Vamos Rebuçar neste Natal? Quem aceita o desafio?

Fazer rebuçados em casa é algo quase inimaginável. De facto, devem ser poucas as pessoas que já experimentaram ou que tendo a receita dominam a técnica, porque esta requer pontos de açúcar e alguma perícia. Desde criança que vejo a minha avó fazer rebuçados caseiros e sempre com recurso aos citrinos para aromatizar. Curiosamente, foi sobre rebuçados o tema do meu primeiro conto, denominado de Rebuçados de Tangerina, um texto talvez demasiado triste e lamechas, mas foi o que, na altura, o ritual dos rebuçados me inspirou a escrever. Deixar a imaginação fluir e conduzir as linhas orientadoras da escrita é sempre uma aventura, tal como é a confeção de qualquer receita de rebuçados.
Escrever é sempre um risco quando não o fazemos só para nós mesmos. Fazer rebuçados na privacidade da nossa cozinha é uma coisa. Reproduzir a receita em público acarreta sempre o fator risco. Resolvi arriscar com cautela e introduzi a confeção dos rebuçados num dos workshops que fiz este mês na loja DeBORLA-Terceira. Posso agora afirmar que a receita foi um sucesso. Das 34 participantes presentes, apenas uma já tinha visto fazer rebuçados caseiros. Na realidade, existem imensas receitas que têm caindo em desuso devido à grande oferta de produtos prontos a consumir nos nossos supermercados. Muitos avós dos dias de hoje já não partilham estas experiências com os netos, umas vezes por falta de tempo, outras de iniciativa ou por simplesmente já não se lembrarem dos procedimentos de alguns costumes transmitidos pelas gerações anteriores. Assim se perde muito património.

Os rebuçados que veem nas fotos são ambos de morango. Os primeiros apenas levaram aroma. Aos últimos, os realizados no workshop do qual falei acima, juntei para além do aroma de morango, corante em gel. Quando estávamos a esticar os rebuçados, já na parte final da receita, resolvemos desenhar algumas bengalas que até ficaram engraçadinhas.

Fica aqui então o desafio para quem se achar capaz de aceitar. É uma excelente ideia para prenda de natal, se os colocarmos dentro de uma caixa ou bomboneira bonita. E por que não personalizarmos a nossa mesa de Natal com esta iguaria feita por nós?

Vamos rebuçar neste Natal?

rebuçados de morango_foodwithameaning

rebuçados de morango_foodwithameaning

 

Bomboneira com Anjo disponível nas lojas DeBORLA.
rebuçados de morango_foodwithameaning

rebuçados de morango_foodwithameaningrebuçados de morango_foodwithameaning

Rebuçados e Bengalas Natalícios

 Ingredientes

  • 500 g de açúcar
  • 1 dedo acima do açúcar de água
  • 4 colheres de sopa de vinagre branco
  • 1 colher de sobremesa de aroma de morango
  • corante em gel
  • manteiga ou óleo para untar o prato
  1. Coloca-se o açúcar num tacho, nivelando-o. Vai-se acrescentando água até um dedo acima do açúcar. Adiciona-se o vinagre  e mexe-se com uma colher de pau.

 

  1. Leva-se a lume médio até estar a ferver de uma forma lenta e a fazer a chamada “bolha morta”, que rebenta lentamente. Não se assustem com o cheiro intenso a vinagre. Não passará para o rebuçado.

 

  1. Enche-se com um dedo de água uma taça pequena. Retira-se um pouco do preparado e coloca-se na taça. Aperta-se com o polegar e o indicador para certificar que o preparado se está a unir, levanta-se ao ar e deixa-se cair novamente na água. Se se ouvir um tinido forte está pronto a apagar o lume. Outra forma é na própria tampa da panela colocar um pouco do preparado e verificar se ao puxar já faz fios de seda.

 

  1. Junta-se o aroma e o corante. Deixa-se ferver e verifica-se novamente a consistência acima descrita. Unta-se um prato raso com manteiga ou óleo (certifiquem-se que o prato irá aguentar o calor).  Depois de estar nos pratos, o rebuçado deve arrefecer até ficar mais consistente. Unta-se uma faca em óleo e vai-se tentando mexer o rebuçado para arrefecer, sempre dos bordos para o centro, tentando aglomerar o preparado no meio do prato.

 

  1. Unta-se as mãos com óleo e tenta-se retirar o rebuçado do prato e esticá-lo com as mãos. Convém fazer este passo com outra pessoa, também com as mãos untadas, para se irem revezando no esticar, pois o rebuçado ainda está quente e queima ligeiramente.

 

  1. O rebuçado deve ser puxado com alguma insistência até ficar com a cor e a espessura desejadas. Poderão ser lisos ou torcidos.

 

  1.  O rebuçado deve ser cortado de imediato antes que arrefeça totalmente. Utiliza-se a tesoura de cozinha.

 

  1. Os rebuçados são embrulhados em papel vegetal ou em papel celofane cortado a gosto.ni
Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s