Grelhado misto na brasa porque os dias já são bonitos

Os dias já vão sendo mais bonitos e já vão estando mais quentes. Decidimos então inaugurar as refeições no jardim, debaixo do alpendre, aproveitando a verdura do jardim, a paisagem natural do Monte Brasil e o azul do mar ao fundo, cá e lá atravessado por barcos grandes e pequenos.

Verdura com Monte Brasil e mar ao fundo

O dia deste grelhado fez lembrar o verão. Como gosto de tardes assim!

grelhado misto_foodwithameaning

Poderão encontrar a receita no Receitas ao Desafio.

O pão dado pelo divino- parte III. Sopas do Espírito Santo, Cozido tradicional, Alcatra e Arroz Doce

Como afirmei aqui, as Festas do Espírito Santo celebradas nos Açores são vividas pela maioria dos habitantes com um misto de devoção e de oportunidade de saborear os pratos típicos desta época. Cumprindo a promessa que vos fiz a semana passada, trago-vos os sabores que são tradicionalmente servidos durante uma Função: as sopas do Espírito Santo, o cozido, a alcatra e o arroz doce.

Todos estes pratos foram confecionados para o almoço do batizado do meu afilhado e da profissão de fé do meu sobrinho e do meu filho, que se realizou no domingo passado.

Este foi o bolo da festa, de autoria do chefe da Pastelaria O Forno, em Angra do Heroísmo. No interior do bolo, o pão de ló contrastava na perfeição com várias camadas de creme de ovos e amêndoa torrada.

Bolo de batizado e profissão de fé

 

Cozido e Sopas do Espírito Santo 

Ingredientes para 10 a 12 pessoas

2 kg de carne de vaca

2 frangos

500 g de fígado de vaca

250 g de sangue de vaca (coalhado)- já comprei  cozido

2 pés de porco

500 g de barriga de porco salgada

500 g de bacon

1 chouriço de sangue

1 chouriço de carne

1 linguiça

4 dentes de alho

2 cebolas grandes

1 ramo de hortelã (grande)

2 colheres de sopa de massa de malagueta

2 colheres de sopa de banha

1 colher de chá de colorau

6 a 8 grãos de pimenta

1 dl de vinho de cheiro ou tinto

1 folha de louro

sal grosso

 

Legumes necessários:

1 repolho

8 cenouras

20 batatas brancas

6 batatas doces médias

 

Modo de Confeção

1. Colocam-se dentro de um saco de pano (o qual denominamos de boneca) os alhos, as cebolas aos quartos, a hortelã, os grãos de pimenta e o louro.

2. Enche-se uma panela alta com água até meio e introduz-se o saco com os temperos. Deixa-se ferver.

3. Juntam-se as carnes de vaca, a linguiça, os chouriços e o bacon e deixa-se cozer.

4. Num tacho à parte, colocam-se as carnes de porco e cobrem-se  água. Levam-se a cozer. Descarta-se a água desta cozedura.

5. Quando a carnes de porco estiverem cozidas, juntam-se ao tacho com as carnes de vaca.

6. Quando ambas as carnes acima referidas estiverem quase cozidas, introduzem-se na panela os frangos partidos ao alto e deixam-se cozer. Prova-se o cozido e retificam-se os temperos.

(Adicionei nesta fase o sangue cozido aos cubos)

7. Acrescenta-se à panela do cozido o repolho partido em quartos.

8. Retira-se da panela caldo suficiente para num tacho à parte serem cozidas as cenouras e as batatas brancas. O caldo sojebante da cozedura voltará à panela do cozido.

9. Noutro tacho, colocam-se a cozer as batatas doces bem lavadas e com casca.

 

Preparação das Sopas

1. Corte horizontalmente o pão de água e as fatias obtidas em metades.

2. Barre-o ligeiramente com manteiga, coloque-o numa terrina e disponha, nas diferentes camadas, folhas de hortelã.

3. Regue-o com o caldo do cozido até as sopas terem absorvido todo o caldo. Ficam assim escaldadas. Tape a terrina e deixe as sopas descansar durante 10 minutos.

4. Volte a regar as sopas com mais caldo e espalham-se pela superfície das fatias folhas de repolho. Tapa-se novamente a terrina e embrulha-se em cobertores, deixando-se assim agasalhada até serem as sopas servidas.

Dica: Costumo colocar por cima das sopas um pouco do molho da alcatra (receita que abaixo explicarei)

Sopas do Espírito Santo

Cortam-se todas as carnes constantes do cozido e servem-se em travessas, conjuntamente com as cenouras e as batatas.

Este cozido é acompanhado com pão de leite e vinho de cheiro ou tinto.

Cozido

Depois do cozido de carnes, é servida a tradicional alcatra. Esta é composta por pedaços de carne de vaca (rabadilha, chambão, cachaço) e não com a parte da vaca chamada alcatra.

alcatra

Ingredientes

2 kg de rabadilha

1 kg de chambão com osso

8 cebolas médias

300 g de toucinho fumado

10 grãos de pimenta do reino

8 grãos de pimenta da Jamaica

1 a 2 folhas de louro

1 pau de canela

vinho de cheiro ou tinto maduro ou vinho branco seco

1 colher de sopa de vinagre

1 chávena de água

30 g de manteiga

20 g de banha

2 colheres de sopa de massa de malagueta

sal grosso

 

Modo de Confeção da Alcatra

1. Unte o alguidar com manteiga ou banha.

2. No fundo, coloca-se uma camada de cebolas às rodelas, toucinho às lascas, carne aos bocados.

3. Tempera-se com os grãos, o louro, canela e o sal.

4. Repete-se o mesmo procedimento, fazendo camadas até se esgotarem os ingredientes. A última camada deve ser de cebolas.

5. Cobre-se tudo com vinho, com uma chávena de água e vinagre.

6. Termina-se com cebola e nozes de manteiga.

7. Se não tiver forno de lenha, leve a alcatra a cozer em forno médio, durante 3 a 4 horas.

8. Se for necessário acrescenta-se um pouco de mistura de vinho e água.

9. Deve virar-se a carne a meio da cozedura e servir no próprio alguidar.

10. A Alcatra é acompanhada com fatias de massa sovada.

ALCATRA

A sobremesa típica das funções é o arroz doce, que é normalmente servido em travessa e decorado com canela e padrões alusivos à época.

Arroz doce

O arroz doce para a festa foi encomendado a uma senhora da freguesia do Porto Judeu que tem mãos de fada e que não conta o segredo do seu arroz a ninguém. Digamos que é a alma do seu negócio.

Vou deixar-vos a receita de arroz doce do caderninho de receitas da minha mãe, que não fica atrás da anterior.

Ingredientes

1 medida (utilizei uma chávena) de arroz carolino (utilizo por norma o de risotto)
3 medidas de água
1 medida de açúcar
5 medidas de leite gordo
6 gemas
2 cascas de limão sem a parte branca
1 pitada de sal

1. Num tacho, coloca-se a água e as cascas de limão e deixa-se levantar fervura.
2. Introduz-se o arroz na água, junta-se uma pitada de sal e deixa-se que o arroz absorva a água toda, sempre em lume baixo.
3. Junta-se uma medida de leite, mexe-se bem para que o bago do arroz comece a absorver o leite.Adicionam-se as medidas de leite aos poucos, mexendo sempre com uma colher de pau.
4. Adiciona-se o açúcar e continua-se a mexer até que levante fervura e o arroz o absorva o açúcar.
5. Retira-se do lume, e acrescenta-se as gemas misturadas com açúcar e desfeitas com um garfo, mexendo para que não cozam. Leva-se novamente ao lume por mais dois ou três minutos.
6. Coloquei o arroz em travessas e decora-se com canela a gosto.

Um excelente resto de semana para todos!

Patrícia

A festa do pão dado pelo Divino – parte II

Aqui nos Açores celebramos este fim de semana as festas do Espírito Santo. O ano passado escrevi sobre os rituais desta tradição açoriana.

Este ano, trago-vos a reportagem fotográfica para que conheçam pormenores da festa e deixo-vos a receita do alfenim, um doce típico desta época.

Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

No interior dos impérios o altar é enfeitado com as coroas do Espírito Santo.

Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

Estas coroas são utilizadas no final da missa para proceder à coroação dos mordomos da festa, quem fez promessa ao Espírito Santo e quem detém toda a despesa que envolve a festa, na qual se inclui o pão.
Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

Algumas janelas dos impérios são engalanadas com toalhas e bandeiras com os símbolos do Espírito Santo. Esta temática encontra-se também expressa através de trabalhos em prata e estanho.Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

Para além do império, e em anexo a este, encontra-se a Despensa do Império. Nesta guarda-se o pão que será distribuído na festa, o vinho e algumas brindeiras, pequenos pães de massa doce distribuídos às crianças da coroação.Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

Quem visitar a despensa do império poderá experimentar alguns petiscos locais: as favas escoadas, a carne assada, o queijo, a massa sovada… e provar o vinho.

As senhoras que se encontravam por detrás dessa mesa, quando lhes pedi se autorizavam as fotografias disseram-me: E depois das fotos, a menina  faça o favor de gastar! Fazemos questão!

Achei interessante o termos “gastar” pois apesar de noutros contextos implicar despesa, ali significava algo dado com o coração, o que não invalida uma pequena contribuição colocada na coroa se a pessoa assim o entender.

Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

O pão para a distribuição à saída da Despensa do Império.

Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

As cestas em que o pão é distribuído são muitas vezes revestidas de toalhas brancas com rebordos em renda fina.

Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

Nestes dias de festa, as crianças vestem-se com vestidos brancos para participarem nas coroações. Os sacramentos da Primeira Comunhão e do Crisma são tradicionalmente ministrados nesta altura festiva.Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

Algumas freguesias distribuem pão doce e outras o tradicional pão de água.

Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

As filarmónicas locais abrilhantam as procissões e o arraial da festa.

Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

Nas freguesias das Lajes e da Vila Nova, é tradição a decoração destes carros com colchas e toalhas alvas, raminhos de verdura e fitas de cetim.

No seu interior encontram-se petiscos feitos pelos donos, normalmente oferecidos aos amigos que por ali passam.Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

O Alfenim é o doce típico destas festas. A par com os pães de massa sovada, as rosquilhas, também de massa doce, o alfenim é presença obrigatória nos altares dos impérios, fazendo parte depois dos produtos que são arrematados no fim da festa.Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

Na próxima semana teremos aqui no blog as tradicionais sopas do Espírito Santo, a célebre alcatra à moda da ilha Terceira e o tradicional arroz doce.

Abaixo, duas fotos de uma menina feita em alfenim, uma oferta que os meus pais fizeram à minha pequenita.

Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

Festas do Espírito Santo na ilha Terceira

A arte em alfenim e a receita.

Uma excelente semana para todos. Por cá gozamos de feriado regional.

Bolo de maçã e especiarias… World Baking Day

Amanhã celebra-se o World Baking Day.

Resolvi então escolher um dos meus bolos favoritos: o de maçã e especiarias com cobertura de butterscotch.

Enjoy!

Bundt de maçã e especiarias

Ingredientes

2 maçãs grandes

2 ovos bem batido

1 chávena de açúcar mascavado

2/3 de chávena de óleo

1 colheres de sobremesa de baunilha

1 chávena e meia de farinha

1 colheres de chá de fermento

1/2 colher de chá de sal

1 colheres de sobremesa de canela

1 colher de chá de noz-moscada

1 colher de café rasa de gengibre

Bolo de maçã e especiarias
Modo de preparação

1.Descascar as maçãs e cortá-las aos pedacinhos.

2. Numa tigela, bater muito bem os dois ovos inteiros.

3. Adicionar todos os restantes ingredientes, exceto a maçã e bater com a batedeira durante 2 minutos.

4. Juntar a maçã e envolver com uma colher de pau.

5.Colocar o preparado numa forma untada. Optei por uma em espiral.

6.Cozer no forno a 200 graus durante 30 minutos.

Nota: A minha forma de bundt cake é pequena. Se pretenderem um bolo maior, terão de duplicar os ingredientes.

Bolo de maçã e especiarias

Ingredientes para a cobertura de butterscotch

meio pacote de manteiga com sal (há quem use sem sal e depois junte um pouco de sal)

3 colheres de sopa de açúcar mascavado escuro (utilizei claro)

2 colheres de chá de aroma de baunilha

Preparação

Leve todos os ingredientes a ferver num tacho. Quando começar a fazer um tipo de espuma amarelada está pronto a verter por cima do bolo.

Fontes:

A receita do bolo foi adaptada de uma publicada no Receitas ao Desafio. Obrigada Diana, mais uma vez. Inspirei-me no teu bolo, apesar de ter introduzido alterações no açúcar e nas especiarias. Foi uma boa aposta ter desta vez  acrescentado o gengibre.

A receita da cobertura de butterscotch foi adaptada de Simply Recipes, um site que sigo quase religiosamente.

Agora vou acondicionar o bolinho e distribuí-lo pelas aldeias, como faço sempre. Lá vão umas fatias para casa dos meus pais e outras para casa dos meus sobrinhos. O segredo está mesmo em partilhar as calorias por todos.

Bolo de maçã e especiarias

Um excelente fim de semana para todos.

Quiche de ervilhas, bacon e cebolinho

Hoje trouxe uma sugestão a pensar no conteúdo das marmitas. É uma quiche que poderá ser saboreada quente ou fria, apesar de pessoalmente a preferir na versão quentinha, quase acabada de sair do forno.

Numa altura em que as lancheiras estão de novo “na moda”, temos de pensar em soluções para diversificarmos os nossos almoços, mantendo-os nutritivos, apelativos e, de preferência, de baixo custo.

O cebolinho combinou muito bem com os restantes ingredientes e concorreu para acrescentar ainda mais sabor à quiche.

Quiche de ervilhas,bacon e cebolinho

Ingredientes para a massa

300 g farinha
130 g manteiga
70 g água
0,5 c. chá de sal
0,5 c. chá de açúcar
Acessórios

rolo da massa, tarteira (Ø 26 cm)

Preparação

Coloque no copo todos os ingredientes pela ordem indicada e programe 15 seg/vel 6.
Estenda a massa com a ajuda de um rolo. Forre uma tarteira e recheie a gosto.

Dica

Se desejar cobrir a tarte reserve 1/3 da massa

Ingredientes para o recheio
1 lata pequena de ervilhas (petit pois)
150 g de bacon
2 ovos
1 pacote de natas light (200 ml)
150 g de queijo de S. Jorge (tipo ilha)
pimenta preta moída
noz-moscada moída
cebolinho
azeite

Preparação do recheio

1. Numa frigideira, coloca-se um pouco de azeite e refoga-se ligeiramente o bacon. Acrescenta-se o cebolinho picado e as ervilhas ao refogado. Deixa-se arrefecer ligeiramente e verte-se este preparado no fundo da tarteira já coberta com a massa.
2. Numa tigela, batem-se os ovos, com as natas e as especiarias e verte-se a mistura por cima dos outros ingredientes.
3. Por fim, coloca-se o queijo ralado.
4. Vai ao forno, pré-aquecido a 200 graus, durante 30 minutos.

Quiche de ervilhas,bacon e cebolinho

Fonte da receita da massa quebrada: http://www.mundodereceitasbimby.com.pt

O cebolinho é originário das estufas do vizinho. Lindo!
cebolinho_hidrosaladas

Pastel de Nata

Os fins de semana costumam ser palco de sobremesa. Às vezes, durante a semana, se tenho cá em casa os meus sobrinhos ou amigos dos meus filhos, sai um bolinho ou uns muffins para o lanche.

Estes pastéis em particular foram feitos para oferecer, mas como nós somos todos muito gulosos, optei por fazer a receita a dobrar para podermos saborear alguns.

Ficaram mesmo tentadores os pastéis.

pastéis de nata_foodwithameaning

Alegrei a mesa do lanche com umas flores selvagens que colhi por aqui.

pastéis de nata_foodwithameaning

Ingredientes para o recheio

250 g leite
250 g natas (utilizei frescas)
180 g açúcar
50 g farinha
5 gemas de ovo
1 pau de canela
Casca de 1 limão, só a parte amarela

Ingredientes para a massa

500 g massa folhada
1 ovo p/ pincelar

Acessórios

Borboleta

Preparação

  1. Coloque no copo todos os ingredientes do recheio, exceto a casca do limão e o pau de canela e misture 10 seg/vel 4.
  2. Coloque a “borboleta”, junte a casca de limão, o pau de canela e programe 18 min/90ºC/vel 1 ½.
  3. Entretanto, estenda a massa folhada e forre formas pequenas previamente untadas.
  4. Pré-aqueça o forno a 200º C.
  5. Retire a casca do limão, o pau de canela e deite o preparado nas formas sem chegar aos bordos.
  6. Pincele o rebordo da massa com o ovo batido para que ganhe cor. Coloque no forno cerca de 20 minutos.
  7. Comprove se estão bem cozidos espetando um palito que deverá sair seco.

Notas importantes

Fiz uma adaptação ao tempo de cozedura dos pastéis. Os vinte minutos da receita original não são suficientes, a não ser que sejam forminhas mais pequenas do que as das natas convencionais.

Selecionei 180 ºC de temperatura, a resistência inferior, e deixei que as natas cozessem durante 40 minutos. Esta cozedura lenta deixa a massa folhada com uma cor uniforme. Apenas a três minutos do fim, liguei a resistência superior do forno para conferir um pouco de cor, mas convém ir vigiando para que não queimem.

Se decidir fazer a receita a dobrar, utilize 8 ovos são suficientes, especialmente se forem grandes. Mantenha também a mesma quantidade de limão. Será suficiente. Convém, no entanto, duplicar o pau de canela.

fonte:www.mundodereceitasbimby.com

Que tenham uma doce semana!

pastéis de nata_foodwithameaning

Tartelettes de alheira, noz e azeitona galega

Hoje é sexta-feira e este dia comporta sempre algo de mágico. Nele habita a liberdade para fazermos algumas coisas não permitidas pela rotina dos outros dias úteis. Ele é a antecipação do sábado e do domingo. Ele é a antevisão do descanso, do lazer, das atividades ao ar livre e dos encontros com amigos e familiares.

Se pretendem uma entrada de rápida confeção e repleta de sabores genuínos, sugiro-vos para este fim de semana estas tartaletes de alheira, noz e azeitona galega, da autoria do meu marido, um transmontano apaixonado pelos Açores mas que adora saborear os produtos da sua terra.

Tartaletes de alheira, noz e azeitona galega

Tartaletes de alheira, noz e azeitona galega

Ingredientes

1 alheira de caça

50 g de nozes picadas

40 g de azeitonas galegas

16 bases de mini-tartelettes ligeiramente doces (de compra- marca Confiletas)

 Preparação

1. Pré-aqueça o forno a 200 ºC.

2. Pique a alheira e coloque-a numa assadeira.

3. Leve ao forno 20 minutos ou até estar assada.

4. Retire do forno, pele e esmague ligeiramente o interior da alheira.

5. Misture-a com as nozes e as azeitonas picadas.

6. Encha cada tartalete com a porção de recheio que achar adequada.

7. Sirva com o recheio ainda quente.

A maciez da alheira, o sabor da noz e o salgado da azeitona contrastam muito bem com a massa da base, ligeiramente adocicada.

Que tenham um feliz fim de semana!

Patrícia