Convidei para jantar… um poema… As Ilhas Afortunadas

“As Ilhas Afortunadas são uma lenda medieval. Por vezes o nome é associado a ilhas maravilhosas (por exemplo, com cidades de ouro puro) que teriam existência real e chegavam até a estar indicadas nos mapas náuticos; outras vezes referiam-se declaradamente a ilhas que podiam ser vistas pelos mareantes mas nunca alcançadas. Provavelmente a lenda foi sugerida por fenónemos atmosféricos que provocavam miragens de terras inexistentes no meio do mar.

“onde o Rei mora esperando”- de novo Fernando Pessoa faz uma convolução das lendas da Távola Redonda e do Desejado. Supostamente, depois da batalha de Camlann em que Artur matou Mordred mas foi, ele também, mortalmente ferido, o rei moribundo foi levado para a Ilha de Avalon (uma “ilha afortunada”) onde, em vez de morrer, ficou adormecido para um dia voltar numa hora de suprema necessidade para salvar o seu povo e restaurar o seu reino.”

João Manuel Mimoso in http://www.tabacaria.com.pt/mensagem/Encoberto/Afortunadas.htm

As Ilhas Afortunadas
Que voz vem no som das ondas
que não é a voz do mar?
É a voz de alguém que nos fala,
mas que, se escutamos, cala,
por ter havido escutar.
E só se, meio dormindo,
sem saber de ouvir ouvimos,
que ela nos diz a esperança
a que, como uma criança
dormente, a dormir sorrimos.
São ilhas afortunadas,
são terras sem ter lugar,
onde o Rei mora esperando.
Mas, se vamos despertando,
cala a voz, e há só o mar.
Fernando Pessoa in Mensagem, Encoberto, Parte 1, Os Símbolos
Um doce de colher

Doce de colher_foodwithameaning

Ingredientes gerais

bolacha Maria

creme inglês de tangerina

chantilly de compra

nozes picadas

Ingredientes para o creme inglês

500 ml de leite

15 g de amido de milho

2 ovos

50 g de açúcar (coloquei 100 g)

1 colher de café de aroma de baunilha

rodelas de casca de tangerina (sem a parte branca)

Preparação

1. Numa picadora trituram-se as bolachas suficientes para cobrir o fundo das taças que pretendemos fazer.

2. Prepara-se o creme inglês:

Coloquei todos os ingredientes no copo da Bimby e programei 6 Min/90º/Vel.4
Retirei a casca da tangerina.  Deixei arrefecer o creme e  coloquei-o no frigorífico até à hora de servir.

3. Coloquei em cada taça a bolacha triturada, duas colheres de sopa de creme bem cheias, chantilly e nozes picadas. Servi de imediato.

Cada vez mais aprecio os doces de colher e ultimamente  tenho-os feito com alguma frequência.

Servidos em taças individuais exprimem simplicidade e requinte.

Doce de colher_foodwithameaning

Com este poema e receita participo 10ª Edição do Convidei para Jantar, iniciativa da Anasbageri, este mês dinamizado pela Cristina do blogue Come chocolates, pequena;

 

Um abraço desta ilha afortunada.
Patrícia

13 thoughts on “Convidei para jantar… um poema… As Ilhas Afortunadas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s