Risotto de Chouriço

Não existe receita mais reconfortante do que a de um delicioso risotto. Por ser uma receita um pouco demorada em termos de confeção, e que requer alguma paciência, ou compromisso com o tacho e a colher de pau, como costumo dizer, os risottos cá de casa são, por norma, receitas de fim de semana. Nos outros dias da semana, arrozes com cozeduras mais rápidas, como o basmati e o agulha são os mais escolhidos para os acompanhamentos das refeições.

Este risotto de chouriço é, por sua vez, especial, já que foi uma das receitas confecionadas na formação que frequentei ontem sobre Pão Artesanal, Risottos e Arancini, dinamizada pela formadora Ana Simas, após a mesma ter participado numa formação em Itália em julho passado. Éramos doze formandos muito entusiasmados e colaborativos e adorámos preparar os fermentos para o pão, os ingredientes para os risottos e, finalmente, moldar e fritar os arancini. Foi muito bom partilhar algumas horas com pessoas que, tal como eu, têm a paixão pela cozinha e adoram convívios culinários.

Risotto de Chouriço

1

(Ingredientes para 4 doses)

  • 250 g de arroz arbóreo
  • 200 g de cebola cortada em brunesa
  • 3 dentes de alhos grandes picados
  • 200 g de chouriço cortado em pedacinhos
  • 50 ml de azeite
  • 1 litro de água quente
  • 200 ml de vinho branco (de qualidade) ou Martini seco
  • 80 g de queijo parmesão ou de S. Jorge ralado
  • pimenta e sal
  • salsa fresca ou cebolinho

Preparação

Refogar a cebola, o alho e o chouriço no azeite. Juntar o arroz e deixar alourar um pouco. Nessa altura, juntar o vinho e deixar o álcool evaporar.

Juntar água aos poucos e mexer sempre até esta ser absorvida. Repetir o processo até o arroz estar cozinhado. Temperar com sal e pimenta a gosto.

No final da cozedura, juntar o queijo. Mexer e retificar o tempero.

Servir de imediato com salsa ou cebolinho frescos cortados finamente.

2

Em Dia Internacional do Celíaco…

1

Confecionei recentemente esta sobremesa num workshop dedicado a sobremesas sem glúten e sem lactose. Sabia que era uma receita garantida por vários fatores: pelo grau de facilidade, pelo sabor, e por ser apelativa.  Decidi fazê-la com morangos, mas estes podem ser facilmente substituídos por outros frutos, desde que se proceda à correspondência com as respetivas gelatinas. Com frutos do bosque, pêssego e frutos tropicais, como a manga, resulta também muito bem. Se optarem por utilizar kiwi ou ananás terão de dar uma fervura aos frutos com uma colher ou duas de açúcar, e deixá-los arrefecer, antes de os adicionarem ao leite de coco. Se não pretenderem fazer esta sobremesa com o copo inclinado, poderão verter a gelatina para um recipiente refratário quadrado ou retangular, cortá-la em cubos, depois de solidificada, e misturá-a no preparado de mousse de leite de coco, fruta e chia.

Sobremesa de Morango e Gelatina com Leite de Coco e Sementes de Chia

  • 1 pacote de gelatina de morango
  • 1 lata de leite de coco
  • 1 chávena de morangos
  • Morangos para a decoração
  • Aroma de baunilha
  • Mel ou açúcar a gosto
  • 1/4 chávena de sementes de chia
  • Amêndoa aos pedacinhos torrada

 

Faz-se a gelatina de morango de acordo com as instruções da embalagem. Coloca-se em copos que se guardam inclinados no frigorífico até que a gelatina solidifique (num tabuleiro com arroz ou leguminosas secas para que segurem o copo na posição pretendida).

Começam-se por triturar os morangos com o leite de coco. Adoça-se com açúcar ou mel a gosto. Aromatiza-se com aroma de baunilha. Mistura-se as sementes de chia e mexe-se.

Depois de solidificada a gelatina, despejam-se colheradas desta mousse na parte vazia do copo. Leva-se ao frigorífico um mínimo de 4 horas. Decora-se com pedaços de morango na hora de servir e frutos secos torrados e aos pedacinhos.

 

Gelado de Chocolate-Mousse

IMG_6593

 

Este gelado tem uma história caricata.

Não era para ser gelado.

Foi preparado para ser uma mousse que seria servida aos convidados no aniversário da minha filha. Porém, e como é habitual em dias de festa haver várias sobremesas, esta ficou simplesmente esquecida no frigorífico, até ser descoberta ao final da noite ao acomodarmos as sobras da festa. Lá estava ela na prateleira numa tigela de pé em cristal linda de morrer, mas que nessa noite não atingiu o estrelato. Esta mousse de chocolate acabou por ser a sobremesa do almoço do dia seguinte e transformou-se em gelado porque ao colocá-la num recipiente mais pequeno o meu filho inadvertidamente a colocou numa das gavetas do congelador em vez de na prateleira do frigorífico. O resultado está à vista. Resultou num gelado cremoso e irresistível.

3

6

Ingredientes

  • 400 g de chocolate de culinária Pantagruel
  • 12 ovos
  • 200 g de açúcar branco
  • 2 colheres de sopa, bem cheias, de manteiga com sal
  • 1 colher de sopa de aroma de baunilha

Preparação

  • Bater o açúcar, o aroma de baunilha e a manteiga com a batedeira até desaparecer o granulado do açúcar.
  • Juntar, de seguida, uma a uma, as gemas, continuando sempre a bater até se obter um creme esbranquiçado.
  • Adicionar o chocolate, previamente derretido em banho-Maria.
  • Bater as claras em castelo e adicioná-las aos poucos no preparado anterior.
  • Levar ao congelador de um dia para o outro.
  • Retirar do congelador 15 minutos antes de servir.
  • Acompanhar com amendoim tostado com mel e sal.

Showcookings Wine in Azores- Terceira…em retrospetiva

Faz hoje exatamente uma semana que realizei o meu primeiro showcooking no âmbito do evento Wine in Azores– Terceira, organizado pela Gorgeous Azores  em parceria com a Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, e que promoveu os vinhos de todo o país e os produtos regionais açorianos. O facto de saber que eu estaria no mesmo programa ao lado de chefs de renome, Rui Martins, o Melhor Chefe de 2016, Renato Cunha, cinco vezes garfo de ouro, e Paulo Mota, açoriano e com 35 anos de profissão passados em prol da culinária em hotelaria de cinco estrelas conferiu-me um friozinho na barriga e um sentido de responsabilidade muito grande. Havia que fazer um bom trabalho e, se possível, impressionar, ou pelos menos, representar da melhor maneira possível, os e as  foodbloggers que, mesmo sem formação profissional na área, têm a paixão pela cozinha. No meu caso, o que pretendi foi que esse gosto culinário, e alguns dos conhecimentos que fui adquirindo desde 2011, quando criei este blogue, fossem transmitido, com entusiasmo, simplicidade, conjugando os produtos regionais com uma apresentação de pratos, neste caso de entradas, que fossem esteticamente apelativas, mas acima de tudo repletas de sabor e com algumas combinações menos comuns. Para o efeito concorreu o apoio sempre indispensável a nível de ervas aromáticas, plantas e flores que a Quinta Biológica Biofontinhas, de Avelino Ormonde, e a Quinta do TiCanoa, de Rodrigo Silva, me proporcionaram.

Gostaria de fazer um agradecimento muito especial à minha amiga e foodblogger Sónia Melo, do Chez Sónia, que me incentivou a participar neste evento, no qual também fiz novas amizades.

Deixo-vos agora com as minhas propostas confecionadas em ambos os showcookings.

Mesa de Fingerfood

IMG_6305

Tosta melba com queijo Vaquinha, doce de figo e perrejil cenoura

IMG_6284

Tapenade com planta do gelo

Tapenade com planta do gelo (da Quinta Biológica Bio Fontinhas)

IMG_6287

Brigadeiros de Queijo de do Pico com Amêndoa e micro coentros

IMG_6286

Diapositivo3

Paté de Cavala com pasta de tomate seco em colheres de massa folhada

(com arroz salino/ com flor de borragem)

IMG_6291  IMG_6339

Tapa de pão preto/ pão de milho com queijo de São Jorge e linguiça da Terceira

IMG_6298IMG_6333

IMG_6302

IMG_6353

IMG_6354

IMG_6235

IMG_6351

IMG_6352

IMG_6318

IMG_6315.JPGIMG_6316

E depois da prova de degustação, todos podemos assistir aos showcookings do chef Renato Cunha e Rui Martins. Foi também muito bom estar do lado da assistência e poder aprender com ambos.

IMG_6343IMG_6393

IMG_6401

IMG_6356

IMG_6385

IMG_6414

O bolo dos 9

Um  bolo todo branco com flores rosa clarinho foi um dos pedidos da princesa cá de casa para comemorar o seu nono aniversário. Do interior constou o tradicional bolo mármore, porque a “pré-adolescente”, como se denomina de há tempos para cá, estava indecisa acerca do sabor do  bolo. Umas vezes queria de chocolate outras de baunilha. O bolo mármore resolveu esta dúvida de imediato.

E este bolo marcou um início e um término. Para o ano será já um aniversário com dois dígitos. A sequência de 1 a 9 termina aqui. Outra começará  dando início às dezenas, e com elas tantas outras preocupações e alegrias.  Se o percurso for como este até aqui será um mar de rosas, pois a princesa tem sido uma menina amável, boa filha e excelente aluna. Se tiver algum alto e baixo daqui por diante, estarão os pais e a família para a apoiar e orientar. Neste aniversário, foram-lhe concedidos alguns desejos e muita festa!

Happy Birthday Vitória!
IMG_6064

IMG_6075

IMG_6070

IMG_6063

IMG_6067

IMG_6100

IMG_6054

IMG_6083

Receita do bolo aqui.

Workshop ‘Sobremesas sem Glúten e sem Lactose’

Foram quatro as receitas que selecionei para um workshop dedicado a sobremesas sem glúten e lactose. Este realizou-se hoje, ao fim da tarde, na Casa de Saúde de São Rafael, a convite da psicóloga Sara Loureiro, e esteve integrado na IV Semana da Reabilitação. Utentes e colaboradores da unidade Pierluigi Marchesi mostraram muito interesse pelas receitas e momentos explicativos relativos à alimentação sem glúten e sem lactose. Foi um workshop muito interativo e descontraído, tendo o produto final sido posto à prova durante o momento de degustação das diferentes sobremesas. Sorrisos deliciados foram o veredicto. Receitas aprovadas e muitas promessas de reproduções em breve.

Abaixo partilho duas das receitas confecionadas. As restantes serão divulgadas em publicações futuras.

Bolo de waffles de aveia e arroz, com compota de uva, molho de morango e suspiros de limão

5

Ingredientes

  • 400 g de farinha sem glúten mix dulce da Schar ou 200 g farinha de arroz e 200 g de farinha de aveia
  • 350 ml de leite vegetal de soja, de coco, de arroz ou de água
  • 4 colheres de chá fermento em pó
  • 1 colher de café de bicarbonato de sódio
  • 3 ovos
  • 1 colher de chá sal
  • 4 colheres de sopa açúcar
  • 3 colheres de sopa bem cheia de margarina vegetal
  • raspa de 1 laranja
  • 1 colher de sopa de extracto de baunilha
  1. Batem-se as gemas com o açúcar e com a margarina. Junta-se a baunilha, o sal e a raspa de laranja.
  2. Adiciona-se metade da farinha e do leite.
  3. Junta-se o fermento e o bicarbonato. Mexe-se bem.
  4. Termine com o resto do leite e da farinha. Bata novamente, mas pouco.

 

Bolachas de Nozes com tâmaras e Coco

4

Ingredientes

  • 120 g de nozes trituradas
  • 20 tâmaras descaroçadas
  • 2 chávenas médias de coco ralado
  • 1 colher de chá de canela em pó
  • 1 colher de chá de baunilha
  • 1 pitada de sal
  1. Pré-aqueça o forno a 180° C.
  2. Forre uma bandeja grande com papel vegetal.
  3. Coloque os ingredientes num processador de alimentos e misture em alta velocidade até ficar uma massa pegajosa.
  4. Use as mãos para moldar a mistura em uma ou duas bolas firmes. Coloque uma bola num grande pedaço de papel vegetal e use um rolo para estender a mistura com a sua espessura desejada.
  5. Use um cortador de biscoitos para cortar as bolachas e coloque-as na bandeja preparada.
  6. Coza durante 8 – 10 minutos. Remova o tabuleiro do forno e deixe as bolachas arrefecerem durante 5 minutos antes de transferir para uma grelha a fim de arrefecerem completamente.

Folar Transmontano…em domingo de Páscoa

Folar de Carnes Transmontano

Neste domingo de Páscoa, partilho, com todos os leitores do Food with a Meaning, o único folar que faz sentido para o transmontano cá de casa, ou seja, o folar de carnes. A açoriana, esposa dele, começou por não apreciar este folar, por ser diferente do folar doce ao qual cresceu habituada, mas hoje não há Páscoa que ela não o faça para marcar esta tradição gastronómica do norte do país.

Depois das publicações anteriores, dedicadas aos tradicionais folares doces, deixo aqui retratos de uma tradição de longe confecionados em forno de lenha açoriano.

Votos de uma quadra feliz!

Folar de Carnes Transmontano

IMG_2122

IMG_2165

IMG_2085

IMG_2082

IMG_2090

IMG_2095

IMG_2149

IMG_2162

E agora as fotos do Folar Transmontano confecionado na Loja DeBOrla- Terceira no workshop deste mês de abril, dedicado aos Folares de Páscoa.

21

20

Ingredientes para um folar  

  • 6 ovos médios
  • 500 g de farinha T65
  • 100 ml de azeite
  • 50 ml de manteiga derretida
  • 1 saqueta e meia de fermento granulado (16 g)
  • pitada de sal grosso
  • enchidos (presunto; chouriça; bacon)

 

Preparação Tradicional

Dissolva o fermento na água morna. Numa bancada coloque a farinha, abra uma cavidade e coloque o sal, a manteiga amolecida, o azeite, os ovos e o fermento dissolvido. Amasse muito bem até à massa se descolar das mãos e da bancada. Faça uma bola, polvilhe-a com farinha e deixe repousar, em local aquecido e coberto, até duplicar o volume. Entretanto corte os enchidos em fatias a seu gosto. Não convém que sejam muito finas. Depois da massa levedada, separe-a com as mãos em duas ou três partes iguais. Com o rolo de cozinha entenda-as até obter círculos iguais. Unte uma forma redonda sem buraco com azeite ou com manteiga. Forre o fundo com um círculo de papel vegetal, untado à superfície.  Coloque no fundo da forma uma rodela de massa, cubra com enchidos, depois outra placa de massa e enchidos até terminar com massa. Deixe ficar assim até levedar outra vez (cerca de meia hora). Una os lados para evitar que os enchidos se escapem. Ligue o forno a 180ºC. Pincele o folar com a gema desfeita num pouquinho de água, e leve ao forno cerca de 40 minutos. Ao sair do forno, desenforme e pincele com azeite para ficar brilhante e dar sabor.

Obs. Há também que divida a massa em apenas duas partes, abra uma cova no meio, recheie com os enchidos e feche com a outra tampa de massa, unindo os bordos.

 

 

Preparação em robô de cozinha- Thermomix – Bimby:

Coloque a borboleta no copo da máquina e adicione os ovos inteiros. Marque 37 ºC, 2 minutos e velocidade 3 1/5. Ainda com a borboleta inserida, adicione o sal, o azeite e a manteiga derretida. Marque 1 Minuto, Vel 2. Com a máquina em funcionamento, vá adicionando a farinha e o fermento pelo bocal. Marque Vel. Espiga (amassar) durante 15 minutos. Retire a massa da máquina e coloque-a a levedar num alguidar tapada com uma toalha de cozinha até dobrar de volume. Pincele com manteiga derretida ou com azeite uma forma de cerâmica de suflé (ou uma em alumínio) e forre o fundo com um círculo de papel vegetal, untado à superfície. Coloque no fundo da forma uma rodela de massa, cubra com enchidos, depois outra placa de massa e enchidos até terminar com massa. Deixe ficar assim até levedar outra vez (cerca de meia hora) Una os lados para evitar que os enchidos se escapem. Alise o folar com a gema desfeita num pouquinho de água, e leve ao forno. Leve a cozer em forno quente durante 40 minutos.