Smoothies…a saúde no copo

Um smoothie é uma bebida saudável, saborosa e muito refrescante. É feito com frutas, iogurtes e outros ingredientes naturais. É uma ótima fonte de energia, pois contém pouquíssima gordura e é rico em vitaminas e minerais. Um smoothie é mais do que uma bebida, é uma escolha de vida saudável ideal para quem se preocupa com o bem-estar do corpo, mas não abre mão de uma combinação deliciosa.

smoothies

Relativamente às quantidades dos ingredientes, decidi não descriminá-las nas receitas porque à medida que faço os smoothies vou observando a consistência- o smoothie é por natureza uma bebida pouco líquida- e vou provando para regular a quantidade de fruta, o leite ou os derivados deste, e o adoçante. Por norma utilizo mel para adoçar os batidos. O estado de maturação da fruta também condiciona a utilização de menor ou maior quantidade de adoçante. Por vezes, opto mesmo por não incluir açúcares nos batidos, uma vez que a frutose já lá está.

Estes foram os 4 smoothies confecionados para a comemoração do Dia Mundial da Saúde.

smoothies

(smoothies representados na foto da esquerda para a direita)


 

Smoothie de uva-da-serra (mirtilo)

uva-da-serra congelada

maçã congelada

Iogurte natural/grego

Leite

Mel


 

Smoothie Caribenho

Ananás ou abacaxi congelado

melão congelado

Iogurte natural ou grego

Leite de côco (ou normal)

Côco ralado

Bananas

Mel

Hortelã


 

Smoothie de banana, chocolate e manteiga de amendoim

Bananas maduras congeladas

pera congelada

Leite achocolatado (ou leite simples +nesquik ou cacau)

Mel

Manteiga de amendoim a gosto

Opcional: polvilhar com canela


 

Smoothie de framboesa

framboesas congeladas

pera congelada

Iogurte natural/grego

Leite

Mel


 

Preparação

Colocar no copo liquidificador ou no copo do robô de cozinha leite ou os derivados de leite (iogurte natural/iogurte grego).

Adicionar metade da fruta cortada aos pedaços e previamente congelada em saquinhos e triturar.

Juntar o leite, o resto da fruta e os ingredientes em falta.

Verificar a consistência e se o batido necessita de adoçante.

 

Notas:

  • Para qualquer smoothie a fruta deve estar preferencialmente congelada, apesar de haver a possibilidade de se acrescentar gelo ao preparado final.
  • Os smoothies são uma excelente ideia para aproveitamento de peças de fruta esquecidas na fruteira, mais maduras e menos apelativas, tal como acontece com a banana.
  • Os smoothies não devem ser por norma substitutos de uma refeição, mas poderão ser pequenos-almoços e lanches já que são importantes fontes de fibra, vitaminas e minerais.

Mais fotos da iniciativa  aqui

Estorninho no prato

estorninhos no prato

Marinar significa deixar de molho, em líquido, carnes, aves ou pescados por determinado tempo com o objetivo de agregar sabor e, muitas vezes, alterar a textura. Marinar além de deixar a carne mais tenra ainda dá profundidade ao sabor. Geralmente, o líquido da marinada é aromatizado com ervas, especiarias e legumes e combina agentes ácidos ou básicos.

Desta vez, os passarinhos foram os eleitos para a marinada. Afirmar isto desta forma dá ideia de que sou uma pessoal insensível, mas a verdade é que os estorninhos, tal como os pardais, são considerados uma espécie invasora e contribuíram para um belo petisco, tal como acontece com as codernizes. Ao contrário de muitas aves, os estorninhos não migram; estes vivem em qualquer lado e viajam em grandes bandos, comem sementes e frutas, tendo ganho a reputação de praga entre os agricultores. Podem também ser agressivos, chegando muitas vezes a expulsar outras aves de locais de nidificação, usurpando os seus ninhos.

Percebo agora a expressão muitas vezes utilizada pela minha avó quando se referia a um grupo de rapazes que viviam na nossa rua e que passavam a vida a portarem-se mal. ‘São um bando de estorninhos‘, já dizia ela.

Os estorninhos, muitas vezes confundidos com os melros, são aves castanho acinzentadas na sua juventude e pretas, com detalhes verdes, azuis e roxos na idade adulta, encorpadas, de rabo curto, grosso e quadrado e asas longas,  bicos amarelos pontiagudos, pernas longas e cabeças grandes, em proporção aos seus corpos.

Moramos numa casa que tem a sorte de ter matas a toda a volta, por isso, podemos dizer que vivemos no meio de muita passarada, que tanto nos alegra os dias como nos destrói as sementeiras e as árvores de fruto. Por cá vivem e passam muitas aves: pombos torcazes, estorninhos, melros, pardais, labandeiras, tentilhões, piscos-de-peito ruivo ou vinagreiras e alguns milhafres ou águias-d’asa-redonda.

Este prato não surgiu de todo da vontade de nos vingarmos dos estorninhos, mas do facto de o meu marido ser grande apreciador de todo o tipo de caça.

estorninhos no prato

Ingredientes para a marinada 

1 copo de vinho branco
1 copo de água
2 folhas de louro
malaguetas
6 dentes de alho esmagados
um ramo de alecrim
endro
pimenta preta e rosa
sal
Outros ingredientes
azeite
farinha de milho ou de trigo

Preparação

Depois de depenados e de limpos de entranhas, passam-se as aves por água e colocam-se no recipiente de vidro onde vai ser feita a marinada com os ingredientes que se encontram acima.
Tapa-se o recipiente e conserva-se no frigorífico de uma dia para o outro,
Coloca-se azeite num tacho e fritam-se as aves, envoltas ou não previamente em farinha.

estorninhos no prato

Algumas dicas práticas que devem ser consideradas na hora de marinar:

1 – Combinação básica de marinada
Geralmente uma marinada é composta de um meio ácido (vinagres, vinhos ou limão), aromáticos (ervas e especiarias) e legumes (cenoura, alho, cebola, aipo). A combinação desses três itens varia de acordo com o tipo de carne.

2 – Líquidos indicados 
Os tipos de líquido variam de acordo com o tipo de corte a ser marinado e os sabores que se quer agregar ao alimento. O mais usado é o vinho. Mas há receitas de marinada que indicam vinagres, cervejas, bebidas brancas, sumos de de frutas e até iogurte natural. Quanto mais ácido o líquido, mais ele quebra as fibras da carne, tornando-a mais tenra.

3 – Que vinho utilizar?
Vale a regra básica do vinho à mesa. Brancos para carnes brancas, tintos para carnes vermelhas. Mas para não errar considere os tintos para carnes de sabor forte (osso-buco, rabada e músculo) e caças. E o branco para carnes de sabor mais suave (vitelo, aves e pescados). O mesmo vale para os vinagres. Nunca use vinho doce (ou outras bebidas), a não ser que queira uma carne doce. Além de seco, use vinhos que você beberia. Aliás, essa regra vale para qualquer bebida: se não serve para beber, não serve para comer também.  A proporção indicada é uma garrafa de vinho para cada três quilos de carne, frango ou peixe.

4 – Recipientes adequados
Dê preferência a recipientes com tampa de vidro, aço inoxidável ou louça na hora de marinar. Esses materiais não interferem no aroma e sabor do alimento. Evite potes plásticos e alumínio.

5 – Sacos de marinar
Use um saco de marinar ou um saco virgem qualquer (específico para alimentos, claro). Eles são ótimos. Além de facilitar o contato do líquido com toda a superfície da carne,  evita o contato direto com o recipiente. Sempre retire o ar ao máximo e feche bem o saco.

6 – Tempo para temperar
Também varia de acordo com o tamanho do corte e o gosto do autor. Quanto maior, mais tempo deverá ficar marinando. Cortes inteiros (como uma peça de lagarto ou um frango inteiro) com mais de um quilo podem marinar na véspera (cerca de 12 horas). Cortes menores como coxas e sobrecoxas precisam de menos tempo (cerca de 6 horas). Já os alimentos mais delicados devem ficar menos tempo ainda. Peixes, por exemplo, no máximo 3 horas já adquirem bastante tempero. Lembre-se que quanto mais tempo, mais temperado ficará.

7 – Cuidados com o sal
A proporção mais indicada é para cada 3 quilos de carne vermelha 2 colheres de chá de sal grosso e temperos. Já para cada 3 quilos de frango ou pescados 1 colher de chá de sal refinado bastam. Mas siga seu paladar. E atenção: prefiro sempre colocar o sal só na hora de levar a carne ao fogo. Ele pode desidratar e cozinhar as fibras quando colocado com antecedência.

8 – Mantenha a marinada refrigerada
Assim que for preparada a marinada deve ser tampada (se for num saco, feche-o), levada ao frigorífico e mantida refrigerada até o momento do preparo. Alimentos de origem animal crus não devem permanecer sem refrigeração.

9 – Sugestões de combinações clássicas
A carne vermelha é bem versátil. Combina com diversas ervas como tomilho, alecrim, salsa e louro. Já o porco vai bem com sabores e aromas cítricos como tangerina, laranja e abacaxi. Das ervas, as refrescantes são as  que mais caem bem. Frango também casa com os cítricos e permite que o vinho dê lugar  à cachaça. Ervas como salsa, coentro e orégãos combinam muito bem com aves e pescados. Aliás, o peixe é a carne mais delicada, por isso, os temperos devem entrar com cuidado. Para o cordeiro, que tem um sabor forte, vale substituir o vinho por leite, creme de leite ou iogurte. As ervas mais indicadas para essa carne são hortelã e alecrim.

fonte das dicas

estorninhos no prato

A tarte do fim de semana…

Não existe nada tão reconfortante como o cheiro de uma tarte de maçã acabadinha de sair do forno.

Esta tarte ganhou ainda outra dimensão porque foi servida nesta peça Bordalo Pinheiro tão encantadora, uma gentil oferta de amigos por altura do meu aniversário.

tarte de maçã_foodwithameaning

Ingredientes 

275 g de farinha de trigo

150g de manteiga sem sal

225 g de açúcar

2 gemas

noz-moscada

água q.b.

6 a 8 maçãs

4 colheres de sopa de compota de maçã

2 colheres de chá de manteiga com sal (opcional)

canela

raspa e sumo de 1 limão

Preparação

Misture a farinha de trigo com a manteiga e 150 g de açúcar até ficar uma massa uniforme. Junte uma das gemas, a noz-moscada e água suficiente para formar uma massa fofa. Deixe repousar durante 20 minutos.

Estenda metade da massa sobre uma superfície enfarinhada, de modo a formar um círculo. Coloque-a sobre uma forma de tarte untada com manteiga.

Descasque as maçãs, retire o caroço e com uma mandolina corte as maças em gomos finos. Aromatize com a raspa e o sumo de limão. Polvilhe com canela e com o restante açúcar (65 g). Envolva e disponha este preparado na tarteira em cima da massa.  Distribua as colheres de compota de maçã por cima das maçãs e umas nozes de manteiga. Estenda a outra metade da massa e cubra a tarte pressionando os extremos para que fiquem unidos. Com os restos da massa decore a tarte a gosto. Pincele a tarte com a outra gema de ovo e leve ao forno, pré-aquecido a 180ºC, durante 50 minutos.

tarte de maçã_foodwithameaning

tarte de maçã_foodwithameaningUma Boa Semana!

Chicharros Fritos com Molho de Escabeche

Quem me conhece sabe que detesto o cheiro a fritos. Por esse motivo e também porque os alimentos fritos não são saudáveis, raramente frito peixe ou qualquer outra receita que implique fritura. Contudo, existem momentos em que nos apetecem certas receitas e nos quais temos de sacrificar os danos colaterais à vontade de comer uma batatinha frita ou peixinho nas mesmas condições. Foi o caso da receita de hoje: chicharros fritos com molho de escabeche.
Esta é uma receita que deve ser feita de véspera, e guardada no frigorífico, para que o peixe possa adquirir o sabor do molho, ficando assim muito mais saboroso.

chicharros fritos com molho de escabeche

Ingredientes 

  • Chicharros
  • Azeite
  • 6 dentes de alho
  • 4 cebolas médias cortadas às rodelas finas
  • 2 folhas de loureiro aos pedaços
  • 1 pitada de sal
  • moinho de cinco pimenta
  • piri-piri
  • pimento vermelho
  • Vinagre a gosto
  • 2 colheres de chá de pimentão doce
  • óleo para fritar
  • farinha de milho para envolver o peixe

 

Preparação
Limpe o chicharro de tripas e retire o espigo que se encontra no fim do corte da barriga do peixe. Lave o peixe e escorra. Tempere com sal e reserve.
Coloque óleo numa frigideira, envolva o peixe em farinha de milho e frite-o de ambos os lados, sem deixar secar muito. Escorra e reserve.
Deite azeite numa frigideira e deixe que aqueça. Adicione as rodelas de cebola cortadas finamente, a folha de louro e duas bagas de piri piri e deixe refogar. Junte os alhos e deixe alourar. Corte meio pimento encarnado* em tiras finas e leve a refogar também. Junte a água, temperada com pimentão doce, pimenta preta, vinagre e sal.Tape e deixe ferver em lume brando. Deixe apurar por mais 3 minutos, mexendo sempre.

Numa travessa de ir à mesa, disponha o peixe que reservou e verta por cima deste o molho enquanto quente.

Acompanhe com batatas cozidas e perfume com pedacinhos de manjericão fresco.

*Obs. O pimento encarnado não consta do molho de escabeche tradicional.

 

chicharros fritos com molho de escabechechicharros fritos com molho de escabeche

Trufas de castanha

Oiço dizer que este ano não é ano de castanhas, pelo menos aqui na ilha Terceira. De facto, o nosso castanheiro não tem mais ouriços do que o ano passado e até parecem-me mais pequenos. Há épocas assim. E isto acontece com toda a fruta e legumes. Mais chuva. Menos Chuva. Mais frio. Menos frio. Mais tempestade. Menos tempestade. E aqui e ali vai-se ouvindo um pouco de tudo sobre as produções, especialmente se formos à feira agrícola ao domingo de manhã, agora já com novas instalações: mais modernas, mas um pouco descaracterizadas. Uma mudança que trouxe melhores condições de apresentação dos produtos, de higiene e de conforto, mas que perdeu grande parte da ruralidade anterior. Um edifício de paredes de betão nunca conseguirá competir, sem a existência de materiais quentes, com as caixas de madeira das carrinhas dos agricultores, de onde saíam batatas, melões e melancias e todas as hortaliças possíveis e imaginárias. Ainda bem que tenho a feira antiga registada em fotos. Nunca nada irá ser idêntico. A alma da feira já não é a mesma. Impera a distância e a dispersão. Falta o anterior calor humano.

Retomando o assunto das castanhas, e apesar de já as ter cozido e assado este ano, estas não são ainda efetivamente muito doces. Têm me valido os produtos Sweet Castanea. Com um frasco de castanha em calda, e com base nas trufas de chocolate, idealizei estas TRUFAS de CASTANHA.

Espero que gostem desta sugestão outonal!

trufas de castanha_foodwithameaning

Ingredientes

200g de chocolate para culinária (40%)
260g de castanha cozida (utilizei castanha em calda Sweet Castanea)
100g de leite condensado
25g de leite
20g de vinho do porto
30g de margarina
Cacau em pó

Preparação Tradicional

1. Aqueça o leite e o leite condensado até ferver

2. Adicione o chocolate partido em pedaços e a margarina.

3. Adicione a castanha previamente cozida e moída.

4. Envolva o vinho e mexa bem.

5. Coloque num tabuleiro e leve ao frigorífico durante 4 horas.

 

Preparação na Bimby

1.Pique a castanha 10seg/vel5-7.

2. Adicione o leite, o leite condensado e programe 3min/90º/Vel2.

3. Adicione o chocolate partido em pedaços e a margarina. Mexa 10seg/vel5.

4. Envolva o vinho e mexa bem.

5. Coloque num tabuleiro e leve ao frigorífico durante 4 horas.

 

Passadas as quatro horas de refrigeração, molde bolas irregulares e envolva-as em cacau.

trufas de castanha_foodwithameaningSweet Castanea/FoodwithameaningSweet Castanea/FoodwithameaningTrufas de castanha_foodwithameaning

Bolo de Mãe Preguiçosa…

Esta minha proposta de bolinho para hoje não é de todo inovadora. Todos conhecem o célebre bolo da caneca. Foi exatamente este bolo, na versão chocolate e gengibre, que decidi introduzir na panóplia de bolos dedicados a esta estação, que pede bolos quentinhos acompanhados de uma chávena de chá ou de café. O bolo que trago não pertence à categoria dos fancy cakes, mas é sempre o escolhido quando somos assomados por um anseio de bolinho e não há tempo nem por vezes energia para receitas demoradas.

Afinal, o que há de melhor do que a possibilidade de se misturar os ingredientes com um garfo, a constatação de que não sujamos muita loiça e que daí a três minutos temos um bolo fofo e quentinho na mesa?

Bolo da Caneca de Chocolate e Gengibre

bolo da caneca

Ingredientes

  • 4 colheres (sopa) de leite
  • 1 ovo pequeno
  • 3 colheres (sopa) de óleo
  • 2 colheres (sopa) rasas de cacau em pó
  • 1 colher (chá) rasa de gengibre em pó
  • 4 colheres (sopa) rasas de farinha de trigo
  • 4 colheres (sopa) rasas de açúcar
  • 1 colher (café) rasa de fermento em pó

 

Preparação

1. Escolha uma caneca com um mínimo de 300 ml de capacidade.

2. Coloque o ovo e bata bem com um garfo.

3. Coloque o óleo, o açúcar, o leite, o chocolate, o gengibre e bata novamente muito bem.

4. Coloque a farinha de trigo e o fermento e misture delicadamente até encorpar tudo. Certifique-se de que não existem grumos de farinha.

5. Leve ao forno microondas por 3 minutos em potência alta.

 

Notas.

Se desejar um creme faça uma ganache de chocolate e coloque-a numa pequena molheira para que todos possam servir-se na altura de saborear o bolo.

Poderá também optar por uma versão mais rápida e barrar o cimo do bolo com creme de chocolate e avelãs.

Estes bolos de micro-ondas devem ser consumidos de imediato, pois tendem a ter uma textura mais seca em contacto com o ar.

  • bolo da canecabolo da caneca

Outra versão:

Bolo de laranja na caneca

Workshop Jovens na Cozinha…DeBORLA-Terceira

 

1cartaz

No sábado passado, decorreu o primeiro workshop para jovens. Lembrei-me deste tema para este workshop porque algumas mães têm mostrado interesse em levar as suas filhas a assistir os workshops que faço. No último que fiz, recordo-me de uma mãe que trouxe as três filhas adolescentes porque acha ser essencial que a juventude comece desde cedo a aprender a cozinhar alguns pratos, sendo estes o ponto de partida para receitas mais diversificadas e complexas. Esta foi uma iniciativa singular em muitos aspetos: pela adesão dos participantes, pelo entusiasmo aquando da realização das receitas e pela festa final que consistiu na prova de todas as receitas elaboradas com a ajuda destes cozinheiros de palmo e meio. Para além destes, muitos pais e mães assistiram ao workshop, sempre atentos ao desempenho dos seus filhotes.  Comecei por dizer a todos os jovens que com certeza teriam planos para o futuro e que nestes poderiam estar incluídos um bom trabalho, uma casa de sonho, um bom carro, de preferência com motorista e um cozinheiro pessoal para tratar das ementas lá de casa, libertando-lhes assim desta tarefa que para a grande maioria das pessoas é necessária e rotineira. Sem querer destruir os seus sonhos, ou a possibilidade de fazerem as suas refeições sempre em restaurantes, estive cerca de duas horas e meia com esta juventude com o objetivo de colaborar com os  pais no ensino de pratos simples e essenciais. Elaborei previamente um caderno de receitas para cada participante composto de duas sopas, de dois pratos principais e de duas sobremesas. Confecionámos em conjunto uma canjinha, que mais tarde disseram estar deliciosa, esparguete à carbonara, ovos mexidos com bacon, bolo de chocolate na caneca e bolachinhas recheadas com chocolate de leite e amêndoas e marshmallows, ou seja, os conhecidos S’mores.

Expliquei-lhes também que  saber cozinhar será uma mais-valia para a  vida futura deles, tal como será saber conduzir ou tratar da casa, de crianças ou de idosos. Temos e devemos estar recetivos para aprender, mesmo que muitas vezes nem gostemos muito dessas tarefas. Disse-lhes que existem truques para  executarmos bem essas tarefas, muitas delas tão essenciais à nossa sobrevivência. Garanti-lhes que dominar algumas receitas os ajudaria quando se vissem sem os pais, como por exemplo, quando fossem estudar para a universidade, muitas vezes longe de casa.  Referi ainda que aprender a cozinhar apenas nessa altura acabaria por ser mais um encargo que teriam de assumir a juntar a tantos outros inerentes ao início de uma nova etapa, quer seja escolar, pessoal ou profissional.

Antes de começarmos a cozinhar, expliquei-lhes as seguintes  REGRAS DE OURO

Antes de Cozinhar

  1. Pede sempre autorização ou ajuda a um adulto antes de começares a cozinhar.
  2. Lava as mãos antes de começares a cozinhar e depois de manuseares carne crua.
  3. Usa um avental para não sujares a roupa.
  4. Lê a receita e vê se tens todos os ingredientes e utensílios necessários.
  5. Verifica cuidadosamente os ingredientes (se estão em condições; os prazos de validade)

Durante a Preparação

  1. Segue as instruções passo a passo, pedindo a um adulto para esclarecer o que não perceberes.
  2. Lava a fruta e os legumes para remover sujidade e químicos.
  3. Usa uma tábua de cortar para o corte dos legumes e outra diferente para o corte de carne.
  4. Tem especial cuidado com tesouras e facas. Pede ajuda a um adulto.
  5. Não saias da cozinha enquanto estiveres a cozinhar e mantém os teus cozinhados debaixo de olho.
  6. Tem cuidado ao usares o forno e usa sempre luvas de cozinha.

Depois da Preparação

  1. Depois de usares o fogão, a placa elétrica ou o forno não te esqueças de o desligar.
  2. Ajuda a limpar a cozinha, a guardar os utensílios e a lavar a loiça.
  3. Escolhe uma toalha bonita para a mesa. Coloca, os pratos os talheres, os copos e delicia-te com as tuas saborosas criações.

Se desejarem espreitar as fotos do workshop, estas encontram-se neste link.