Um voltar atrás…puré de maçã mascavado

Quando olhei para a fruteira reparei que sete maçãs permaneciam ali, estáticas, já há dias. Outras frutas da época têm-se sobreposto. Três variedades diferentes: duas Canada Gris, as minhas favoritas, três Golden, as preferidas da minha filha e duas JonaGold, as eleitas do meu marido. Pensei em assá-las na Actifry com vinho do Porto, canela e gengibre como fiz aqui, mas coloquei a ideia de lado por se tratar de maçãs com consistências diferentes. Decidi então preparar um puré de maçã. Operacionalizou-se um clique instantâneo e viajei em analepse. Curioso. Teletransportei-me até aos primeiros anos de vida dos meus filhos. Visualizei-me a descascar pacientemente maçãs e pêras e a colocar os pedaços num tachinho com pouca água. Vi-me a pôr a fruta já cozida no copo da varinha mágica – na altura ainda não tinha a Bimby, e ter-me-ia sido muito útil- e a triturá-la pacientemente para  transformá-la em cremosos purés caseiros. Ritual quase diário este que instintivamente revivi após olhar para simples maçãs esquecidas na fruteira, numa estação em que o calor e a humidade não ajudam a conservar.

Experimentei o puré, ainda morno. Não resisti. Fechei os olhos. Deliciei-me com as memórias de outros tempos. Um bébé em casa. Hora da papa. Hora da sopa. Hora da fruta cozida. Tempos cronometrados para a infinita missão de cuidar de uma criança. Tempos difíceis mas que passaram demasiado rápido. A evolução natural, dizem.

Coloquei o puré em quatro tacinhas.

Inovação (se assim se poderá denominar):

Polvilhei com açúcar mascavado escuro nas taças dos menos gulosos. A minha teve direito a um intervalo de açúcar mascavado entre a maçã que, no meu entender, contribuiu para um ar riscadamente apelativo.

Uma receita demasiado simples, dirão muitos. Um espaço dedicado a algo tão pouco elaborado, dirão outros. Fiquemo-nos então pela intenção do gesto de cozer fruta. Grandioso na sua simplicidade, não acham?

8 thoughts on “Um voltar atrás…puré de maçã mascavado

  1. Cristina Henriques

    Bem, é instantâneo em mim associar puré de maçã a bebé 🙂 As minhas meninas já não estão assim tão bebés, mas tenho muitas saudades dessa altura. Da maneira como um bebé pôe a nossa vida de pernas para o ar, e de como isso nos sabe bem e marca. Como o puré de maçã. Para sempre bebé, não há volta a dar. Lembro-me da primeira colherada da Madalena, a minha filha mais velha. Na pontinha da colher, e ela desajeitadamente a pôr para fora com a língua, desconfiada :9 Depois pouco a pouco a querer mais. Adoro um post assim, que me provoca tão boas memórias 😉

    Gostar

    • Ruthia

      Fez-me lembrar o Ratatuille, quando o ratinho serve ao grande crítico gastronómico um simples guisado que o transporta para a sua infância e a cozinha da mãe.
      E isso é realmente “food with meaning”, como este puré. Tenho um menino de 4 anos e parece que foi há um século que preparava as suas papinhas, com fruta biológica vinda da quinta dos avós, em Trás-os-Montes.

      Obrigada por esta recordação.
      Beijinho da Ruthia d’O Berço do Mundo
      http://bercodomundo.blogspot.pt/

      Gostar

  2. foodwithameaning

    Olá Cristina. Acho que este é mesmo um post para as mães. As memórias dos purés de fruta são coletivas e muito nossas. O seu testemunho da primeira colherada de puré de maçã da Madalena é deveras delicioso. Fiquei logo a imaginar uma boquinha pequenina e intrigada com um novo sabor.
    Obrigada por ter passado por cá.
    Um abraço.
    Patrícia

    Gostar

  3. foodwithameaning

    Olá Ruthia.Bem-vinda ao foodwithameaning. Gostei muito da analogia com o Ratatuille. Também tenho uma menina com 4 anos e sinto que o tempo passou a correr. Daqui a dois anitos já começa na escola. Mais uma coincidência: também tem avós trasmontanos, da aldeia de Gimonde.
    Obrigada por estas partilhas e volte sempre.
    Um abaço.
    Patrícia

    Gostar

  4. Babette

    A comida pode ter isso de nos levar a outros sítios, a outros momentos. Tão bom, que uma colher de puré de fruta possa fazer viajar… Memórias que todas as mães têm. Comigo a dobrar 😉 papas de fruta aos meus dois gémeos. E descobrir que um gosta mais de fruta do que outro. Até agora! Tão diferentes nos gostos!… Viiu? Também me levou lá atrás!…
    Babette

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s