Abrótea com Curtumes

A abrótea é o peixe dos três fês. Deve ser apreciada fresca, frita e fria, como sempre afirma o meu pai. Tal como ele, não concebo outra forma de confecionar este peixe. Há quem o coza, mas no meu entender é um peixe de consistência muito mole para ser cozido.

Os curtumes são presença essencial na nossa mesa quando preparamos pratos de peixe, quer acompanhemos a refeição com arroz ou com umas simples batatas cozidas aromatizadas pelo piri-piri e pelo louro. Numa parceria com a abrótea frita, saíram do nosso frigorífico o curtume de perrexil, publicado no verão, e o curtume de beterraba, uma oferta deliciosa da amável Susana com quem partilho momentos de boa disposição sempre que a visito  na biblioteca da escola onde trabalhamos.

Ingredientes
1 abrótea
5 dentes de alho grandes cortados às rodelas.
1 colher de sopa de massa de malagueta
mistura de pimentas
1 copo de água
1/3 do copo de vinagre branco
sal
farinha de milho
óleo para fritar

Modo de Preparação
Peço na peixaria que limpem o peixe e o cortem em postas finas.Tempero-o com sal e pimentas.
Faço um vinha d’alhos com os restantes ingredientes acima mencionados, com exceção do óleo e da farinha de milho.
Deixo o peixe repousar no vinha d’alhos cerca de três horas.

Antes de fritar a abrótea em óleo quente seco-a muito bem em papel de cozinha.
Envolvo-a em farinha de milho e coloco-a cuidadosamente na frigideira.
Deve-se deixar fritar de ambos os lados, processo este que ainda demora algum tempo.
Depois de retirar a abrótea do óleo, escorro-a em papel de cozinha para absorver algum excesso de óleo e frito ligeiramente os alhos retirados ao vinha d’alhos, que posteriormente acompanharão o peixe.

Uma boa semana de trabalho ou de lazer, consoante o caso.

Patrícia

Anúncios