Sandes de Paiola com Ameixa

Desde que dinamizei um workshop na loja Raminho de Salsa, no mercado Duque de Bragança, aqui em Angra do Heroísmo, fiquei fã de muitos dos produtos da loja, dos quais destaco a paiola.  A Paiola é um enchido típico português confeccionado com carne de suíno sem gordura, podendo esta ser da pá, do cachaço ou da perna. A carne é cortada em pedaços grandes e depois condimentada com sal, alho, vinho tinto, antes de maturar durante cerca de 48 horas. Após esse período, é novamente temperada com vinho tinto, pimentão doce, massa de pimentão e louro. Em seguida, é feito com esta carne temperada o enchimento do ceco do porco, que é o invólucro utilizado neste enchido. Repousa durante 24 horas, antes de passar às fases de fumeiro. Passa por três fases de fumeiro: apenas calor, fumo com lenha de azevinho e secagem com temperatura e humidade controladas. A paiola apresenta uma forma ovalada ou arredondada, de aspeto irregular e coloração castanha avermelhada. O comprimento varia entre os 10 e os 20 cm, podendo o diâmetro também variar entre os 30 e os 40 cm. Apresenta pesos entre os 500 g e 1 kg. O recheio apresenta-se sob a forma de uma massa ligada uniformemente, sendo o seu sabor intenso a vinho, massa de pimentão e alho. Deve ser armazenada em local fresco e seco, podendo ser consumida crua. Deve ser cortada em rodelas finas, consumida de forma simples como aperitivo ou com pão.

Ontem, apesar do dia estar chuvoso e frio, decidi fazer compras no comércio tradicional. Devido ao facto de ser segunda-feira de Páscoa, as ruas estavam quase desertas assim tal como o mercado municipal. Entrei na loja Raminho de Salsa e, enquanto solicitei que a funcionária fatiasse a paiola, circulei pela loja para espreitar as novidades e as promoções. (meninas participantes dos meus workshops, as algas estão em promoção!!! Aproveitem!). De facto, a loja apresenta uma grande variedade de produtos que fazem prendas deliciosas. Já tinha visto na página do facebook da loja o ketchup de ameixa, da marca Groselha Espim, mas assim ao vivo não resisti e lá o trouxe, ávida de o experimentar e de futuramente o aplicar em receitas. Sem mais delongas, ao chegar a casa, e ainda dentro da hora do lanche, preparei umas sandes com pão rústico, com um toque de manteiga, com a paiola fatiada e com umas gotas de ketchup de ameixa que segundo a constituição do produto acaba por ser um chutney bastante complexo em sabor e textura.

Ora vejam como estão bonitas as sandes nestas tábuas Gradirripas!

sandes de paiola e ameixasandes de paiola e ameixasandes de paiola e ameixa

Hoje a receita é muito fácil:

  1. Fatiem pão rústico ou comprem-no já fatiado
  2. Barrem o pão toscamente com manteiga
  3. Disponham as fatias de paiola
  4. Terminem com umas gotas de ketchup de ameixa rainha-cláudia.

sandes de paiola e ameixa

sandes de paiola e ameixa

sandes de paiola e ameixa

sandes de paiola e ameixa

Anúncios

Um dos Pudins desta Páscoa

Este pudim foi uma das sobremesas do nosso almoço de Páscoa. O facto de poder ser confecionado de véspera facilita imenso a gestão das receitas que terão de ser efetivamente elaboradas no próprio dia da festa. Caracteriza-se por ser uma sobremesa em camadas, muito parecida ao bolo de bolacha, mas desta vez na versão pudim com amêndoa torrada incorporada e decoração alusiva à Páscoa.

Pudim de Café com Amêndoa e Chocolate
Pudim de Café, Bolacha e Chocolate

Pudim de Café, Bolacha e Chocolate

Ingredientes

2 pacotes de natas (400 ml)- Novaçores

2 pacotes de bolacha Maria

100 g de miolo de amêndoa triturado e torrado

1 lata de leite condensado cozido

2 cálices de licor de café

2 chávenas de chá de café expresso

200 g de chocolate de leite com amêndoas para os ovos

chocolate branco  e chocolate negro (decoração)

 

Preparação

0. Torra-se a amêndoa no forno ou numa frigideira anti-aderente. Deixa-se arrefecer totalmente.

1. Batem-se dois pacotes de natas até estarem consistentes.

2. Junta-se o leite condensado cozido e bate-se novamente.

3. Adiciona-se o licor de café. Bate-se.

4. Faz-se o café expresso, uma chávena de chá cheia de cada vez.

5. Molham-se as bolachas de um lado e do outro no café rapidamente para que não fiquem moles. Colocam-se a escorrer num prato.

6. Coloca-se um pouco de creme no fundo de uma taça alta. Em cima do creme dispõem-se as bolachas escorridas e cobre-se com mais uma camada de creme. Faz-se o mesmo até se esgotarem as bolachas e o creme. Entre camadas, dispõem-se as amêndoas torradas.

7. Derrete-se o chocolate de leite e amêndoas em banho-maria ou no micro-ondas em períodos de 30 segundos, mexendo entre sessões. Coloca-se em formas de silicone com o feitio de metades de ovos de páscoa. Vai ao frigorífico cerca de uma hora, no mínimo.

8. Decora-se o pudim com com raspas e pedaços de chocolate negro e branco. Termina-se com os ovos de chocolate confecionados e com mais raspas de chocolate branco.

9. Vai ao frigorífico um mínimo de 6 horas antes de servir.

Pudim de Café, Bolacha e Chocolate

Pudim de Café, Bolacha e Chocolate

Hot Cross Buns

O “Sweet World” é um passatempo proposto por duas meninas, a Lia, do blogue Lemon & Vanilla, e a Susana, do Basta Cheio. A 1ª edição começou no Reino Unido com o Queen of Puddings e a 2ª edição levou-nos até à América para confecionarmos  o Brooklyn Blackout Cake, simplesmente o melhor bolo de chocolate do mundo, como poderão constatar no meu post anterior. Nesta 3ª edição do Sweet World, voltamos ao Reino Unido para festejar a época da Páscoa com dois clássicos britânicos: os Hot Cross Buns e o Simnel Cake. Eu optei pela confeção dos HotCross Buns, uns pãezinhos adoçicados a fazer lembrar o nosso folar doce e o panetone italiano.

As cocottes têm a assinatura DeBORLA e são um mimo, não acham? Eu não consegui resistir-lhes!

As Easter Crackers, que anunciam Joy and Peace, foram uma oferta que guardo com muito carinho. Obrigada D. Cá estão elas, reborn!

Hot Cross Buns_foodwithameaning

 

A Lia inspirou-se neste post e relata-nos factos e curiosidades sobre os Hot Cross Buns, que passo a transcrever:
“O tradicional Hot Cross Bun é composto por bolinhas de massa lêveda e doce, cuja composição engloba especiarias e frutos secos, nomeadamente, passas de uva e groselhas secas. As bolinhas são decoradas com uma cruz no topo. Hoje em dia, é possível encontrar Hot Cross Buns à venda em supermercados o ano todo, enquanto que em tempos remotos, estas bolinhas eram consumidas apenas e unicamente na 6ª feira Santa. As origens da cruz no topo das bolinhas, remetem a um monge no Século XII. Reza a história que no Século XII, um monge Anglicano, terá confeccionado os Hot cross Buns, tendo-os marcado com uma cruz no topo, em homenagem à 6ª feira Santa. Os ditos bolinhos foram-se tornando populares e ganhado fama, especialmente durante o reinado da rainha Elizabeth I e tornaram-se num símbolo da Páscoa. Estavam a tornar-se tão comuns e corriqueiras que, nos finais do Século XVI, a Rainha Elizabeth I emitiu uma lei proibindo a venda ou confecção dos Hot Cross Buns, a não ser que fossem confeccionados especificamente para serem consumidos em funerais, Natal e 6ª feira Santa.
Aparentemente, os britânicos, sendo um povo muito supersticioso, acreditavam que os Hot Cross Buns tinham propriedades medicinais e mágicas e receavam que esses poderes estivessem a ser abusados e vulgarizados. Era tal a crença que, alguns chegaram mesmo a acreditar que os Buns confeccionados na 6ª feira Santa, nunca ficariam duros. Por forma a contornar a Lei instituída pela rainha Elizabeth I, estes bolinhos começaram a ser cada vez mais confeccionado (secretamente) em casas particulares, o que fez com que a Lei fosse difícil de manter e, eventualmente, tivesse de ser banida. Existem várias histórias que relatam que, supersticiosamente, os Hot Cross Buns só eram confeccionados na altura da Páscoa. Há uma lenda que diz que os Hot Cross Buns confeccionados numa 6ª feira Santa e pendurados dentro de casa, espantariam os espíritos malignos até à próxima 6ª feira Santa. Outra lenda diz que, confeccionados nesse dia (6ª feira Santa), os Hot Cross Buns protegeriam os barcos de naufragar. Outra das lendas diz que, partilhar um Hot Cross Bun com um ente querido na 6ª feira Santa, protegeria a amizade entre essas duas pessoas durante o ano seguinte.”

Hot Cross Buns_foodwithameaning

Hot Cross Buns_foodwithameaning

Hot Cross Buns_foodwithameaning

Estão preparados para meter as mãos na massa?

Hot Cross Buns_foodwithameaning

Hot Cross Buns
Ingredientes (para 10 a 12 porções)
  • 1 colher chá de filamentos de açafrão
  • 3 colheres sopa de água a ferver
  • 500g farinha de trigo branca para pão + extra para polvilhar
  • 1/2 colher chá bem cheia de sal fino
  • 75g açúcar refinado branco
  • 10g fermento de padeiro seco
  • 175ml leite gordo, aquecido
  • 2 ovos médios (de preferência biológicos), ligeiramente batidos
  • 75g manteiga com sal, amolecida + extra para untar a forma
  • óleo de girassol, para untar a taça
  • 75g de cada: groselhas secas, passas e casca de citrinos cristalizadas e picadas (eu só usei sultanas, tâmaras e ameixa seca).
clotted cream, para servir (poderão servir com créme fraîche)
Preparação:
  • Aquecer uma frigideira pequena sobre lume médio a alto.
  • Colocar os filamentos de açafrão na frigideira e aquecer por uns segundos, movendo-os, até que estes estejam ligeiramente tostados.
  • Colocar os filamentos de açafrão num almofariz, deixámos arrefecer um pouco e depois, reduzi-los a um pó fino.
  • Adicionar as 3 colheres de sopa de água a ferver e reservar.
  • Numa taça, peneirar a farinha, o fermento, o sal e o açúcar.
  • Fazer um buraco no centro da mistura e adicionar a água do açafrão, o leite morno, os ovos e os 75g de manteiga.
  • Misturar tudo muito bem com as pontas dos dedos, até tudo estar bem combinado e tiver obtido uma massa pegajosa, mas que não esteja demasiado molhada.
  • Colocar a massa sobre uma bancada ligeiramente polvilhada com farinha e amassar por cerca de 10 minutos, ou até obter uma massa sedosa e macia.
  • Colocar a massa numa taça untada com óleo, tapar com película aderente e deixar levedar por cerca de 1 hora e meia a 2 horas, ou até esta ter duplicado de tamanho.
  • Voltar a colocar a massa sobre uma superfície enfarinhada e amassar, retirando-lhe o ar.
  • Polvilhar a massa com metade dos frutos secos e amassar. Polvilhar com os frutos secos restantes e amassar de novo, até tudo estar bem incorporado.
  • Voltar a colocar a massa na taça untada com óleo, voltar a cobrir com película aderente e deixar levedar por mais 1 hora, ou até ter duplicado de volume, num local aquecido e longe de correntes de ar.
  • Entretanto, untar com manteiga e enfarinhar oito cocottes.
  • Depois de levedada, cortar a massa em 8 pedaços idênticos com o topo e a base arredondados.
  • Colocar as oito bolinhas nas cocottes.
  • Deixar levedar em local aquecido, por mais 1 hora.
  • Entretanto e quando virem que a massa está quase a tingir o ponto especificado, pré aquecer o forno a 180°C.
Para as cruzes:
  • 25g farinha de trigo branca
  • 1 colher chá de óleo de girassol
  • 2 a 3 colheres sopa de água fria
Preparação:
  • Misturar todos os ingredientes, por forma a obter uma pasta e colocar essa pasta num saco de pasteleiro equipado com um bico redondo e fininho.
  • Com o saco de pasteleiro, contendo a pasta acima mencionada,  desenhar uma cruz sobre cada bola de massa.
  • Levar ao forno por cerca de 35 a 40 minutos, ou até os buns estarem cozidos e douradinhos.
Para finalizar:
  • 75ml sumo de laranja natural
  • 2 colheres sopa de açúcar refinado branco ou mel claro (eu usei mel)
Preparação:
  • Quando os buns estiverem quase cozidos, levar o sumo de laranja e o açúcar ou mel ao lume e ferver até obter uma mistura com consistência de xarope.
  • Retirar os buns do forno e pincelar toda a superfície com o xarope de laranja.
  • Desenformar e arrefecer sobre uma grelha.
  • Servir em fatias, cobertos com clotted cream ou algo mais ao vosso gosto.

Hot Cross Buns_foodwithameaning

Hot Cross Buns_foodwithameaning

Votos de uma Páscoa Feliz!

Simplesmente o MELHOR bolo de chocolate de SEMPRE…Brooklyn Blackout Cake

Brooklyn Blackout Cake

Brooklyn Blackout cake
Um verdadeiro vício para os fãs de chocolate é como posso caracterizar o Brooklyn Blackout Cake. Para além disso, é para mim o melhor bolo de chocolate de sempre, que destronou por completo o meu bolo pantagruélico, já de si também uma sumidade.
O Brooklyn Blackout Cake é um delicioso bolo em camadas, recheado com um tentador custard (pudim) de chocolate e polvilhado com migalhas do próprio bolo.
A prova está à vista! As gulosas quiseram logo deliciar-se com o pratinho da foto! E foram apanhadas em flagrante delito!
Brooklyn Blackout cake
Aceitei novamente, e com muito gosto, o desafio da Lia e da Susana e, com este bolo,  participo na 2ª edição do nosso “Sweet World“.
A Lia contou assim a sua história:
“Fundada em 1898 por George e Catherine Ebinger, proprietários de uma vasta e popular cadeia de lojas em Brooklyn, a Ebinger Baking Company desenvolveu este clássico americano durante a II Grande Guerra Mundial.
O seu nome deve-se aos apagões que a cidade se viu obrigada a praticar durante aquele que foi, sem dúvida, o período mais conturbado (e eu acrescentaria, vergonhoso) da história da humanidade.
Os apagões eram praticados para que, quando os navios de guerra partiam para as batalhas, não fossem detectados pelos aviões inimigos, sendo que, todas as luzes da cidade se apagavam e todas as janelas eram cobertas com material de cor preta.”
Depois da estória, o bolo sem o blackout (agora a cores)
Brooklyn Blackout Cake
Ingredientes para o recheio e cobertura:
  • 75g Maizena
  • 600ml leite gordo
  • 300g açúcar refinado amarelo
  • 1 colher sopa de golden syrup
  • 100g cacau em pó, peneirado
  • 1 colher chá de extracto de baunilha
  • 100g manteiga sem sal, cortada em cubos
Preparação
Misturar a Maizena com 1/3 do leite e mexer bem até obter uma mistura sedosa.
Num tachinho, mexendo sempre, levar ao lume o restante leite, juntamente com o açúcar, o golden syrup e o cacau, até levantar fervura e a mistura estar cremosa.
Adicionar a mistura da Maizena à mistura anterior, mexendo sempre até obter um custard espesso e cremoso.
Retirar o tacho do lume e adicionar a baunilha e a manteiga, mexendo até a manteiga derreter.
Despejar a mistura numa taça, cobrir a superfície do custard com película aderente e reservar.
Nota: Convém fazer este preparado com umas horas de antecedência para que possa arrefecer completamente.
Para o bolo:
  • 180g manteiga sem sal, cortada em cubos + extra para untar as formas
  • 300g açúcar refinado amarelo
  • 3 ovos médios
  • 1 colher chá de extracto de baunilha
  • 50g cacau em pó
  • 1 colher chá de fermento em pó
  • 1 colher chá de bicarbonato de sódio
  • 280g farinha
  • 200ml leite gordo

Preparação

Aquecer o forno a 190ºC e untar 2 formas de fundo amovível, com 20cm de diâmetro e 5cm de profundidade.
Peneirar os ingredientes secos para uma taça e reservar.
Bater a manteiga com o açúcar, até obter uma mistura cremosa.
Incorporar os ovos, um de cada vez, batendo bem entre cada adição.
Adicionar a baunilha, seguida dos ingredientes secos – metade de cada vez – batendo bem entre adições.
Finalmente adicionar o leite e combinar tudo muito bem.
Dividir a mistura pelas duas formas, alisando as superfícies e levar ao forno por 30 a 40 minutos, ou até que um palito inserido no meio de cada bolo saia limpo.
Retirar os bolos do forno, passar uma faca à volta dos bolos e deixar arrefecer nas próprias formas.
Quando frios, desenformar os bolos e cortá-los ao meio longitudinalmente, ficando assim com 4 discos.
Triturar um dos discos no robot de cozinha, reduzindo-o a migalhas e reservar.
Para montar o bolo, espalhar 1/4 do custard sobre uma das metades do bolo, cobrindo-o com a segunda metade de bolo.
Espalhar mais 1/4 do custard sobre o segundo bolo, cobrindo-o com a terceira metade de bolo.
Espalhar o restante custard por cima e dos lados do bolo todo e cobrir tudo com as migalhas reservadas.
Refrigerar o bolo por algumas horas e retirar do frigorífico cerca de 15 a 30 minutos antes de servir.
Brooklyn Blackout Cake
Uma tentação, não acham?

Bolo de Panquecas com Buttermilk

A primeira refeição do dia devia ser a mais consistente, pois precisamos de energia para enfrentar um novo dia, quer seja este de estudo, de trabalho ou de lazer. Estas panquecas de buttermilk são a minha forma favorita de dar os bons-dias!

O buttermilk é  ingrediente muito usado em bolos, panquecas e outras preparações culinárias. Consiste no tradicional leitelho, ou seja, o soro que resulta da preparação da manteiga ou leite azedado. A versão mais fiel à letra é bater natas gordas até fazer manteiga. O soro que sobrar é o buttermilk.  Alguns supermercados dispõem de preparações industriais de buttermilk. Este pode, no entanto, ser preparado em casa. Para obter o leitelho, adicione a um copo de leite uma colher de sopa de sumo de limão ou vinagre e deixe repousar uns 10 minutos. Outra opção é misturar um iogurte natural não açucarado com uma quarta parte da sua quantidade em leite. Mexa bem e utilize na receita.

Panquecas de buttermilk com topping de banana, ananás e mirtilo caramelizados

panquecas de buttermilk_foodwithameaning

panquecas de buttermilk_foodwithameaning

panquecas de buttermilk_foodwithameaning

Esta receita fez parte do Workshop Spring Brunches realizado este mês na loja DeBORLA da ilha Terceira.

Abaixo, vemos o nosso bolo de panquecas em destaque num prato de bolo lindo, com a assinatura DeBORLA.

bolo de panquecas

bolo de panquecas

Ingredientes para a massa

  • 2 chávenas de farinha
  • 2 colheres de chá de fermento
  • 1 colher de chá de bicarbonato de sódio
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 3 colheres de sopa de açúcar
  • 2 ovos levemente batidos
  • 3 chávenas de buttermilk (3 chávenas de leite com três colheres de sopa de sumo de limão)
  • 4 colheres de sopa de manteiga.

 

  1. Misture os ingredientes secos numa tigela e vá adicionando os ingredientes molhados sem bater demasiado. Podem existir alguns grumos derivados do leitelho (buttermilk)- reação do leite com o limão.
  2. Aqueça a frigideira, unte com óleo e, assim que esta estiver quente, despeje uma concha de massa no centro da frigideira. Quando começarem a aparecer bolhinhas/buraquinhos à superfície a panqueca está pronta a ser virada para cozinhar a outra face.

 

Para o topping, corte bananas ao meio no sentido do comprimento, descasque o ananás/abacaxi e corte-o em fatias com a espessura máxima de um dedo. Numa frigideira, coloque açúcar mascavado, canela e sumo de duas laranjas. Disponha os pedaços de abacaxi e as metades de banana. Polvilhe com mais açúcar mascavado e canela e deixe fervilhar e caramelizar. Antes de retirar, adicione mirtilos. Acompanhe as panquecas com os frutos caramelizados e com o molho ainda morno.

Apaixonada por Finger Food em A Mesa dos 15

Quando organizo uma festa, penso de imediato nos salgadinhos e em receitas de confeção rápida. Por norma, escolho também miniaturas e canapés, porque dispensam que os convivas necessitem de lugar sentado com mesa associada. Costumo reservar uma mesa grande para os salgados e outra mais pequena para o bolo de aniversário e restantes doces. Foi assim os 15 anos do meu filho, numa festa direcionada para a família e amigos mais próximos.

Como poderão ver, através das fotos, foram indispensáveis as tábuas Gradirripas e as ardósias DeBORLA.

Convido-vos então a espreitarem as delícias confecionadas!
FingerfoodFingerfood_foodwithameaningFingerfood_foodwithameaningFingerfood_foodwithameaning Diapositivo5

Nesta última foto, as tábuas Gradirripas receberam o merecido destaque!

Lista das sugestões:

  • Sandes de pasta de queijo de ilha e manteiga
  • Aperitivos de pacote (batatas fritas, tiras-de milho, aperitivos de queijo)
  • Paiola fatiada (poderão adquirir na Loja Raminho de Salsa ( no Mercado Duque de Bragança)
  • Piza de massa fina de bacon, cogumelos e azeitonas
  • Piza de massa fina de chourição, cebola roxa e alcaparras
  • Folhado de queijo-creme com cebola-roxa, bacon e tomate-cereja
  • Folhado de atum com espinafres
  • Brigadeiros de queijo de ovelha com amêndoa em cama de crostini e doce
  • Paté de alheira com azeitonas pretas em cama de mini-tosta
  • mini-quiches de queijo e fiambre
  • rissóis de frango
  • almofadinhas de queijo
  • croquetes de carne
  • pastéis de bacalhau
  • mini-scones de presunto e queijo
  • profiteroles de atum, maionese, azeitona e ovo
  • mini corn-dogs (que não constam das fotos)

Prometo que irei partilhando as receitas!