Casa do Sal… o meu obrigado

Sempre me perguntei porque,  aqui nos Açores, nunca foram criadas salinas, uma vez que temos tanto mar à nossa volta.

Uma salina é, basicamente, um conjunto de reservatórios que se destinam a receber água salgada, evaporando-a e retendo o sal que nela vem dissolvido.  Cá nas ilhas temos muitos reservatórios para a água da chuva, desde os tradicionais tanques nas casas, aos dos pastos e às lagoas artificiais que, por sua vez, também servem a lavoura. Então porque não se criam depósitos para a água salgada?  Sem recorrer a nenhuma base ciêntífica, ou investigação, conjeturei  uma possível razão para a inexistência de salinas aqui nas ilhas. Matéria-prima, ou seja, água salgada, não escasseia. Pensei então que como as salinas são construídas em grandes áreas planas, a formação geológica do arquipélago, irregular e acidentada, invalidaria a existência das mesmas.  Não sei se esta interpretação é válida.

O propósito deste post não é, porém, conjeturar sobre o atrás referido mas agradecer à Casa do Sal da Figeira da Foz o envio destas embalagens de sal.

Aproveitei a flor de sal com pólen para imprimir um toque diferente a esta salada.

Salada de tomate e beldroegas com flor de sal

Cortei em gomos dois tomates médios.

Descasquei um pepino pequeno.

Cortei cebola roxa às rodelas.

Salpiquei com folhas de beldroega.

Temperei com azeite, um pouco de vinagre e flor de sal com pólen de abelhas.

Esta é uma salada muito simples, mas tem sido a nossa eleita esta verão.

 

Obrigada, Casa do Sal, pelas embalagens.

Obrigada Andreia pelos tomates.

 

Outro sal, aqui.