Torta de Limão e Côco

Há qualquer coisa de imprevisível na confeção das tortas. Começar a preparação de uma torta e concluí-la com êxito depende de muitos fatores: do tempo que se leva a bater os ovos com o açúcar, do tempo de cozedura, que tem de ser vigiado para que a torta não seque demasiado e da habilidade ao enrolá-la, para evitar que quebre. Por isso, fazer uma torta requer mais engenho do que o necessário para preparar um simples bolo. Talvez são estas as razões que concorrem para que as tortas nem sempre acertem.

Fiz esta de limão e côco pela primeira vez. Segui uma receita de torta que constava do livro básico da Bimby. Adicionei a raspa de limão à massa, contrariamente ao que constava na receita, recheei-a com lemon curd e polvilhei-a com côco ralado.

Garanto-vos que esta torta é uma delícia.

Acompanhem-na com um café quentinho e desfrutem do momento.
torta de limão e côco

Ingredientes para a torta

3 ovos

100 g de açúcar

125 g de farinha

1 colher de chá de fermento em pó

1 pitada de sal

raspa de um limão (não consta da receita original)

côco para envolver a torta

 

Preparação na Bimby

Pré aqueça o forno a 180ºC.

Coloque a “borboleta”, os ovos, o açúcar e programe 2 minutos/37ºC/Vel. 3.

Programe mais 2 minutos, para que fique um creme fofo.

Incorpore a farinha, o fermento, o sal e programe 15 Segundos (marquei 30)/vel.3.

Deite a massa num tabuleiro forrado com papel vegetal. Unte o papel vegetal e certifique-se que a massa ficou bem espalhada.

Coloque no forno cerca de 10 minutos.

Desenforme quente sobre um pano polvilhado com açúcar e recheie a gosto

 

receita adaptada do livro básico da Bimby, página 151.

 

Preparação Tradicional

Pré aqueça o forno a 180ºC.

Coloque o açúcar e os ovos numa taça e bata com a batedeira durante 4 minutos até que fique um creme fofo.

Junte a farinha, o fermento e o sal e bata mais meio minuto.

Deite a massa num tabuleiro forrado com papel vegetal. Unte o papel vegetal e certifique-se que a massa ficou bem espalhada.

Coloque no forno cerca de 10 minutos.

Desenforme quente sobre um pano polvilhado com açúcar.

Dica: Enrolo a torta com recurso ao papel vegetal da cozedura desta. Deixo-a arrefecer enrolada e depois de fria desenrolo-a, recheio-a e volto a enrolá-la.

 

Ingredientes para o Lemon curd (recheio e cobertura)

160 g de açúcar

2 limões (raspa e sumo)

60 g de manteiga

2 ovos

 

Preparação na Bimby

Coloque no copo o açúcar e pulverize 20 Seg/Vel.9.

Junte as cascas de limão sem a parte branca e rale 15 seg/vel.9.

Adicione a manteiga, o sumo dos limões e programe 1 Minuto/Vel.2

Junte os ovos e misture 10 Seg/Vel 4

De seguida, programe 7 minutos/80ºC/Vel 2.

Retire e deixe arrefecer antes de rechear a torta.

Com o restante lemon curd barre toda a torta e polvilhe de imediato com côco.

Dicas. Poderão deixar ainda um pouco de curd para a decoração da torta, já em cima do côco. Por vezes, coloco uma risca de curd em todo o comprimento da torta ou faço riscas diagonais.

receita do livro básico da Bimby, página 140

Logotipo Dia Um... Na Cozinha Março 2015

 

Com esta receita, participo na Edição de Março de Dia Um…Na Cozinha, subordinada ao tema: tortas doces.

torta de limão e côco

 

 

 

 

Florentinas

As minhas primeiras florentinas foram um verdadeiro desafio. Como as descrevo? Doces, crocantes e viciantes!
Aqui estão elas.
Com esta receita, participo em mais uma edição de Vamos Fazer Bolachas, esta temporada subordinada ao tema “Florentinas”.
Florentinas de Melaço, frutos secos e cereja verde
 
florentinas
Ingredientes para 15 florentinas
50 g  de manteiga
2 colheres de sopa de melaço de cana
50 g de açúcar
60 g de farinha
250 g frutos secos (amêndoa palitada, avelãs e nozes)
cereja verde em calda q.b.
raspa de meio limão
50 g de chocolate branco para decorar
Preparação
1. Pré aquecer o forno a 170ºC e forrar um tabuleiro com papel vegetal.
2. Leve a lume brando um tacho com o açúcar, o melaço, a manteiga, a raspa de limão. Deixar levantar fervura.
3. Apague o lume e junte  a farinha e os frutos secos. Termine com a cereja verde aos pedaços. Deixe arrefecer ligeiramente.
4. Com uma colher de sopa coloque pequenas porções no tabuleiro deixando 4 centímetros entre cada bolachas.
5. Leve a cozer cerca de 15 a 20 minutos.
6. Retire e deixe arrefecer totalmente.
7. Derreta o chocolate branco em banho-maria e risque as bolachas. Poderá também cobrir a base das bolachas com o mesmo chocolate. Se optar por isso terá de banhar a base da bolacha no chocolate branco e colocá-la virada para cima para cima, de preferência numa grelha de arrefecimento, até que o chocolate solidifique. Só depois deverá decorar a parte de cima da bolacha com riscos de chocolate branco.
florentinasflorentinas

Convidei para jantar….Morten Harket

Aos 10 anos comecei a ter cantores favoritos. Estávamos em 1984/85. A década de oitenta estava repleta de artistas com guarda-roupa piroso, de onde destaco os casacos com ombreiras elevadas ao infinito por chumaços de espuma que alargavam o tórax e as costas ao artista mais franzino. Era também a época das popas descoloradas e seguradas por gel, das permanentes e de outfits coloridos. Tudo uma verdadeira desgraça, vistas bem as coisas agora à distância. Madonna dava os primeiros passos e o filme Top Gun, protagonizado por Tom Cruise, um verdadeiro destruidor de corações, esgotava todas as bilheteiras . No meio de tanta banda que eu seguia religiosamente através do programa Top +,  que passava na RTP 1 aos sábados, eu tinha um alaviu secreto: Morten Harket, o ex-vocalista dos A-ha, que cantava o ícone “Take on me”. Foram poucos os cantores noruegueses que alguma vez alcançaram tanto sucesso. Morten Harket tinha uma voz diferente das habituais e, para além disso, era lindo, de acordo com os meus questionáveis padrões de beleza da altura. Ao lado de Magne Furuholmen e Paul Waaktaar-Savoy, fez sucesso com canções como “Hunting high and low”, “You are the one”, “Cry wolf”, “Crying in the rain” e “Take on me”. Ei-lo aqui na revista Bravo, da qual eu era assinante compulsiva quase apenas pelo poster que continha no interior e que contribuia para o colorido das paredes do meu quarto e para o desespero da minha mãe, admiradora desde sempre do estilo minimalista, para não dizer impessoal, nos quartos de cama.

1533-1

Era ponto assente: amanhã nós teríamos cá em casa os A-hás todos . Quando confirmaram o jantar, os rapazes fizeram uma única exigência. O prato principal teria de ser carne. Desafio aceite.

O grupo A-ha em foto de divulgação dos últimos anos da banda, quando vieram ao Brasil (Foto: Divulgação)

Foram pontuais. Oito horas e cá estavam. O taxista que os trouxe pareceu muito surpreendido com a existência de uma casa neste sítio. Nunca tinha feito uma volta até aqui. Há sempre uma primeira vez para tudo e, no meu caso, aquele momento em que Morten Harket  saiu do carro foi uma primeira vez arrepiantemente estranha. Nem reparei que Magne e Paul saíam atrás dele. Só tinha olhos para esse meu ailaviu dos anos oitenta. Confesso que o meu marido demonstrava algum nervosismo. Também ele tinha sido fã dos A-ha. Morten mostrou-se muito tímido e acanhado e coube-me a mim fazer a primeira tentativa para quebrar o gelo. Quando me abeirei para cumprimentá-los surgiu uma nuvem de movimento por detrás de Morten que o deitou imediatamente por terra. Era o Stitch, um dos nossos cães cujo maior desejo na vida seria o deixar de ser trapalhão. Dificilmente o génio da lâmpada o concederá.

Deitado no chão de paralelos, Morten só dizia: What a clumsy dog!, e tentava levantar-se, ainda abafado pela energia do canídeo.

Que vergonha! – pensei eu. Que terrível comissão de boas-vindas.

Entrámos em casa. Morten perguntou onde ficava a casa de banho. Indiquei-lhe a porta e voltei à sala onde se encontrava o meu marido a desenferrujar o seu Inglês com os dois restantes noruegueses. Morten juntou-se ao grupo e enquanto o meu marido fazia de anfitrião, oferecendo-lhes um Porto, eu dirigia-me até à cozinha para ultimar o jantar. A mesa da sala de jantar estava posta e a conversa entre os homens fluía. Do lado de fora do grande vidro da porta da sala de jantar estava o Stitch já acompanhado pelo Wolf e pela Maxine, todos atentos ao que era dito cá dentro como se entendessem leitura labial e língua gestual. Sem que eu me apercebesse, Morten surge na cozinha no preciso momento em que eu retirava o tabuleiro do forno.

Do you need a hand?- perguntou-me. Como adoraria ter tido essa “hand” nos anos 80. Aceitei a ajuda e vi-o, pelo canto do olho, a transportar a assadeira até à sala de jantar. Pareceu-me, de repente, ainda mais sexy do que nos tempos da sua juventude. Meu Deus, não conseguia acreditar. O Morten estava ali, em carne e osso.

Morten+Harket+Red+Carpet+Arrivals+BMI+Awards+a0p_72UiJgAl

O jantar foi bastante animado. Gostaram do vinho Terras de Lava que lhes servi com os rolos de frango com bacon. Falei-lhes no meu video clip favorito, o da música “Take on Me”. Elogiei-lhes a criatividade em conjugar a banda desenhada com uma história de amor, onde a rapariga é convidada a entrar na história como personagem, ideias inovadoras para a época. O vídeo retrata a banda numa animação de banda desenhada denominada de rotoscoping- explicou-me Morten- que combinava o desenho com a ação de personagens reais. Disse-me também que o vídeo fora premiado seis vezes e nomeado outras duas para a edição de MTV Video Music Awards quando decorria o ano de 1986.

Fizeram-me muitas perguntas sobre os Açores, por cujas ilhas estavam fascinados. E prometeram voltar, mas por mais tempo.

Os cães ladravam. O táxi estava de volta para os vir buscar. Partiram quando a noite já ia muito escura. E nós ficámos a dizer-lhes adeus até que o táxi desaparecesse na curva da estrada.

Com Morten Harken, um dos meus ailavius de adolescente, participo no desafio Convidei para Jantar do blogue Anasbageri.

Rolinhos de Frango e Bacon e Arroz de Cogumelos

rolinhos de frango e bacon

Diapositivo3

Ingredientes para o frango

15 bifinhos pequenos de frango

15 fatias de bacon laminado (usei marca Continente)

1 pacote de sopa de cebola

3 colheres de sopa de molho de soja

1 pacote de natas light (200 ml)

queijo de São Jorge ralado q.b. (uns fios por cima de cada rolo)

orégãos secos ou frescos

azeite

1 cerveja mini

Preparação 

1. Cortam-se tiras de peito de frango praticamente do mesmo comprimento da fatia de bacon.

2. Envolvem-se de ambos os lados na mistura seca da sopa de cebola.

3. Dispõem-se as tiras de bacon e colocam-se por cima os bifinhos de bacon. Enrolam-se e espetam-se em palitos de madeira. Colocam-se no fundo da assadeira até perfazerem 15 rolinhos.

4. Em cima de cada rolo coloca-se um pouco de queijo de São Jorge ralado e risca-se toda a assadeira com fios de natas. Faz-se o mesmo com o molho de soja.

5. Rega-se tudo com a cerveja e com um generoso fio de azeite e polvilha-se com orégãos.

6. Leva-se ao forno pré-aquecido durante 30 minutos.

Diapositivo2

Ingredientes para o Arroz de Cogumelos

1 chávena de arroz (usei basmati)

2 chávenas de água

azeite q.b.

2 dentes de alho

cogumelos (usei uma mistura de cogumelos congelados- marca Continente)

sal

Preparação

1. Faz-se um leve refogado com o alho (cuidado, para não deixar queimar)

2. Junta-se o arroz e deixa-se o arroz fritar um pouco mexendo sempre com a colher de pau.

3. Adicionam-se os cogumelos e mexe-se.

4. Junta-se a água a ferver e tempera-se de sal. Mexe-se. Deixa-se cozinhar com o tacho destapado.

Quando a água desaparecer da superfície do arroz, tapa-se o tacho e desliga-se o lume.
Diapositivo4

Butelo com casulas

butelo com casulas_foodwithameaning

Gosto de falar de comida e gosto de comida com história. Este prato tradicional transmontano é um exemplo disso. Fechado o butelo impõe respeito. Aberto leva-nos a ver ossos desconcertantes. O butelo é feito com os ossos do espi­nha e das cos­te­las do porco que contém pouca carne e é rode­ado pela bexiga ou bucho do ani­mal. Este enchido, com interior pouco nobre, tor­nou-se uma tra­di­ção no Car­na­val do distrito de Bra­gança. Uma tra­di­ção que dá nome a um festival organizado pela Câmara Municipal de Bragança: o Festival do Butelo e das Casulas, que se realiza todos os anos no mês de fevereiro.

O butelo é considerado pelos brigantinos ou bragançanos “a jóia do fumeiro”. As casulas ou cascas, feijão seco na vagem, acompanham este prato.

casulas ou cascas

Deixo a confeção do butelo para os especialistas. Darei detalhe dos ingredientes e da preparação deste prato.

Ingredientes

  • Cascas ou casulas 500 g
  • Butelo grande 1
  • Linguiça 1
  • Batatas 8- (utilizei batata branca e batata doce)
  • Azeite virgem extra transmontano q.b.
  • Orelheira Opcional (utilizei barriga de porco salgada)
  • Pezinhos Opcional
  • Grelos Opcional

1. Pôr as casulas, que são vagens de feijão secas,  de molho de véspera.
2. Deitar o butelo em água a ferver e cozer durante cerca de 2h30 a 3 horas, em função do tamanho. Verificar a cozedura ao fim de 2 horas.
3. Noutro tacho, ferver água com sal e deitar as cascas escorridas. A cozedura das cascas verifica-se através dos feijões. Em geral, esta cozedura demora pouco mais de 1 hora.
4. Num outro tacho, cozer a linguiça e as batatas. É costume cozer todos os ingredientes juntos, no mesmo tacho, mas é conveniente, cozer as batatas sempre à parte.
5. Escorrer muito bem todos os ingredientes. Abrir o butelo e servir bem quente com as cascas, a linguiça e as batatas, tudo regado com azeite transmontano.

Nota. Cozi a barriga de porco salgada com o butelo, mas retirei-a assim que estava cozida.

Fonte da receita

butelo com casulas_foodwithameaning

butelo com casulas_foodwithameaning

Para ficarem a saber mais sobre o butelo vejam esta notícia.

Workshop- Cozinhar a Brincar- Receitas para Pequenos Chefs

Nunca me canso de dizer que as crianças são o melhor do mundo. E são-no pela energia, pela motivação, pelo olhar atento e também pela crítica espontânea. Por isso, dinamizar um workshop para crianças exige contar com o inesperado e ter na manga muitos planos B,  para fazermos com que estas mantenham a atenção no máximo e colaborem na execução das receitas.  Por sugestão do Célio Cruz do blogue Sweet Gula e da Maria João Clavel, do blogue Clavel’s Cook, o departamento de marketing do DeBorla convidou-me para dinamizar o primeiro workshop desta loja, por altura da remodelação das instalações do mesmo. Deixei desde sempre claro que sou apenas uma blogger que gosta de cozinhar e fotografar e cheguei a sugerir outras food bloggers por achar que seriam porventura as pessoas mais indicadas devido à larga experiência na área, como é o caso da Elvira do blogue Elvira’s Bistrot e da Manuela, do blogue Delícias e Companhia, entre outras. Hoje posso dizer que o workshop excedeu as minhas expetativas. Trabalhei muito na organização e implementação do mesmo, mas, confesso que me diverti imenso com todas as meninas participantes. Estas foram excecionais e colaboraram como profissionais na confeção das receitas. Houve muita fotografia, gargalhada e chocolate à mistura. Um muito obrigada às mães, que acompanharam todo o workshop com muita atenção e entusiasmo, e ao DeBORLA pela iniciativa.

Abaixo deixo o link que contém o álbum com as fotos  do workshop de ontem.

https://www.facebook.com/patricia.foodwithameani…/media_set…

10981219_10155211231035504_5132594227922324677_n

Balões e chocolate combinam…

As crianças são o melhor do mundo. O Carnaval é tempo de diversão. Porque não combinar a irreverência das crianças com a alegria do carnaval, juntar a tudo isto uns pozinhos de chocolate e terminar com gelado?

Eis a sugestão para este terça-feira de Entrudo.

taça de chocolate feita com balões de água

Taças de chocolate  

taça de chocolate feita com balões de água

taça de chocolate feita com balões de água

Ingredientes (8 taças)

1 tablete de chocolate semi-amargo – 200 g- (utilizei de culinária com 40% de cacau)

1 colher de sobremesa de manteiga sem sal

balões de água (1 balão por taça)

1 tabuleiro

folha de papel vegetal

Preparação

Enchem-se os balões com recurso a uma bomba de enchimento ou mesmo soprando até ao tamanho que se desejar. Dá-se um nó e reservam-se.

Parte-se o chocolate ainda fechado na embalagem, evitando assim sujar-se as mãos.

Coloca-se o chocolate numa taça de vidro e leva-se ao micro-ondas em ciclos de 30 segundos, mexendo sempre vigorosamente entre paragens  até que o chocolate esteja completamente derretido.

Junta-se a manteiga. Mexe-se novamente.

Mergulha-se a base do balão no chocolate. Retira-se e dispõe-se no tabuleiro forrado com papel vegetal.

Leva-se ao frigorífico cerca de duas horas (mínimo)

Imediatamente antes de servir, retiram-se os balões com chocolate do frigorífico, furam-se os balões, retirando com cuidado os pedaços de balão.

Serve-se gelado nas taças.

taça de chocolate feita com balões de água

taça de chocolate feita com balões de água

Com esta receita participo no passatempo do 2º ano do blogue da Leonor Cerveira, Na Cozinha da Leonor.

DSC_0144

Continuação de um excelente Carnaval!

taça de chocolate feita com balões de água

taça de chocolate feita com balões de água

Ebony and Ivory

O Dia de São Valentim aproxima-se. É já sábado. Apesar de este ano o dia coincidir com o Carnaval, não há motivo para não se festejar ambas as tradições em pleno. Se for o tipo de pessoa mais pacata, e não apreciar as tradições carnavalescas dos bailes de máscaras, dos desfiles trapalhões ou das cansativas e repetitivas músicas desta época, tem sempre a possibilidade de ir para a cozinhar preparar um miminho especial para a sua cara-metade como demonstração de afeto. Os Bombons são a minha sugestão para este ano. Optei por uma dupla de chocolate negro e chocolate branco, ao jeito ebony and ivory. Desta forma elimina-se o perigo de não se agradar a todos. Poderão também optar por confecioná-los com chocolate de leite. Nestas coisas a imaginação é o limite.

Bombons de chocolate negro e licor de amora & Bombons de Chocolate Branco e Licor de Anona

Bombons

Ingredientes para 15 unidades de cada tipo de chocolate

2oo g de chocolate meio-amargo

200 g de chocolate branco

2 colheres de chá de manteiga

1 colher de sopa de licor de amora (típico da ilha do Pico)

1 colher de sopa de licor de anona (típico da Ilha da Madeira)

Modo de Preparação

1. Partir cada chocolate em taças separadas. Pode fazê-lo ainda com o pacote fechado, batendo com este no tampo da bancada. Assim evita suar as mãos.

2. Levar ao micro-ondas cada taça separadamente por períodos de 30 segundos. Mexer muito bem com uma colher e voltar a levar ao micro-ondas mais 30 segundos. Misturar novamente muito bem. Se necessário, voltar ao micro-ondas.

3. Juntar uma colher de chá de manteiga em cada taça. Na taça do chocolate negro, adicionar uma colher de sopa de licor de amora. Na taça de chocolate branco, adicionar uma colher de sopa  de licor de anona. Voltar a misturar bem os ingredientes.

4. Verter para formas de silicone variadas. Não encher demasiado. Com uma colher afagar a mistura para o chocolate assentar em todas as partes das formas. Tenta-se assim evitar que se criem bolsas de ar que resultarão posteriormente em pequenos orifícios inestéticos. Alise a superfície do chocolate raspando com uma faca de corte no sentido do comprimento da forma. Bater com a forma na bancada para ajudar a assentar o chocolate.

5. Levar ao frigorífico até solidificar (um mínimo de duas horas). Desenformar e servir à temperatura ambiente.

bombons

E para celebrar o Amor, nada melhor do que uns corações negros, nome pelo qual são conhecidos estes frutos cá na ilha, cortados a meio e comidos à colher. Achei estes dois tão bonitos por terem a forma de coração bem definida. Muito apropriados para a ocasião. E, de repente, recordo uma postagem do meu amigo Joel Neto, cujo texto vale mesmo a pena ler.

Deixo-vos o link: http://www.joelneto.com/morrer-de-amor-424673

coração negro_anona
Bombons

Links de São Valentim:

https://foodwithameaning.wordpress.com/2014/02/14/costela-de-adao-em-dia-de-sao-valentim/

https://foodwithameaning.wordpress.com/2013/02/14/be-my-pink-cookie-heart/

O frio pede comida de forno….garoupa em cama de batata nova, alho-francês e curtume

Quem vem seguindo o Foodwithameaning saberá o quão fãs somos de peixe e marisco. De facto, a etiqueta Peixe apresenta já uma grande variedade de sugestões com peixes apanhados maioritariamente pelos pescadores locais ou pelo meu marido que pratica pesca-submarina essencialmente na primavera e no verão. Neste momento, ele anda de volta da churrasqueira a preparar as brasas para mais um peixinho saboroso. Os domingos prestam-se a estas coisas e o dia está lindo mas frio. O frio , por sua vez, pede brasas ou então fornos quentinhos, como é o caso da receita que vos trago hoje, garoupa no forno com batata nova, alho-francês e curtume.

Vamos para a mesa?

garoupa assada com batata nova e alho francês

Ingredientes

1 garoupa

batata nova

2 alhos franceses

2 tiras de pimento vermelho de curtume

salsa

orégãos frescos

3 dentes de alhos

2 colheres de sopa de manteiga

sumo de lima a gosto

moinho de cinco pimentas

1 malagueta

1 folha de louro

azeite

meio copo de água

 

Preparação

1. Lavam-se as batatas e colocam-se a cozer numa panela com água temperada com sal, uma malagueta e uma folha de louro. As batatas não devem ficar muito cozidas, mas aguentadas para posteriormente conseguirem suportar o tempo de forno necessário para se assar o peixe. Escorrem-se e reservam-se.

2. Colocam-se as batatas num refogado feito com alho-francês. Para este, corta-se o alho às rodelas e deixa-se refogar no azeite. Perto do final, acrescentam-se pedacinhos de pimento vermelho de curtume. Envolvem-se as batatas neste refogado e temperam-se com moinho de cinco pimentas.

3. À parte, prepara-se um molho para o peixe com a manteiga e o alho picado. Leva-se ao micro-ondas até fervilhar. Junta-se a este molho a salsa picada e os orégãos.

4. Tempera-se o peixe com sal e dispõe-se no fundo de uma assadeira regada com um fio de azeite.

5. Aconchegam-se as batatas e o refogado que as envolve à volta do peixe e verte-se o molho de manteiga, alho e e ervas aromáticas por cima deste.

6. Vai ao forno pré-aquecido entre 20 a 30 minutos, a 200 ºC, apenas com a resistência inferior. Se necessário, acrescenta-se meio copo de água ao tabuleiro de peixe.

7. Antes de servir, espreme-se o sumo de lima por cima do peixe.

 

foodwithameaning

Não se esqueçam de passar nesta cozinha amanhã ou depois porque terei umas sugestões bem amorosas para comemorarem o Dia de São Valentim!

Amizade

Há tradições que não se perdem. Celebrar o dia das amigas com pessoas que vêm fazendo parte da minha vida  tem sido uma das mais importantes. Existem as amigas da infância, as da adolescência e as da idade adulta. Todas ocupam um lugar de carinho, quer nos encontremos poucas ou muitas vezes. Umas estão distantes, outras perto. Outras ficaram mesmo para trás. Perderam-se os contactos e os afetos. Com algumas partilhamos a mesa, com outras uma conversa telefónica Quase todas as minhas amigas são pessoas serenas e previsíveis. A verdade é que  já conseguimos adivinhar os pensamentos, as alegrias e os cansaços umas da outras, sem quase ser necessário falar. Para se viver uma amizade em pleno é preciso saber ouvir, estar atento, consolar, aconselhar. É saber e querer permanecer. É acompanhar em silêncio, estar ao lado.

Para um dos encontros com amigas especiais levei um sol de inverno cheio de braços de coisas de comer. Um sol salgado ao jeito de finger food. Elas afirmaram que gostaram muito deste meu petisco em forma de estrela. E eu não cabia em mim de contente. Não precisava de carinho maior.

E sobre coisas de se gostar muito lembrei-me de uma amiga que nunca conheci pessoalmente mas de quem guardo um grande carinho e cujos textos adoro ler. A minha amiga Mar. Este sol é também para ela.

piza sol

Ingredientes

1 base de massa folhada redonda

1 base de massa quebrada redonda

50 g de pepperoni laminado

100 g de queijo creme

2 colheres de sopa de queijo tipo ilha ralado

100 g de queijo flamengo ralado

1 colher de chá de mostarda

1 colher de chá de salsa chili picante Heinz

3 colheres de sopa de ketchup

sementes (de abóbora, de girassol, de papoila)

endro q.b.

orégãos q.b.

2 gemas de ovo

Preparação

1. Estender uma folha de papel vegetal num tabuleiro e colocar uma base de massa já desenrolada.

2. Cortar aos pedacinhos o pepperoni e adicionar-lhe os queijos, o ketchup, a mostarda e a salsa chili picante.

3. Dispor este preparado em cima da massa.

4. Cobrir o preparado com a outra base de massa também já desenrolada.

5. Colocar uma taça ou copo de bocal largo no centro da massa e fazer pressão sem cortar.

6. Disferir golpes com uma faca desde a taça até à extremidade da massa, formando tiras de massa com o mesmo tamanho.

7. Dar três voltas em cada tira.

8. Pincelar com as gemas de ovo.

9. Polvilhar com sementes a gosto.

10. Levar ao forno, previamente aquecido, durante 30 minutos, a 200 ºC.  Nos últimos minutos ligar a resistência superior do forno para conferir um tom dourado à massa.

Antes de ir ao forno

Diapositivo2

Depois de sair do forno

piza sol

A petiscar no lanchinho de amigas

piza sol

Nota. Poderão substituir as bases de massa folhada e quebrada pela tradicional massa de piza.

piza sol

O mote era uma receita vegetariana…

Nesta 21ª edição do “Dia Um… Na Cozinha” todos os cozinheiros foram desafiados a fazerem desfilar na passadeira vermelha “PRATOS VEGETARIANOS” que possam trazer Cor, Sabor, Prazer e Desejo de ir para a cozinha experimentar.

Pessoalmente acho que a receita que trago hoje se enquadra como uma luva nestas categorias todas. Sendo esta a segunda sugestão de entradas que publico esta semana, começo vivamente a acreditar que eu até podia viver só de entradas e tapas o resto da minha vida. O que é certo é que conjugar queijos, azeitonas, enchidos, pão e um bom vinho fazem uma refeição perfeita. Esta entrada não tem nada disto mas também tem tudo de bom.

Surgiu da necessidade de se gastar algumas pêras abacate que amadureceram cedo. Penso que estas deveriam estar com pressa de se transformarem neste guacamole fresco e despretensioso.

Acrescentem-lhe uns nachos simples ou de queijo e verão que tão rápida e facilmente podem preparar uma entrada.

guacamole

guacamole

Ingredientes

4 abacates maduros descascados

1 colher de café de cominhos

1 tomate médio maduro, sem sementes, em cubos

1/2 chávena de cebola roxa picada

gotas de molho tabasco (mild ou hot, como preferir)

4 colheres de sopa de sumo de limão

mistura de cinco pimentas

sal

Preparação

Descasque o abacate.

Pique o abacate em pedaços grandes e esmague grosseiramente numa tigela grande com um garfo.

Adicione os ingredientes restantes e misture.

Prove e ajuste o tempero com mais molho tabasco, sal e pimenta se desejar.

Logotipo Dia Um... Na Cozinha -  Fevereiro 2015

guacamole

Dica: Deixem um dos caroços do abacate misturado com o preparado. A presença deste evita que o guacamole oxide.