Rebuçados de tangerina… e o Tacto

rebuçados de tangerina_foodwithameaning

O aroma que emanava da raspa da tangerina fazia antever que o Olfacto seria o eleito. A adição de vinagre no tacho propagava pela cozinha um odor forte. Novamente o Olfacto prevalecia. Tão erradamente. Enquanto o açúcar se esforçava por atingir o ponto de rebuçado, o líquido borbulhante emitia calor para a mão direita da cozinheira que, com a ajuda da colher de pau, ocasionalmente mexia os ingredientes. Estava frio lá fora. Talvez o dia mais frio deste ano. Oito graus centígrados. Uma realidade quase improvável neste clima atlântico temperado. Era, sem dúvida, o dia mais acertado para a cozinheira fazer os rebuçados caseiros. Os pés desta permaneciam enregelados junto ao fogão, mas as mãos, essas, anteviam momentos quentes. Imperava a premonição  do Tacto. De seguida, veio a bolha morta e a necessidade de  colocar umas gotas do preparado numa taça com água e apertá-las com o polegar e o indicador para constatar a união dos ingredientes. O princípio do Tacto. Ao cair na água, o tinir do aspirante a rebuçado  foi a palavra mágica. A cozinheira untava agora com óleo a superfície de um prato e fazia escorrer outras tantas gotas generosas por entre os dedos das mãos. O óleo facilitaria o molde e protegeria as mãos do calor escaldante. O rebuçado era agora levantado sabiamente do prato. E dançava entre as duas mãos que o esticavam, que o enlaçavam e deslaçavam, que o atiravam ao ar para sentirem o fresco momentâneo da sua não-presença. De volta às mãos hábeis, o rebuçado era novamente puxado e mais uma vez torcido até ganhar a cor e a identidade desejadas. E as mãos sentiam. E as mãos criavam. Sempre as mãos. Sempre o Tacto.

rebuçados de tangerina_foodwithameaning

rebuçados de tangerina_foodwithameaning

Com este texto e receita participo no Passatempo 5 Sentidos com a Alecrim aos Molhos do blogue Limited Edition.

rebuçados de tangerina_foodwithameaning

Ingredientes 

250 g de açúcar

1 dedo acima do açúcar de água

2 colheres de sopa de vinagre branco

raspa ou casca de 1 tangerina pequena

manteiga ou óleo para untar o prato

Modo de Preparação

1. Coloca-se o açúcar num tacho, nivelando-o. Vai-se acrescentando água até um dedo acima do açúcar. Adiciona-se o vinagre e a casca da tangerina e mexe-se com uma colher de pau.

2. Leva-se a lume médio até estar a ferver de uma forma lenta e a fazer a chamada “bolha morta”, que rebenta lentamente. Não se assustem com o cheiro intenso a vinagre. Não passará para o rebuçado.

3. Enche-se com um dedo de água uma taça pequena. Retira-se um pouco do preparado e coloca-se na taça. Aperta-se com o polegar e o indicador para certificar que o preparado se está a unir, levanta-se ao ar e deixa-se cair novamente na água. Se se ouvir um tinido forte está pronto a apagar o lume. Outra forma é na própria tampa da panela colocar um pouco do preparado e verificar se ao puxar já faz fios de seda.

4. Unta-se um prato raso com manteiga ou óleo (certifiquem-se que o prato irá aguentar o calor). Retira-se as cascas de tangerina. Se preferirem utilizar a raspa, como eu fiz, só agora se adiciona ao rebuçado. Depois de estar nos pratos, o rebuçado deve arrefecer até ficar mais consistente. Unta-se uma faca em óleo e vai-se tentando mexer o rebuçado para arrefecer, sempre dos bordos para o centro, tentando aglomerar o preparado no meio do prato.

5. Unta-se as mãos com óleo e tenta-se retirar o rebuçado do prato e esticá-lo com as mãos. Convém fazer este passo com outra pessoa, também com as mãos untadas, para se irem revezando no esticar, pois o rebuçado ainda está quente e queima ligeiramente.

6. O rebuçado deve ser puxado com alguma insistência até ficar com a cor e a espessura desejadas. Poderão ser lisos ou torcidos.

7.  O rebuçado deve ser cortado de imediato antes que arrefeça totalmente. Utiliza-se a tesoura de cozinha.

8. Os rebuçados são embrulhados em papel vegetal ou em papel celofane cortado a gosto.

Quem serão os corajosos a reproduzir a receita?
Lembrem-se que se o rebuçado não acertar à primeira ou à segunda vez podem sempre tentar à terceira pois os ingredientes são pouco dispendiosos.
Adoro receitas que dão luta! Garanto-vos que esta é uma delas!
Conselho: Escolham um dia frio!
E Boa Sorte!
Patrícia
Anúncios

14 thoughts on “Rebuçados de tangerina… e o Tacto

  1. menalp

    É preciso tacto para fazer estas coisas!! Fazer rebuçados e escrever desta maneira!!
    Menos mal que na falta de olfacto e tacto, tenho a visao! Ao menos assim posso saciar os sentidos com tao pequenas beldades!! 🙂
    Uma receita sem duvida dificil, mas com um resultado maravilhosoooo!!!
    beijinho da Siberia!

    Gostar

  2. Limited Edition

    Olá Patrícia!
    Provavelmente não leste no facebook do blogue, mas pedi que as vencedoras do passatempo me enviassem um email com os seus dados (nome e morada) bem como o prémio escolhido. O representante da Alecrim aos Molhos encontra-se fora de Portugal há duas semanas em trabalho e pediu-me que reunisse os dados todos para que quando chegasse procedesse aos envios sem mais demoras. Envia para o email lim.edition2012@gmail.com

    Obrigada e beijinhos,

    Maria

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s