são conhecidas não só pelas belezas naturais mas também pelos seus queijos, vinhos e gastronomia diversificada: desde aos pratos de carne, de peixe, terminando na doçaria, alguma dela conventual e de renome. Neste âmbito, apresento a nova parceria do blogue, que não podia ser mais genuína e açoriana. A partir de hoje, os pratos de peixe e marisco terão também o selo da Peixaria Silveira, onde está ao dispor de cada cliente um oceano de escolhas e a garantia de frescura nos seus produtos. E por que não começarmos esta caminhada com um prato de polvo em terrine?

7

2

Ingredientes para o polvo

  • Polvo (cozido) 1,8 kg
  • Cebola  1 unidade
  • folha de louro
  • 1 malagueta (piri-piri)

Preparação da terrine de polvo

Deixe que o polvo descongele totalmente. Coloque água numa panela. Junte uma cebola cortada em 4 partes, dois dentes de alho, a pimenta e a folha de louro. Não tempere com sal. Deixe que a água comece a ferver. Não tape a panela. De seguida, pegue no polvo pela cabeça e introduza-o na água, segurando sempre a cabeça. Retire-o e introduza-o novamente. Faça isso mais uma vez. Tape a panela e deixe que o polvo coza. Com uma faca e um garfo, vá experimentando a consistência do polvo. Se optar pela panela de pressão, assim que a válvula começar a chiar, conte 20 minutos, desligue o lume e destape a panela. A estrutura fibrosa do polvo depende muito de onde é originário.
Escorra o polvo e corte-o separando os tentáculos.Disponha os tentáculos de polvo numa terrine rectangular forrada com película aderente. Pressione a terrine de modo a que esta fique compactada. Leve ao frio no mínimo quatro horas para ficar consistente. Coloque algum peso em cima, se necessário.Retire a terrine do frio e confirme se está bem gelificada, retire a película aderente  e desenforme para uma travessa. Sirva laminada acompanhada do molho verde descrito abaixo.

Molho cru ou verde

  • azeite 3/4 de medida
  • vinagre de vinho tinto 1/4
  • 2 cebolas roxa pequenas
  • cebolinho
  • 4 dentes de alho
  • salsa
  • 1 colheres de chá de massa de malagueta
  • 1 colher de chá rasa de pimentão doce fumado(colorau)
  • 1 colher de café de açafroa
  • pimenta preta q.b.
  • umas pedrinhas de sal

Preparação do molho verde

Coloque numa tigela 3/4 de medida de azeite e 1/4 de vinagre de vinho. Junte duas cebolas roxas pequenas e quatro dentes de alhos picados, 1 colher de chá de massa de malagueta e outra de pimentão doce fumado, 1 colher de café de açafroa, pimenta preta q.b.

9

1

11

5

Xarope de Cenoura…uma receita de antigamente

Sempre que possível, é preferível utilizarmos remédios caseiros do que  remédios químicos, que contêm algumas  contra-indicações. Os medicamentos naturais nem sempre estão livres de causar sintomas indesejados, mas com certeza, é bem mais raro acontecer isso com remédios caseiros já que na maioria das vezes nestes são utilizadas  frutas, legumes, hortaliças ou ervas, que dificilmente farão algum mal à saúde quando utilizadas com moderação. É o caso da receita de hoje, um xarope de cenoura, do tempo dos nossos avós, indicado para a tosse e expectoração. A cenoura possui diversas propriedades medicinais. Essa hortaliça é rica em vitamina A, que atua como antioxidante, além de melhorar o aspecto da pele, cabelos e mucosas. Ela também possui quantidades significativas de sais minerais, como fósforo, cloro, potássio, cálcio e sódio, bem como vitaminas do complexo B. Devido a essas substâncias, a cenoura é tida como antisséptica, antibacteriana, cicatrizante e diurética. É importante lembrar que se os sintomas não desaparecem após o uso do xarope, é aconselhável que se procure um médico para fazer uma avaliação do caso. Casos avançados de problemas respiratórios podem não se resolver com o xarope de cenoura.

IMG_1725-iloveimg-converted (1)

Ingredientes

  • 1 Cenoura
  • 2 colheres de sopa de açúcar, mascavado de preferência 

Poderá ainda adicionar

  • umas gotas de limão
  • 1 pedaço do tamanho de um dedo de gengibre descascado ralado

Preparação

Corte a cenoura em rodelas finas  e polvilhe com o açúcar.Poderá também adicionar limão e o gengibre ralado.
Deixe repousar durante, pelo menos, uma hora, até formar uma calda (o ideal são 3 horas). Dê uma colher de chá de manha e à noite ou vá tomando ao longo do dia quando estiver com mais tosse. Poderá também comer a cenoura.

IMG_1707-iloveimg-converted

OUTRA RECEITA, desta vez com a cenoura triturada e mel.

Ingredientes

  • 4 cenouras grandes
  • 1 chávena (chá) de mel

Preparação

Descasque as cenouras e corte em pedaços médios para colocar no liquidificador. Bata as cenouras no liquidificador com um pouco de água até  se formar uma pasta. Depois utilize um pano limpo para coar o sumo da cenoura. Aperte bem o pano para conseguir a maior quantidade de sumo. Em seguida, misture esse sumo com o mel e leve ao lume. Deixe ferver até que a mistura fique grossa, semelhante a um xarope.

As crianças devem tomar 1 colher (sopa) do xarope 3 vezes ao dia. Para os adultos, recomenda-se 2 colheres (sopa) também 3 vezes ao dia. O xarope pode ser usado enquanto persistir a tosse, e sempre que for preciso, pode-se fazer a receita novamente e utilizar o remédio caseiro.

Contraindicação

Esse xarope não deve ser usado em crianças menores de 1 ano de idade, por conter mel  O mel, normalmente contém uma bactéria chamada Clostridium botulinium, que causa uma intoxicação chamada de botulismo. Essa bactéria é eliminada pelo intestino dos adultos e crianças maiores de 1 ano. Porém, nos bebês, o sistema gastrintestinal ainda não está totalmente desenvolvido, ficando exposto à contaminação. O botulismo pode causar tremores, dificuldade de deglutição, moleza no corpo e falta de apetite. Em casos mais graves, há o risco de insuficiência respiratória e de complicações neurológicas

fontes das receitas: aqui e aqui
.

Salada de Millet com roti de peru, hortelã e amêndoa torrada

Sabia que…

O millet é um cereal especialmente importante para as terras estéreis, uma vez que necessita de um baixo teor de água para ser cultivado, germinando, assim, nestes solos?

E sabia que a partir dos grãos de millet é produzido pão, mingau, malte e cerveja?

O millet classifica-se como um cereal secundário. É originário dos continentes Africano e Asiático, tendo sido dos primeiros cereais a ser cultivados, há 6000 anos. Assim, é um alimento mais antigo do que o arroz. É um cereal isento de glúten e apresenta alto teor de fibra, vitamina B1 (tiamina), ácido fólico, fósforo e magnésio. É ainda fonte de ferro, zinco e das vitaminas B6 e B2.

Por estas tão válidas razões, nós devemos passar a considerar o millet na nossa dieta diária, como acompanhamento de pratos de carne ou peixe, ou até mesmo inserido numa solução vegetariana e vegana.

Nesta salada de hoje, o millet é prato principal.

Salada de Millet com Roti de Peru, Hortelã e Amêndoa torrada

salada de millet, peru, hortelã e amêndoa com pétalas de cravo

IMG_1826

Ingredientes

  • 1 chávena de millet (milho painço)
  • 3 cebolos (pé de cebola antes de formar o bolbo)
  • ¼ chávena de salsa picada
  • 2 colheres de sopa de hortelã picada
  • 2 ovos cozidos
  • roti* de peru assado ou peru cozido desfiado
  • ¼ de chávena de amêndoas torradas e cortadas em lascas
  • ¼ chávena de azeite
  • ¼ chávena de sumo de limão
  • Sal e pimenta
  • 2 colheres de sopa de cebolinho picado

* adquirido no hipermercado Continente (peça já temperada)

(Ligue o forno a (190ºC). Coloque o roti num tabuleiro, salpique sal marinho e regue com azeite, duas colheres de sopa de molho inglês e outras duas de molho de soja.
Leve ao forno cerca de 1 hora, virando a carne e regando de vez em quando com o próprio molho)

Preparação

Lave o millet e cozinhe-o com o triplo da água durante trinta minutos. Escorra bem. Apare os cebolos e corte-os em fatias finas. Misture o millet, o peru assado cortado aos pedacinhos, os cebolos finamente cortados, a salsa e a hortelã. Descasque os ovos e corte-os em pedacinhos. Junte as amêndoas. Num frasco, misture o azeite com o sumo de limão. Deite sobre a salada e misture bem, até obter uma solução uniforme. Guarneça com cebolinho picado e flores comestíveis (usei cravina) Sirva simples, com pão pita ou como recheio de tortilhas.

Flores provenientes da Quinta do Ti Canoa.

1234995_238160852999941_1251482550_n

 

 

Workshop ‘Saladas Alternativas’

A convite da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, no próximo dia 11 de março, sábado, pelas 16 horas, estarei presente na Feira da Mulher, na Praça-Velha, a dinamizar um workshop dedicado  às Saladas Alternativas.

A entrada é livre.

Venham aprender a fazer saladas diferentes das habituais, com direito a prova de degustação, claro!

programa

Bolo mármore…um clássico

São diversas as razões que nos levam a fazer um bolo. Quando se avizinham aniversários, quando sabemos que vamos receber visitas, quando temos uma receita nova e estamos ansiosos para a experimentar, quando se aproxima o fim de semana e merecemos um docinho,  porque temos uma forma de bolo nova para estrear, ou simplesmente porque apetece. E o “porque apetece” foi o motivo desta receita. Adaptei a receita de bolo mármore de chocolate e baunilha, da Patrícia Nascimento, do blogue Coco e Baunilha, e garanto-vos que este bolinho não sobreviveu às primeiras vinte e quatro horas!

1

2

Bolo mármore de chocolate e baunilha

Ingredientes

  • 250g de farinha c/ fermento
  • 1 c. (café) de bicarbonato de sódio
  • 1/2 c. (café) de sal
  • 170g de manteiga amolecida
  • 200g de açúcar
  • 4 ovos
  • 1 c. (chá) de pasta de baunilha ou extracto
  • 160g de crème fraîche
  • 120g de chocolate preto, derretido


Preparação

Untar com manteiga uma forma de bolo e polvilhar com farinha.
Numa taça, misturar a farinha com o sal e o bicarbonato e peneirar a mesma. Reservar.
Thermomix-Bimby: Bater a manteiga (amolecida), o açúcar e a pasta de baunilha (ou sementes raspadas) durante  4 minutos na vel. 3, até obter um creme esbranquiçado e fofo. Adicionar os ovos, um de cada vez e bater 1min/vel. 3 por cada ovo. Por fim, alternar entre a farinha e o crème fraîche e misturar uns segundos na vel.3.
Tradicional: Bater a manteiga (amolecida), o açúcar e a pasta de baunilha (ou sementes raspadas) durante  4 minutos em velocidade média, até obter um creme esbranquiçado e fofo. Adicionar os ovos a velocidade baixa, um de cada vez. Por fim alternar entre a farinha e o crème fraîche e misturar delicadamente até ficar homogéneo.
Dividir a massa em 2 partes iguais. Numa delas juntar o chocolate derretido (arrefecido) e misturar com uma espátula. Deitar um pouco de massa de baunilha na forma e de seguida de chocolate. Continuar alternado as massas. No final, passar um palito comprido no meio, ao longo do sentido do comprimento. Levar ao forno cerca de 45 min. ou até estar cozido. (testar com um palito). Deixar arrefecer um pouco e desenformar em cima de uma grelha.
Decore com açúcar em pó.
4
3
receita adaptada daqui

Cheesecake de menta…Dia Um…Na Cozinha

1

logotipo-dia-um-na-cozinha-marco-de-2017

O Dia Um…Na Cozinha é desde o seu início um desafio no qual gosto de participar. O tema deste mês de março elege os cheesecakes de forno. Na realidade o Cheesecake é um bolo de queijo assado no forno que  embora tenha tido origem na Grécia  foi acarinhado pelos Estados Unidos, tornando-se num doce nacional composto pelos mais diversos sabores: de limão com merengue, de frutos vermelhos e silvestres frescos, de frutos secos e caramelo salgado, de manteiga de amendoim e pepitas de chocolate,   de doce de leite, etc.

Os bolos de queijo tradicionais são constituídos por uma base de bolacha, recheio com queijo e uma cobertura de fruta, apesar de existirem inúmeras variações.
Segundo a Isabel Fernandes, uma das dinamizadoras da iniciativa Dia Um…Na Cozinha, há evidências de que o cheesecake “era servido aos atletas durante os Jogos Olímpicos da Grécia Antiga porque a receita era considerada uma boa fonte de energia. Também era muita usada pelas noivas gregas como bolo de casamento (…). A receita grega genuína era feita de farinha de trigo, mel e queijo, que eram bem misturados, formando uma massa de bolo. A massa era cozida para ganhar consistência sólida. Depois, era servido frio.”

2

Este bolo de queijo é particularmente diferente dos comuns porque nele foi utilizado queijos com menor índice de gordura, como o queijo quark e o ricotta, por ser de menta, o que não é muito vulgar, e por ter sido cozido em banho-maria. Por norma, uso o queijo-creme (Philadelphia), mas adorei este resultado que em nada altera a textura e em pouco diverge no sabor. Este cheesecake de menta foi mesmo uma surpresa muito agradável.

6

4

Cheesecake de Menta

Ingredientes para a base

  • 100 g de bolacha digestiva
  • 50 g de manteiga
  • licor de amora q.b. (1 cálice)

Ingredientes para o recheio

  • 400 g de queijo quark
  • 200 g de queijo ricotta
  • 1 pacote de natas (200ml)
  • 3 ovos
  • 150 g de açúcar granulado
  • 3 colheres de sopa de xarope de menta (marca Teisserie)
  • 1 colher de sopa de aroma de baunilha
  • 1 colher de sopa (bem cheia) de amido de milho (maizena)

Ingrediente para a cobertura

  • chocolates de menta (usei After-Eight)

Preparação

Pré- aqueça o forno a 180ºC.

Com recurso a uma picadora ou a um robô de cozinha tritura-se a bolacha e mistura-se a manteiga amolecida e o licor até se obter uma consistência de crumble.

Unta-se uma forma de aro amovível (22 cm) com manteiga e forra-se a base com este preparado.

Leva-se ao forno cerca de 20 minutos. Deixa-se arrefecer ligeiramente.

Numa tigela, batem-se os ovos com o açúcar.

Adicionam-se os queijos quark e ricotta e as natas. Bate-se novamente muito bem.

Por fim, junta-se a maizena, dissolvida num pouco do preparado numa tigela à parte, e os aroma de menta e baunilha. Bate-se outra vez.

Verte-se este preparado por cima da bolacha.

Forra-se a forma do cheesecake com folhas de papel de alumínio.

Coloca-se a forma forrada com o cheesecake dentro de um tabuleiro retangular, que se enche até meio da forma com água a ferver, e leva-se o cheesecake a cozer em banho-maria, a 180 ºC cerca de 60 minutos. Retira-se e deixa-se arrefecer.

Nota. Poderá também cozer-se o cheesecake de forma tradicional, mas o vapor emanado da água do tabuleiro concorre para a consistência cremosa do cheesecake, evitando também que rache na hora de desenformar.

Coloca-se no frigorífico até o cheesecake estar bem fresquinho.

Antes de servir, cobre-se o cheesecake com chocolates de menta.

3