Homemade

Desde criança que  assisti ao hábito de se fazer queijo-fresco em casa.  Esperava pela buzina da carrinha do “homem do leite” e corria ansiosamente para a porta. Atrás de mim vinha a minha avó já com o jarro na mão para receber o leite do dia. Junto à ombreira da porta, ficava a observar a recetividade genuína  da conversa diária  com o senhor Valdemar.  A minha avó, que quando enviuvou veio morar connosco, fazia queijo-fresco quase diariamente, mas sempre em formato familiar. Lembro-me das formas de alumínio esburacadas aqui e acolá, repletas de orifícios por onde saía o soro do leite. Ela pendurava-as religiosamente na parede da cozinha, depois de as lavar, juntamente com um caneco metálico por onde tinha o hábito de beber água.   Via-a aquecer o leite ligeiramente para receber o coalho. Não existiam termómetros para marcar os 35ºC de temperatura. Ela sabia o ponto só de colocar o dedo no leite. Ainda hoje, recordo-me, muitas vezes,  de levar para os lanches  da escola um papo-seco com  de queijo- fresco. Deliciava-me com aqueles pedaços de queijo, frágeis na textura e puros na sua cor alva. Na altura, as sandes pouco variavam: ora eram de queijo-fresco ora de manteiga ora de marmelada ora de doce.  Felizmente não havia o hábito de se barrar o pão com compostos achocolatos.

Herdei uma das formas de queijo que sobreviveu ao tempo (que coisa insólita de se herdar!).

Como há muitos anos  não fazia queijo-fresco, resolvi que este regresso às raízes teria essa forma como utensílio de honra. Depois de vários anos arrumada voltou a ser útil.

Agora já habituada a ter em casa queijo sempre fresquinho, arranjei outras formas, mais pequenas, para fazer o queijo em doses individuais.

Na minha infância não havia o hábito de associar o queijo-fresco à massa de malagueta porque este não era consumido como entrada.

Hoje,  qualquer casa de pasto  e restaurante açoriano que se preze disponibiliza o queijinho fresco acompanhado da massa de malagueta, uma combinação de sabores aglomeradora.

Ingredientes para 6 queijinhos

2 litros de leite do dia (cá vendem-se em sacos)

coalho em pó (seguir as instruções do frasco) ou em gotas (4o gotas)

sal a gosto

Modo de preparação

Coloquei o leite do dia numa panela e aqueça até a temperatura  estar entre os 35  e os 37 graus.  Nessa altura juntei o coalho e mexi bem.

Esperei cerca de duas horas até o leite coalhar. Com uma faca, fiz  cortes no leite para facilitar a libertação do soro. 

De seguida, coloquei o utensílio metálico com orifícios, que vem com a panela de pressão, e que é utilizado para cozinhar  a vapor, em cima de um tacho, que deve ter o mesmo diâmetro, de forma a que um assente no outro.

Coloquei dentro do utensílio metálico a seis formas pequenas, também esburacadas (compram-se no latoeiro ou fazem-se em casa com recurso a tubos cinzentos de plástico e um berbequim).

Enchi-as até ao cimo com pedaços de queijo. Temperei cada queijinho com uns pozinhos de sal fino (não costumo misturar o sal no leite, mas há quem o faça)

Cobri as forminhas com película aderente, mas poderão utilizar um pano de cozinha.

Guardei no frigorífico.

No dia seguinte já tinha queijinhos para o pequeno-almoço.

Boa semana!

Patrícia

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

9 thoughts on “Homemade

  1. Ondina Maria

    Tenho coleccionado receitas de queijo (fresco, mozzarela, ricotta, etc.) e ando super entusiasmada com a ideia de fazer queijo em casa. E com este post só vieste ajudar à missa. Pois bem, que saiam os queijos. E para além de padeira o Vel vai começar a chamar-me de queijeira 😀
    Ah,e não acho nada estranho teres herdado da tua avó uma forma de aluminio para fazer queijo. Eu herdei da minha a forma de buraco para fazer o bolo de frutas secas do natal e o fouet enorme com que se bate a sua massa! É o passar do testemunho, o que para mim é um orgulho imenso!!!

    Gostar

  2. Quinta Vinagreira

    Uma maravilha. Eu também cresci com o queijo fresco caseiro. Fazia-o a minha mãe e o meu avô, que tinha uma cabra muito produtiva de leite, fazia-os, então, de cabra. Muitas vezes deixava-os curar…e eram uma verdadeira delícia. Também herdei uma forma do meu avô e algumas das tábuas em que ele colocava as formas para escorrer. Já há muito tempo que não faço, mas depois de ver estes aqui abriu-me o apetite para uns queijinhos.

    Gostar

  3. Lina

    Olá! Que rico queijinho! Gostava de ver a forma…Por aqui também o bichinho “homemade” anda à solta, tenho feito tofu caseiro que é uma maravilha!Vou publicar um dia destes.
    Beijinhos

    Gostar

  4. Ilída

    Há uns tempos também fiz queijo fresco. Ficou muito bom. Mas não voltei a fazer, não sei porquê. Pode ser que este post me motive 🙂 Do que tenho muitas saudades é do queijo de cabra que a minha avó fazia. Era tão bom. Mas onde se arranja leite de cabra?
    Beijinhos

    Gostar

  5. Isabel

    Voltei, Patricia…

    Para agradecer muito e muito a sua visita ao meu espaço (adorei “vê-la” por lá), os seus votos, as suas palavras tão carinhosas.

    Muito obrigada, voltarei sempre aqui.

    Beijnho

    Gostar

  6. sao33

    há seculos que não passo por aqui ,mas acontece que retirei da lateral do blog aplicação de blogs que sigo e os da wordpress não aparecem no painel do bloger logo perdi-te…
    Mas ao passar no meu facebok li o comentario e vim até aqui.
    Quando eu tinha ai uns 17 anos a minha mãe fazia queijos frescos para vender em restaurantes e eu ajudava , adorava fazer.
    Ela depois deixou mas ainda guarda as formas que são diferentes dessas.
    O teu queijo ficou mesmo uma tentação.
    bjs

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s